Paracetamol versus ibuprofeno em crianças com asma leve persistente


Estudos têm sugerido uma associação entre o uso frequente de paracetamol e complicações relacionadas à asma entre crianças, levando alguns médicos a recomendar que o paracetamol seja evitado em crianças com asma; no entanto, os ensaios adequadamente concebidos avaliando esta associação são escassos.

Foi conduzido ao longo de 48 semanas um estudo multicêntrico, prospectivo, randomizado, duplo-cego, de grupos paralelos, envolvendo 300 crianças (faixa etária de 12 a 59 meses) com asma persistente leve. O estudo designou-as para receber ou acetaminofeno (paracetamol) ou ibuprofeno, quando necessário para o alívio da febre ou dor.

Os resultados foram publicados pelo periódico The New England Journal of Medicine (NEJM). O desfecho primário foi o número de exacerbações de asma que levaram ao tratamento com glicocorticoides sistêmicos, ou seja, qual dos medicamentos poderia provocar mais crises de chiado que necessitassem de tratamento com corticoides

Crianças em ambos os grupos receberam terapias padronizadas controladoras da asma, as quais foram usadas em um julgamento simultâneo, fatorialmente ligado.

Os participantes receberam uma média de 5,5 doses de medicação do ensaio; não havia nenhuma diferença significativa entre os grupos no número médio de doses recebidas.

O número de exacerbações de asma não diferiram significativamente entre os dois grupos, com uma média de 0,81 por participante no grupo acetaminofeno e 0,87 por participante no grupo ibuprofeno em mais de 46 semanas de acompanhamento.

No grupo do acetaminofeno, 49% dos participantes tinham pelo menos uma exacerbação da asma e 21% tinham pelo menos duas, em comparação com 47% e 24%, respectivamente, no grupo do ibuprofeno.

Da mesma forma, não foram detectadas diferenças significativas entre o ibuprofeno e o acetaminofeno no que diz respeito à percentagem de dias de controle da asma, ao uso de um inalador de resgate com albuterol, e à utilização de cuidados de saúde para a asma ou a eventos adversos.

Entre as crianças com asma leve persistente, o uso de acetaminofeno conforme a necessidade não foi associado a uma maior incidência de exacerbações de asma ou a um pior controle da doença do que quando é necessário o uso de ibuprofeno.

Traduzindo: nem um, nem outro medicamento são efetivos causadores de crises de asma em crianças portadoras da enfermidade.


Fonte: The New England Journal of Medicine, de 18 de agosto de 2016
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Duloxetina: para tratamento de dores neurogênicas e enxaquecas.

Exame de urina

Equimoses