Tracoma: o que é?


Enfermidade inflamatória crônica que atinge a conjuntiva e a córnea. Devido a repetidas infecções causadas pela bactéria Chlamydia trachomatis cicatrizes começam a se formar na conjuntiva palpebral.

Com isto, sérias complicações podem surgir como formação de entrópio (pálpebras viradas para dentro do olho) ou triquíase (cílios que tocam o globo ocular).

O atrito gerado devido a esta infecção pode também acabar levando a danos irreversíveis na córnea, como até mesmo à cegueira.

Esta é uma doença muito comum em países quentes e mais pobres como alguns do Oriente Médio e do Mediterrâneo.

Em seus estágios iniciais o tracoma é contagioso e pode ser facilmente transmitido.

O contágio é direto e ocorre de pessoa para pessoa. Objetos e roupas de cama contaminados também podem servir como fonte de infecção.

Entretanto, insetos como a mosca doméstica ou como a lambe-olhos, por exemplo, também podem agir como vetores.

Qualquer pessoa de ambos os sexos e todas as idades estão susceptíveis a desenvolver um quadro de tracoma. Embora esta bactéria não apresente alta infectividade, sua distribuição pelo mundo é bastante ampla.

Não existe imunidade adquirida e nem de imunidade natural a esta enfermidade.

O tratamento, quando do diagnóstico precoce, costuma ser bem efetivo.

Por outro lado, caso esta doença não receba a devida atenção, as sequelas podem ser graves.

O agente causador é a bactéria Chlamydia trachomatis dos sorotipos A, B, Ba e C.

Este microrganismo gram-negativo de vida intracelular obrigatória apresenta preferência por células epiteliais.

Com cerca de 200 a 300 milimicra, se instala nestas células e passa a se multiplicar gerando inclusões citoplasmáticas.

Esta mesma bactéria também é responsável por outros transtornos como o linfogranuloma venéreo e a conjuntivite de inclusão.

As infecções provocadas por este microrganismo limitam-se às superfícies mucosas.

O período de incubação leva aproximadamente 12 dias.

Após isto os primeiros sintomas começam a surgir.

Enquanto as lesões na conjuntiva estiverem ativas a transmissibilidade será possível.

Caso existam outras infecções bacterianas no local o potencial de transmissão cai consideravelmente.

Os sintomas do tracoma são bastante notáveis e característicos. Desta forma, pessoas com tais alterações logo tendem a procurar por ajuda médica. Através de uma análise clínica e do histórico do paciente o profissional começa a suspeitar de algumas enfermidades. Entretanto, exames laboratoriais deverão ser feitos para que se estabeleça um diagnóstico diferencial.

É preciso se excluir a possibilidade de outras doenças conjuntivas, como a foliculose, a conjuntivite folicular aguda e a conjuntivite folicular tóxica. Além disto, os sinais podem ser sintomas de outras complicações mais diversas como herpes simples, molusco contagioso ou adenovírus. Portanto, é importante determinar exatamente a causa do problema para que o tratamento seja o mais efetivo possível.

Além de exames laboratoriais o exame ocular externo pode trazer respostas bastante significativas. A amplificação do ácido nucleico também pode ser uma medida adotada. Após a confirmação do diagnóstico o tratamento deve ter início o quando antes, para que complicações mais graves não comecem a ocorrer. É indicado que todos realizem exames médicos de rotina para um bom monitoramento do organismo. Desta forma, uma série de doenças pode ser previamente diagnosticada e seus transtornos amenizados.

Inicialmente o tracoma se parece muito com uma conjuntivite folicular. Há hipertrofia papilar e também inflamação por toda a área conjuntiva, principalmente na parte superior. Com o tempo esta irritação leva ao surgimento de secreção e, em estágios mais avançados, cicatrizes surgem na córnea. Estas fazem com que os cílios virem para dentro e a visão fica seriamente comprometida.

Alguns dos sintomas característicos são:

Sensibilidade à luz;
Inflamação;
Lacrimejamento;
Conjuntiva com estrias brancas;
Manifestação de secreções;
Avermelhamento da córnea;
Incômodo nos olhos.
Diante destes sintomas é extremamente importante que se busque por auxílio médico. O tracoma provoca cicatrizes que comprometem a córnea e podem levar até mesmo à cegueira. O tratamento quando feito de maneira correta costuma ser bastante efetivo. Casos mais sérios ou que já venham se estendendo por um tempo muitas vezes necessitam de intervenção cirúrgica ou outros métodos mais invasivos. Portanto, sempre que seu corpo lhe enviar qualquer sinal consulte um médico o quanto antes.

Por seu caráter contagioso e pela seriedade que pode adquirir, o tracoma precisa ser prevenido e todos necessitam saber dos seus riscos. É importante que escolas instruam as crianças a não colocarem as mãos sujas nos olhos e que pais procurem saber das enfermidades das crianças que convivem com seus filhos. O tracoma é uma doença que possui maior incidência entre crianças pequenas, portanto, leve seu filho a um oftalmologista para realizar exames de rotina. Através de um hábito simples como este, não somente esta, como várias outras doenças, podem ser evitadas.

Manter uma alimentação saudável ajuda na prevenção de muitas enfermidades, já que um corpo saudável é um corpo forte e protegido. Deixe sua casa sempre limpa e evite a entrada de insetos, pois estes são vetores de uma série de doenças. O rosto deve ser lavado diariamente e o lixo deve ter um destino certo. Ensine seus filhos sobre higiene pessoal e adquira você também estes costumes básicos. Diante de quaisquer sintomas procure logo por auxílio médico, a grande maioria das complicações possui cura quando diagnosticada previamente.

Quando em estágio inicial o tracoma é facilmente tratado. Pomadas antibióticas serão receitadas e deverão ser utilizadas por, em média, 6 semanas. Em alguns casos pode ser necessário a utilização de fármacos antibióticos via oral. Quando a doença produziu deformidades na pálpebra, na conjuntiva ou na córnea geralmente se faz necessário uma intervenção cirúrgica. O tracoma, quando não tratado ou quando não monitorado, pode levar até mesmo à cegueira. Portanto, não descuide de sua saúde. Algo aparentemente simples pode acabar progredindo de forma inimaginável. Consulte regularmente um médico para realizar exames de rotina, desta forma seu corpo estará sempre bem monitorado. Cuide da sua saúde. Ela deve estar em primeiro lugar.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Duloxetina: para tratamento de dores neurogênicas e enxaquecas.

Exame de urina

Equimoses