Fissuras Anais


Uma fissura anal é uma fenda ou laceração na mucosa que recobre o ânus.

A fissura anal pode ocorrer em virtude de qualquer trauma que afete o ânus e provoque um esgarçamento dele.

O trauma mais comum são fezes volumosas e endurecidas que provocam um estiramento, além do limite da mucosa anal, durante a evacuação, mas pode ser também devida a qualquer causa que implique a passagem de objetos de grande diâmetro pelo ânus.

Pacientes com antecedentes de hemorroidas apresentam maior risco de fissuras anais.

Elas podem acontecer em qualquer idade: em bebês são extremamente comuns, em pessoas adultas podem ser causadas pela passagem pelo ânus de fezes duras e volumosas ou por diarreias prolongadas, em idosos, podem ser consequência da diminuição do fluxo sanguíneo na região anal.

São também comuns em mulheres após o parto e em portadores da doença de Crohn.

A fissura faz com que o esfíncter do ânus sofra um espasmo involuntário, impedindo que o mesmo relaxe.

Essa contração do ânus fere ainda mais e dificulta a cicatrização da fissura e, por vezes, torna-a crônica, com duração de mais de seis semanas, só cicatrizando com tratamento médico.

O principal sintoma da fissura anal é dor forte ao evacuar. Pode também haver constipação intestinal, prurido, irritação na região anal e em muitos casos ocorrem sangramentos de pequeno volume. Ao exame físico quase sempre se constata uma rachadura na pele.

Para diagnosticar uma fissura anal o médico deve realizar um exame direto do reto e do ânus e analisar uma amostra do tecido anal.

Em bebês, a maioria das fissuras exige apenas uma boa higiene para ser curada. No entanto, algumas fissuras podem exigir tratamento, quase sempre caseiro: limpar o bebê de maneira mais suave, secar bem e delicadamente a região anal após a higiene, mudanças na dieta, relaxantes musculares, creme anestésico (se for o caso), aplicação de vaselina na área, banhos de assento, emolientes de fezes.

Em adultos, se a fissura anal necessitar de cuidados médicos eles geralmente envolverão injeções de botox ou cirurgia no esfíncter anal, o que ajuda a relaxá-lo.

A cirurgia só é indicada para pacientes que não tiveram sucesso com o tratamento clínico.

A maioria das fissuras anais cura-se espontaneamente com cuidados caseiros simples, mas algumas demandam tratamento médico.

A principal complicação com a cirurgia para tratar a fissura anal é a possibilidade do desenvolvimento de incontinência anal e a incapacidade de controlar a saída de gases intestinais.

No entanto, essa incontinência pós-cirúrgica raramente é permanente.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Duloxetina: para tratamento de dores neurogênicas e enxaquecas.

Exame de urina

Equimoses