Distimia


A distimia começa muitas vezes na adolescência ou na idade adulta jovem e pode ser confundida com a personalidade da pessoa.

Um antigo desenho animado, dos anos 60, chamado “Lip the Lion and Hardy Har Har”, contava as aventuras de um leão alto-astral, sempre otimista, achando que tudo dará certo e seu companheiro, uma hiena queixosa e pessimista, sempre repetindo: “Ó vida! Ó azar! Não vai dar certo”.

A hiena representa o que diagnosticamos como distimia (ou transtorno depressivo persistente), uma depressão de longa duração (dura mais de dois anos).

A doença não costuma ser muito intensa, mas é constante, causando tristeza, desânimo, falta de interesse e dificuldade de sentir prazer nas atividades cotidianas.

Apesar da marca registrada da doença ser o mau humor, há momentos de bom humor que se alternam com esses pensamentos mórbidos recorrentes, afinal, ninguém fica o tempo todo de mau humor, ainda mais se considerarmos que este tipo de depressão é leve e crônica...

Sintomas físicos como alterações do apetite, do sono, da libido podem estar também presentes.

Além do pessimismo crônico, a pessoa não consegue sentir alegria em nada do que faz, irrita-se ou reclama frequentemente e transmite uma “energia ruim” no convívio com os outros.

O quadro depressivo, apesar de leve, em geral, é crônico, e causa vários prejuízos na vida da pessoa.

Devido a seu início em geral precoce, muitas vezes na adolescência ou na idade adulta jovem, pode ser confundido com a personalidade da pessoa, com seu “jeito de ser”, o que muitas vezes leva ao não-reconhecimento do quadro como uma doença. Assim, a pessoa não procura tratamento médico para sua distimia.

O tratamento da distimia, tal como dos demais quadros depressivos, envolve o uso de medicamentos antidepressivos e psicoterapia.

Do ponto de vista da terapia cognitiva (ou terapia cognitiva comportamental, a TCC), o distímico apresenta uma distorção no modo de pensar, sempre com um viés negativo.

Este viés negativo envolve três aspectos: a percepção pessimista de si mesmo (“não valho nada”), a percepção sobre o meio social e profissional (“ninguém me valoriza”) e a percepção sobre o futuro (“nada vai mudar”).

A proposta da TCC é corrigir essa visão do distímico, fazendo com que o paciente perceba como estes pensamentos distorcidos prejudicam sua vida. Quando a terapia o faz enxergar o mundo com outros olhos, ele fortalece o pensamento positivo, abrindo espaço para melhora da distimia.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Duloxetina: para tratamento de dores neurogênicas e enxaquecas.

Exame de urina

Equimoses