Pesquisar este blog

terça-feira, 27 de março de 2018

Hipertensão na Infância


A hipertensão arterial essencial de adultos é a doença crônica de maior prevalência em todo o mundo e um importante fator de risco para doenças graves, cardiovasculares, renais e acidentes vasculares cerebrais.

Contudo, apenas nos últimos anos a hipertensão arterial passou a ter a devida atenção da pediatria. A mudança desfavorável dos hábitos de vida da criança (alimentação rica em gordura e pobre em fibras, grandes períodos de tempo frente à televisão e ao computador, impossibilidade de sair de casa por causa da violência, etc.) está tornando a obesidade na infância (uma das causas da hipertensão na infância) uma verdadeira epidemia.

A Sociedade Brasileira de Hipertensão estima que 5% da população com até 18 anos tem níveis pressóricos elevados. A incidência de pressão arterial alta em crianças varia de 1 a 11% em diversas estatísticas, dependendo dos critérios usados na pesquisa. Hoje sabemos que muitas hipertensões arteriais em crianças são secundárias a alguma outra doença, mas podem também ser o início precoce da hipertensão essencial do adulto.

A hipertensão arterial na infância parece ter causas tanto genéticas como ambientais e essa concorrência de fatores genéticos e ambientais inicia-se muito precocemente, ainda no período pré-natal. Os fatores genéticos resultam de anormalidades em um conjunto de sistemas orgânicos, como o transporte de eletrólitos e os mecanismos de controle endócrino e simpático e contribuem com pelo menos 20 a 50% da variação da pressão arterial.

Entre os fatores ambientais pode-se apontar uma dieta rica em sódio e/ou pobre em potássio, a obesidade, o estresse e o sedentarismo. Algumas hipertensões infantis são essenciais ou iatrogênicas, mas outras são secundárias a doenças renais, vasculares ou a algumas enfermidades endócrinas. A hipertensão constatada no primeiro ano de vida deve ser vista como potencialmente secundária, mas já na idade escolar e, em particular, nos adolescentes, a hipertensão pode ser primária ou essencial.

A medida da pressão arterial deve ser tomada em toda consulta pediátrica, pelo menos a partir dos três anos de idade e mesmo ainda antes. Níveis elevados e permanentes da pressão arterial advertem quanto ao diagnóstico, que muitas vezes é sugerido por sintomas como cefaleia, vômitos, escotomas ou outros, mas por vezes ficam assintomáticos por muito tempo.

Uma vez constatados os aumentos dos níveis tensionais, o médico deve procurar determinar as causas dessa elevação. Para isso contribuirão uma história clínica detalhada e um exame físico cuidadoso que procurem detectar sinais e sintomas das enfermidades que possam causar hipertensão arterial na infância.

É importante que o diagnóstico não seja fechado com apenas uma medida da pressão arterial. Os pacientes devem ser avaliados pelo menos em três ocasiões diferentes, com a pressão arterial medida por um aparelho devidamente calibrado e adequado ao tamanho do braço da criança.

O tratamento da hipertensão arterial na infância objetiva diminuir os níveis tensionais e prevenir eventuais complicações tardias da hipertensão, envolvendo medidas medicamentosas e não medicamentosas. Uma dificuldade e incerteza quanto ao tratamento farmacológico é que as medicações utilizadas geralmente não foram testadas especificamente em crianças e suas doses são extrapoladas do conhecimento que se tem sobre o uso delas em adultos. Se há uma enfermidade causal reconhecida, os medicamentos devem envolver as drogas necessárias para tratá-la.

Não há também um consenso sobre a idade em que se deve começar o tratamento medicamentoso numa criança com hipertensão essencial. Os tratamentos não medicamentosos envolvem a prevenção da obesidade, a redução da ingestão do sal, a prática regular de exercícios físicos e a não utilização de medicamentos que elevam a pressão arterial, tais como descongestionantes nasais, corticoides e anticoncepcionais. Além do aumento do consumo de frutas, verduras, fibras e a redução da ingestão de gorduras.

Hoje se sabe que a pressão arterial elevada do adulto começa já na idade infantil.

A aterosclerose (alteração típica dos adultos) pode iniciar-se precocemente, em crianças hipertensas.

Outra complicação da hipertensão arterial na infância é a hipertrofia ventricular esquerda, com aumento do tamanho do coração e suas consequências.

Surgimento tardio de doenças cardiovasculares como infarto do miocárdio, derrame cerebral etc.
Postar um comentário