Hiperplasia


Hiperplasia é o aumento do número de células de um órgão ou tecido, e não no volume individual de cada uma delas. A multiplicação excessiva do número de células pode levar a um aumento de volume do órgão. Na maioria das vezes, esse crescimento anormal do número de células é benigno, mas deve ser visto com atenção porque pode indicar um câncer.

Hipertrofia e hiperplasia são processos celulares e podem ocorrer na grande maioria dos sistemas corporais e são uma resposta fisiológica do corpo a algum estímulo ou falha.

Na hiperplasia, acontece é um aumento do número de células de um tecido ou órgão. Hipertrofia é o aumento do tamanho e do volume das células, sem aumento do número delas.

Veja, na gravura, o exemplo da hiperplasia benígna da próstata!

Quando se sofre uma hipertrofia, não se desenvolvem células novas, apenas aumentam de tamanho as já existentes. Em se tratando dos músculos, a potência deles é aumentada.

A hiperplasia (assim como a hipertrofia) pode ocorrer na grande maioria dos sistemas corporais como resposta fisiológica do corpo a algum estímulo. Ocorre por mitose das células, se a população celular for capaz de sintetizar DNA. Com o envelhecimento, as células perdem a capacidade de duplicar seu DNA e sofrer mitose.

Por este motivo, entre outros, o corpo das pessoas idosas não guarda mais a sua forma atlética anterior. As hiperplasias dos diversos órgãos onde ela é possível podem ocorrer, entre outros motivos, devido a anormalidades congênitas, anormalidades hormonais, inflamações ou medicações.

O aumento no volume de tecidos ou órgãos após alguns tipos de perda celular pode ocorrer através da proliferação das células remanescentes ou pelo desenvolvimento de novas células.

Nem sempre a hiperplasia é patológica. Muitas vezes ela é fisiológica, seja mediada por hormônios (como nos casos de crescimento das mamas e do endométrio na puberdade, ou do útero na gravidez), seja como uma hiperplasia compensatória, que ocorre como um aumento tecidual após algum dano ou ressecção parcial de um órgão ou tecido. Quase sempre a hiperplasia patológica é causada pela estimulação excessiva das células alvo por hormônios ou por fatores de crescimento.

A hiperplasia pode ocorrer em qualquer parte do corpo, mas os principais sinais e sintomas dela dependem dos órgãos afetados. Os mais frequentes são:

•A hiperplasia muscular consiste no crescimento do número de células musculares.
•A hiperplasia foveolar é o aumento do número de células do estômago, em geral relacionada a uma inflamação gástrica.
•A hiperplasia do endométrio causa sangramentos menstruais anormais. Pode causar esterilidade e, se não for tratada, pode evoluir para neoplasia maligna do endométrio.
•A hiperplasia da gengiva quase sempre é causada por medicamentos, sendo a fenitoína o principal responsável por ela. A gengiva interdental anterior é o ponto mais comum de aumento de volume. À medida que o crescimento continua, o tecido marginal pode estender-se e quase cobrir a superfície facial das coroas. A hiperplasia gengival também pode ser causada por um trauma ou por uma placa bacteriana.
•A hiperplasia prostática, chamada também hiperplasia benigna da próstata, é um crescimento fisiológico da próstata que ocorre quase invariavelmente em homens idosos (80% entre os 70 e 80 anos; 100% aos 100 anos). Pode causar dificuldades urinárias que podem chegar à retenção.

Pode-se citar ainda a hiperplasia adrenal, hiperplasia ductal, hiperplasia linfoide, hiperplasia nodular, hiperplasia fibrosa, etc.

A simples proliferação das células de um tecido não as faz sofrer uma transformação maligna. À diferença da simples hiperplasia, o câncer é uma neoplasia (crescimento não controlado das células). As displasias (alterações no tamanho e na morfologia das células) são lesões pré-malignas (podem vir a se tornar malignas).
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Duloxetina: para tratamento de dores neurogênicas e enxaquecas.

Exame de urina

Equimoses