Miopatias: o que são?


Miopatia (do grego: myo = músculo + páttheia = padecença, doença) é a designação genérica de várias afecções e doenças musculares. São enfermidades musculares alheias a qualquer distúrbio da inervação ou da junção neuromuscular. Nelas, as fibras musculares não funcionam normalmente, o que resulta em sintomas de diversas naturezas.

As miopatias têm várias causas, incluindo etiologia congênita ou herdada, infecciosa, metabólica, inflamatória, endócrina e/ou tóxica, induzida por drogas. Quando não há possibilidade de se determinar uma etiologia, a miopatia se diz idiopática. Pensa-se que as miopatias idiopáticas são imunomediadas ou associadas a doenças do tecido conjuntivo (lúpus eritematoso sistêmico, artrite reumatoide, poliarterite nodosa, etc).

Há também uma miopatia alcoólica aguda, mas, além da síndrome aguda, o álcool pode provocar uma miopatia mais crônica. Um defeito genético também tem sido associado a estas doenças.

As miopatias congênitas ou hereditárias são, na sua maioria, doenças crônicas, lentamente progressivas. As miopatias por causas metabólicas, inflamatórias, endócrinas e tóxicas podem ser agudas ou subagudas.

Algumas miopatias podem ocasionar paralisias periódicas devido a mudanças nas taxas sanguíneas de potássio, levando à disfunção muscular. Um defeito genético do canal de íons de sódio nas membranas das células do músculo também pode ser responsável pela paralisia, o que pode durar de horas a dias.

Os sintomas mais comuns da miopatia incluem fraqueza muscular, dores musculares e hipotonia. Os sinais e sintomas gerais são fraqueza muscular proximal simétrica, mal-estar, fadiga, urina escura devido à presença de mioglobinúria e/ou febre. Geralmente não há queixas sensoriais ou parestesias. No entanto, os reflexos tendíneos profundos podem estar diminuídos ou ausentes nas paralisias por deficiências de potássio.

Pode haver uma miopatia alcoólica aguda em pacientes com o hábito de consumir álcool, que se apresenta com dor muscular que envolve principalmente fraqueza dos membros e mioglobinúria. A significância da miopatia alcoólica aguda é que a precipitação de mioglobina nos túbulos renais pode causar necrose tubular aguda.

As suspeitas clínicas devem levantar a hipótese de miopatia, a ser confirmada pelos testes laboratoriais de creatina quinase, níveis de isoenzimas e de eletrólitos, cálcio e magnésio, níveis de mioglobina e creatinina sérica, ureia no sangue e níveis de nitrogênio.

O exame de urina revela a presença de mioglobinúria com poucas células vermelhas na avaliação microscópica. Além disso, deve ser feito um hemograma completo, taxa de sedimentação de eritrócitos, testes de função da tireoide, níveis de aspartato aminotransferase, eletrocardiografia, níveis de anticorpos antinucleares, testes genéticos e eletromiografia.

A ressonância magnética pode ser usada para avaliar complicações ou descartar a doença neurológica. Em último lugar, a biópsia muscular define o diagnóstico.

O tratamento de uma miopatia depende da sua etiologia e pode variar de simples suporte à terapia sintomática para as condições específicas. Não existe, pois, um tratamento único para todas as miopatias.

Os tratamentos atuais para os vários tipos de miopatias compreendem a terapia medicamentosa, fisioterapia, massagens, acupuntura e até mesmo cirurgia. Tais tratamentos podem incluir gestão das vias respiratórias e hidratação adequadas. Hidratação agressiva e, ocasionalmente, administração de manitol e furosemida para aumentar a diurese são essenciais para manter a função renal.

A avaliação cardiológica e respiratória é essencial em todos os casos de miopatia, pois muitas distrofias musculares se acompanham de comprometimento do músculo cardíaco e de redução da capacidade vital.

A morbidade e mortalidade das miopatias estão relacionadas à etiologia e à gravidade da doença, bem como à presença de comorbidades.

As complicações mais comuns das miopatias são arritmia cardíaca, hipertensão arterial, disfagia, dilatação gástrica aguda, parada respiratória, endocrinopatias, catarata, perda auditiva neurossensorial, convulsões, displasias cerebrais e morte precoce.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Duloxetina: para tratamento de dores neurogênicas e enxaquecas.

Exame de urina

Equimoses