Pesquisar este blog

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Bronquiolite em lactentes


A bronquiolite em lactentes (zero a um ano) e crianças pequenas é a inflamação dos bronquíolos desses infantes. Ela é mais frequente durante o inverno e princípio da primavera.

Os bronquíolos são pequeninas ramificações dos brônquios, através das quais o ar chega aos alvéolos pulmonares, local onde se dão as trocas gasosas da respiração.

A bronquiolite é uma das infecções respiratórias mais frequentes nos primeiros dois anos de vida, sendo que 80% dois casos ocorrem no primeiro ano de vida, tendo um pico entre os dois e seis meses de idade.

A bronquiolite é causada pela infecção por várias classes de vírus e é agravada pelo inchaço das vias respiratórias e pelo acúmulo de muco que dificulta a passagem do ar, causando sintomas respiratórios.

Nos bebês e crianças pequenas, ainda imaturas, os bronquíolos são mais vulneráveis porque eles são ainda muito pequenos e isso facilita a obstrução e impede a passagem do ar.

O vírus sincicial respiratório é o agente causador mais comum, mas ela também pode ser causada pelo adenovírus, influenza, parainfluenza, rinovírus e enterovírus.

Quando o agente causal é o adenovírus, a doença pode evoluir para um tipo de bronquiolite conhecida como bronquiolite obliterante.

Os principais sinais e sintomas da bronquiolite são: nariz escorrendo, tosse e febre. Após dois ou três dias aparece dificuldade respiratória, chiado no peito e piora da tosse.

Em geral os bebês ficam mais irritadiços e inapetentes. Clinicamente costuma haver uma piora entre o terceiro e o quinto dias de sintomas, com resolução gradual dos sintomas em sete a dez dias. Sendo que a tosse pode persistir por várias semanas.

A maioria dos casos de bronquiolite é benigna e autolimitada, mas uma parte das crianças pode evoluir com piora.

Alguns dos vírus que causam bronquiolite podem causar também otites e/ou laringites e até pneumonia, com os correspondentes sintomas.

Os bebês prematuros, os que nasceram com problemas cardíacos ou pulmonares e os com deficiências no sistema imunológico são mais vulneráveis à bronquiolite e podem desenvolver uma insuficiência respiratória séria que necessita, inclusive, de cuidados hospitalares.
Postar um comentário