Orientação sobre uso de Maconha na Gestação


O consumo de maconha no mundo é bastante grande segundo algumas estimativas. Em muitos países, ou estados norte-americanos, onde a droga é legalizada para uso pessoal, tem se aumentado a identificação de mulheres que reportam seu uso durante a gestação. Mas é importante saber qual a recomendação de especialistas a respeito do consumo desta droga, assim como se sabe qual a recomendação para tabaco e álcool durante a gravidez.

A maconha é a droga ilícita mais usada em gravidez, com uma prevalência de uso variando de 3% a 30% em várias populações. Ela atravessa livremente a placenta e é encontrada no leite materno. Ela pode ter efeitos adversos tanto nos resultados perinatais quanto nos efeitos de neurodesenvolvimento fetal. Especificamente, a maconha pode ser associada com restrição de crescimento fetal, morte fetal e nascimento prematuro. No entanto, os dados estão longe de ser uniformes em relação a resultados perinatais adversos. Os estudos existentes têm fatores de confusão por uso de tabaco e outras exposições a drogas, bem como fatores sociodemográficos. Além disso, há uma falta de quantificação da exposição à maconha pelo trimestre da utilização e uma falta de comprovação do auto-relato sobre o consumo com amostras biológicas, que contribui para a heterogeneidade dos resultados dos estudos. Há um conjunto emergente de evidências indicando que a maconha pode causar problemas com o desenvolvimento neurológico, resultando em hiperatividade, função cognitiva pobre e mudanças nos receptores dopaminérgicos. Além disso, produtos contemporâneos de maconha têm maiores quantidades de delta-9-tetrahidrocanabinol do que na década de 1980, quando a maior parte das pesquisas com maconha foi feita. Os efeitos sobre a gravidez para o feto, por conseguinte, podem ser diferentes do que anteriormente visto.

Aplicações Práticas

Os dados são obviamente ainda sujeitos a vieses, porém a recomendação do American College of Obstetricians and Gynecologists é para que não se use maconha durante a gestação, dados os riscos para o feto, ou para o recém-nascido que foram já evidenciados por estudos prévios.

Bibliografia
Metz TD, Stickrath EH. Marijuana use in pregnancy and lactation: a review of the evidence. Am J Obstet Gynecol. 2015 May 15. pii: S0002-9378(15)00501-3.

ACOG Committee on Obstetric Practice.Committee opinion no. 637: Marijuana use during pregnancy and lactation. Obstet Gynecol 2015 Jun 22; [e-pub].
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Duloxetina: para tratamento de dores neurogênicas e enxaquecas.

Exame de urina

Equimoses