Ninfomania


A ninfomania (do grego: nýmfi = ninfa + manía = loucura, fúria, ódio) é um transtorno psiquiátrico caracterizado por um excesso de apetite sexual ou um desejo compulsivo por sexo nas mulheres, sem que ocorram alterações biológicas ou dos hormônios sexuais que justifiquem esta condição. Trata-se de um vício com sintomas compulsivos, obsessivos e impulsivos. Quando o mesmo problema se verifica em homens, é chamado de satiríase.

Na mitologia grega, ninfas e sátiros eram espíritos da natureza, famosos por sua beleza e sexualidade exacerbadas.

A ninfomania é um transtorno psíquico, sem que ocorram alterações orgânicas que a justifiquem.

A ninfomania é sempre acompanhada por um excesso de masturbação (mais de uma vez por dia), relações sexuais compulsivas e nem sempre ligadas a laços afetivos, uso constante de objetos sexuais e de pornografia e ausência de satisfação com o sexo propriamente. Ademais, ocorre perda no controle sobre outros desejos e obrigações, levando a pessoa a perder aulas, reuniões de trabalho ou encontros e compromissos com a família, amigos e companheiros para buscar experiências sexuais.

As verdadeiras relações íntimas não se acompanham de prazer e é comum que a mulher se sinta culpada e angustiada após uma nova experiência sexual a qual, no entanto, será inexoravelmente repetida.

A ninfomania apenas deve ser classificada como transtorno psicológico (uma compulsão?) quando os desejos sexuais elevados prejudicam as atividades diárias e os relacionamentos afetivos da pessoa, não devendo ser definida apenas pela vertente quantitativa, mas também pelo aspecto formal dos sintomas.

Atualmente, ela é melhor classificada como um vício, já que os transtornos compulsivos e obsessivos estão relacionados a atividades desagradáveis, enquanto o vício está associado a uma atividade prazerosa. Algumas pessoas ninfomaníacas buscam ter atos sexuais com diversos parceiros, mas não se satisfazem com nenhum deles e o ato sexual normalmente é seguido por culpa e arrependimento.

O diagnóstico da ninfomania deve ser feito por um psiquiatra ou psicólogo e é baseado principalmente nas características dos sintomas e comportamentos apresentados pela mulher. Em geral, amigos e familiares também ajudam a mulher a notar as alterações no seu comportamento e devem apoiá-la e induzi-la a procurar ajuda, ao invés de apenas criticá-la.

Uma pessoa ninfomaníaca terá todas ou grande parte das seguintes características, que devem ser levadas em conta no diagnóstico clínico da condição:

1.Necessidade exacerbada e incoercível de sexo.
2.Busca frustrada de criar laços emocionais.
3.Ausência de qualquer condição física que justifique este comportamento.
4.Necessidade de variar os parceiros sexuais.
5.Ausência de satisfação sexual (orgasmo).
6.Sentimento de culpa ou arrependimento depois do ato sexual.
7.Uso compulsivo de aparelhos sexuais como vibradores, por exemplo.
8.Fixação por pornografia ou outras formas de sexo virtual.
9.Excesso de masturbação (mais de uma vez ao dia).
10.Preferência pelo sexo em relação a qualquer outra atividade recreativa.

Um diagnóstico diferencial deve ser estabelecido com outras condições psíquicas ou orgânicas que possam exagerar a sexualidade sem essas características, como episódios maníacos, sífilis cerebral, quadros demenciais, etc.

A ninfomania deve ser tratada como um vício e seu tratamento é similar ao de outros tipos de dependências. O tratamento da ninfomania deve ser conduzido por um psiquiatra e/ou psicólogo, podendo também serem utilizados medicamentos que diminuam a sensação de prazer no cérebro ou arrefeçam o ímpeto libidinal.

Como a ninfomania comporta um aumento do número de parceiros sexuais, também aumenta o risco de contágio com doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), tornando ainda maior a importância de se fazer exames frequentes que avaliem a presença dessas doenças.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Duloxetina: para tratamento de dores neurogênicas e enxaquecas.

Exame de urina

Equimoses