Laringite estridulosa ou "Tosse de cachorro"...


A laringite estridulosa é uma inflamação da laringe que a deixa inchada e que na maioria das vezes acontece em crianças pequenas.

Quase sempre a laringite estridulosa assusta os familiares, em razão dos seus sintomas, mas geralmente não é perigosa.

A laringite estridulosa é uma infecção virótica da laringe que pode atacar tanto as vias respiratórias superiores como as inferiores, a partir de um resfriado comum ou gripe.

É mais comum ocorrer no final do outono e durante o inverno. Os vírus que mais frequentemente causam a laringite estridulosa são: o influenza, o vírus sincicial respiratório e o adenovírus.

Outras possíveis causas, mais raras, são: alergia respiratória, infecções de vias aéreas superiores, aumento das adenoides e refluxo gastroesofágico.

Diante de um caso concreto muitas vezes não se consegue determinar a causa específica da laringite.

Os principais sinais e sintomas da laringite estridulosa se iniciam de forma súbita e são: rouquidão, tosse seca, também conhecida como “tosse de cachorro”, que piora à noite e pode causar vômitos, obstrução leve ou moderada das vias respiratórias, dificuldade de respirar.

A respiração fica difícil porque a infecção produz muco, que fica seco e espesso. Ao inspirar o ar a criança emite um som alto agudo, como um latido de cachorro (tosse de cachorro), que corresponde ao esforço para “puxar” o ar. A laringite estridulosa geralmente ocorre em crianças de até três anos de idade e dura entre três e sete dias. Ela deixa de acontecer nas crianças mais velhas porque a traqueia cresce e se torna mais larga.

O diagnóstico da laringite estridulosa é basicamente clínico, baseado na descrição dos sintomas. Pode ser confirmado pelo exame visual das cordas vocais e áreas próximas ou por uma laringoscopia feita por profissional habilitado. Os exames de laboratório em geral são dispensáveis.

A primeira medida terapêutica é transmitir calma à criança. O tratamento da laringite estridulosa normalmente dispensa os remédios. A aplicação de vapor pode tornar o muco úmido e fino novamente, facilitando a sua eliminação e isso pode ser suficiente para ajudar a criança a melhorar. Além disso, é recomendável aumentar a ingestão de líquidos, repouso da voz e elevação da cabeceira da cama.

Os analgésicos e antibióticos só devem ser usados se houver dor ou infecção bacteriana secundária. Excepcionalmente, os corticoides podem ser usados nas intercrises. Nos casos mais graves, com grande dificuldade de respirar ou se houver pneumonia, a pessoa deve ser tratada adequadamente e mantida em observação médica.

Embora a laringite estridulosa assuste pelo caráter repentino, veemência e intensidade dos sintomas, geralmente evolui de maneira benigna.

Como prevenir a laringite estridulosa:

•A laringite estridulosa pode ser prevenida por meio de um umidificador próximo a cabeceira da cama da criança.
•Evitar que as crianças aspirem fumaças, poeiras ou vapores irritantes.
•Dar um banho quente de chuveiro na criança, com a porta fechada de forma a produzir vapor, o qual ela deve respirar.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Duloxetina: para tratamento de dores neurogênicas e enxaquecas.

Exame de urina

Equimoses