Diarreia de verão


Nos finais e inícios dos anos, em todos os meses de verão é freqüente o aumento de casos de diarreia aguda, com ou sem ocorrência de surtos, principalmente em cidades com intenso afluxo de pessoas tais como cidades litorâneas e turísticas.  

Nesses locais, devido ao aumento populacional que triplica ou quadruplica a população, são inúmeros os fatores de risco que concorrem para a ocorrência de casos de doença diarreica aguda tais como:  

1) Ingestão de alimentos preparados sem higiene, e/ou mantidos sem refrigeração, comercializados, na maioria das vezes, sem licença da vigilância sanitária;

2) Consumo de ostras e outros frutos do mar crus ou de procedência desconhecida;  

3) Consumo de gelo, “raspadinhas”, “sacolés”, sucos, água mineral, de procedência desconhecida e clandestina, produtos que podem ter sido preparados com água contaminada, de bica ou de poços, ou sem a higiene necessária;  

4) Hábito de levar alimentos prontos para praia ou acampamentos sem a conservação térmica adequada (resfriamento ou reaquecimento adequados), deixando esses alimentos em temperatura ambiente, o que favorece a multiplicação de microrganismos e toxinas, danosos
para a saúde;

5) Banho em praias impróprias, ou em rios/córregos poluídos, não liberados para lazer. Em temporada de chuvas, e de enchentes, esse fator de risco se agrava, pois se espalham para as coleções hídricas, lixo, restos de alimentos, esgoto, etc., aumentando as áreas com poluição;  

6) Interrupção no fornecimento de água de abastecimento público, problemas no tratamento da água ou acidentes na rede de distribuição, que podem favorecer a entrada de microrganismos e sua contaminação.

Na presença de múltiplos fatores de exposição, o aumento da ocorrência de casos ou de grupos de surtos, em geral, deve‐se a inúmeros patógenos, destacando‐se entre os vírus, o Norovírus, entre as bactérias as Escherichia coli, Salmonella e Shigella, e entre os parasitas, o
Cryptosporidium, Cyclospora e Giárdia.  

Sinais e sintomas da diarreia: dor de barriga, perda do controle do intestino, febre, fezes líquidas e náusea (três episódios de fezes líquidas ou amolecidas no período de 24h caracteriza diarreia).

A principal forma de evitar a diarreia é mantendo bons hábitos de higiene:

Lavar bem as mãos antes de manipular alimentos;

Lavar bem os alimentos antes de ingeri-los;

Ingerir apenas água tratada;

Esterilizar os principais itens e utensílios que o bebê ou criança costuma levar à boca – mamadeira, chupeta, talheres, etc…

Manter a tampa dos lixos sempre fechada;

Manter a boa hidratação.

Para tratar os sintomas da diarreia e acabar com o problema o quanto antes, alguns cuidados simples devem ser tomados. Os mais comuns e conhecidos são:

Reposição de água e sais minerais através da ingestão de soro caseiro;

Manutenção de uma dieta leve e equilibrada, rica em água.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Duloxetina: para tratamento de dores neurogênicas e enxaquecas.

Exame de urina

Equimoses