Dermatite seborreica


A dermatite seborreica, também chamada de eczema seborreico, é uma doença da pele bastante comum e de pouca gravidade. Esta forma de dermatite é uma inflamação crônica que surge em áreas da pele que contêm grande número de glândulas sebáceas.

A dermatite seborreica não afeta a sua saúde de forma relevante, mas pode ser desconfortável, devido à coceira, e causa constrangimento quando as lesões se desenvolvem em partes visíveis do corpo, como no caso da dermatite seborreica no rosto.

A dermatite seborreica se caracteriza por lesões de pele tipo rash, com placas vermelhas que coçam e podem descamar. As lesões surgem habitualmente em áreas com grande produção de oleosidade na pele, como couro cabeludo, face, região peitoral, canal auditivo e costas. Quando acomete o couro cabeludo, a produção de caspa é um dos seus sinais mais comuns.

Ela não é uma doença contagiosa e não é um sinal de má higiene pessoal. Tocar nas lesões não fará você pegar a doença.

É uma enfermidade que acomete cerca de 20% da população mundial, porém, somente 3% lesões de pele são clinicamente relevantes. Homens são mais acometidos que mulheres.

Ela tem dois picos de incidência: durante o primeiro ano de vida e após a puberdade. Uma vez que as lesões tenham surgido pela primeira vez, ela torna-se uma doença crônica, que vai e volta ao longo das décadas, com períodos de agravamento das lesões, seguidos de grande melhora e desaparecimento dos sintomas.

As causas da dermatite seborreica não estão totalmente esclarecidas. Sabemos que ela não é propriamente uma doença das glândulas sebáceas, e os pacientes acometidos não necessariamente têm um aumento da produção de sebo (oleosidade) por essas glândulas. Contudo, a predileção da dermatite seborreica por áreas da pele ricas em glândulas sebáceas nos indica que estas estruturas fazem parte do processo fisiopatológico da doença.

A teoria mais aceita atualmente é de que as glândulas sebáceas, e a oleosidade produzida pelas mesmas, desempenham um papel permissivo na gênese da dermatite seborreica, possivelmente através da criação de um ambiente favorável para o crescimento de fungos do gênero Malassezia (antigamente chamada de Pityrosporum ovale).

O fungo Malassezia alimenta-se de restos de pele morta e tem preferência por áreas com maior produção de sebo. É preciso destacar, no entanto, que ainda não existe evidência direta de que a Malassezia esteja implicada na origem da dermatite seborreica.

Este fungo faz parte da flora de germes habituais da pele, podendo ser encontrado facilmente em muitas pessoas. Além disso, os pacientes com dermatite seborreica não necessariamente possuem uma maior população do fungo Malassezia em sua pele, mesmo nas formas mais graves da doença.

Todavia, a forma como o sistema imunológico do paciente lida com a presença da Malassezia na pele é que parece ser a causa da inflamação e dos sintomas. A Malassezia pode ser irritante para algumas pessoas geneticamente predispostas, o que explica a ocorrência de dermatite seborreica somente em um percentual pequeno das pessoas colonizadas por esse fungo.

A dermatite seborreica não é considerada uma doença infecciosa, apesar de haver melhora dos sintomas quando tratada com medicamentos antifúngicos. Não é preciso temer o contato com pessoas com eczema seborreico, você provavelmente já tem o fungo o Malassezia na sua pele, e não tem a dermatite porque o seu sistema imunológico convive pacificamente com ele.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Duloxetina: para tratamento de dores neurogênicas e enxaquecas.

Exame de urina

Equimoses