Translate

Total de visualizações de página

sábado, 30 de outubro de 2010

Problemas no sistema imunológico podem causar depressão...

Ou vice-versa!

Pessoas deprimidas ou estressadas tendem a ser mais suscetíveis a doenças infecciosas e talvez até mesmo ao câncer.

O sistema imunológico pode desempenhar um papel significativo no desenvolvimento da depressão.

A pesquisa mostrou que pessoas deprimidas ou estressadas tendem a ser mais suscetíveis a doenças infecciosas e talvez até mesmo ao câncer. Mas a correlação também pode funcionar no sentido oposto, Miller explica. As pessoas gravemente doentes têm taxas de depressão de 5 a 10 vezes maior e isso não é apenas devido a lutar contra a doença, observou ele. Poderia ser decorrente da inflamação subjacente a uma resposta comum corporal.

Estudos têm demonstrado que pessoas com depressão ou transtorno bipolar, tanto aqueles que com doença física e os clinicamente saudáveis, tinham níveis mais elevados de inflamação. Um estudo de 2009 mostrou que os ratos com inflamação crônica apresentaram sintomas depressivos, mas, bloqueando uma enzima-chave inflamatória, o comportamento negativo dos ratos desapareceu.

A grande descoberta foi que os pacientes deprimidos que se mostraram mais resistentes aos tratamentos tradicionais (como a terapia ou medicamentos inibidores seletivos de serotonina) parecem ter taxas especialmente altas de inflamação. E, em estudos dos últimos anos, quando são inibidas as citocinas inflamatórias (células de sinalização encontradas em ambos os sistemas imunológico e nervoso) parece ajudar a aliviar os sintomas depressivos. Miller disse que esses resultados sugerem que "as citocinas podem ter um efeito fundamental sobre a síntese de dopamina", processo químico importante que, se jogado fora do lugar, pode ter grandes impactos sobre a energia, humor e motivação.

Manter as citocinas inflamatórias em verificação também poderia ajudar a tratar doenças além da depressão clássica, como a fadiga relacionada ao câncer ou até mesmo a síndrome da fadiga crônica.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Farmácias vão reter receitas de antibióticos a partir de 28 de novembro.

A resolução da Anvisa sobre a retenção das receitas de antibióticos nas farmácias determina que a norma passa a ser obrigatória a partir do dia 28 de novembro, portanto, daqui a um mês, e não nesta quinta-feira, 28, como foi informado anteriormente. Segundo, a resolução no Diário Oficial da União foi publicada nesta quinta, e não na última quarta.

O objetivo é controlar a venda desses medicamentos e, com isso, evitar a propagação da superbactéria KPC, que é resistente a antibióticos. De acordo com a resolução, as receitas terão validade de dez dias, a contar da data de emissão. O descumprimento das determinações constitui infração sanitária "sem prejuízo das responsabilidades civil, administrativa e penal cabíveis".

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Bisfenol, usado em recipientes de comida, afeta a fertilidade masculina.

O produto químico Bisfenol-A, que demonstrou aumentar o risco de disfunções sexuais masculinas, reduz a concentração e qualidade do sêmen, segundo estudo publicado esta quinta-feira.

O Bisfenol-A ou BPA é um composto químico que serve para diluir a resina de poliéster a fim de torná-la mais líquida e facilitar sua laminação. Está presente em grande quantidade de recipientes alimentares e de bebidas, como mamadeiras, bem como em resinas de selagem dentária.

A pesquisa foi realizada durante cinco anos com 514 operários que trabalhavam em fábricas da China.

Os autores constaram que aqueles que continham concentrações de BPA mais elevadas na urina multiplicavam os riscos de produzir sêmen de má qualidade.

"Diferente dos homens que não tinham vestígios detectáveis de BPA na urina, aqueles que tinham conteúdos mais elevados multiplicavam por mais de três o risco de ter uma concentração diminuída de seu sêmen", afirmou De-Kun Li, epidemiologista do Kaiser Permanente (consórcio privado americano de cuidados médicos) e principal autor do estudo publicado na revista "Fertility and Sterility".

Este é o primeiro estudo realizado sobre homens para avaliar o vínculo entre o sêmen e o BPA.

Pesquisas anteriores feitas em animais mostraram que o BPA tem efeitos nefastos sobre os órgãos reprodutores de camundongos machos e fêmeas.

Este é o terceiro estudo de Li sobre o tema. Um trabalho publicado em novembro de 2009 demonstrou que a exposição a níveis elevados de BPA aumenta o risco de disfunções sexuais. Outro, divulgado em maio de 2010 mostrou vínculos entre o BPA na urina e o comprometimento das disfunções sexuais masculinas.

O Canadá foi o primeiro país a classificar, em outubro, o BPA na categoria de substâncias tóxicas. Em março de 2009, os seis maiores fabricantes americanos de mamadeiras decidiram suspender a venda nos Estados Unidos de produtos com BPA.

Gel poderia substituir pílula anticoncepcional.

Cientistas americanos afirmaram que um gel contraceptivo aplicado diretamente na pele poderia ser usado como uma alternativa à pílula anticoncepcional.

O produto, chamado Nestorone, está sendo desenvolvido pela indústria farmacêutica americana Antares Pharma e a pesquisa foi apresentada durante a conferência da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva, em Denver, nos Estados Unidos.

O produto pode ser aplicado como um creme no abdome, nas coxas, braços e ombros e é rapidamente absorvido pela pele sem deixar resíduo.

Testes clínicos preliminares mostraram que o creme é eficaz e tem boa tolerância, sem produzir os efeitos colaterais secundários associados à pílula como náusea, aumento de peso e acne.

O ingrediente mais importante é um novo tipo de progesterona sintética, muito parecida com o hormônio natural. O remédio também tem uma classe de estrogênio quimicamente idêntico ao produzido pelas mulheres.

Segundo os cientistas, o medicamento também pode ser usado por mulheres que estão amamentando, ao contrário da pílula, que pode interferir na produção do leite materno.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Anvisa interdita lotes de suplemento alimentar com sibutramina!

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou ontem a interdição cautelar de lotes, fabricados pelas empresas Sinergika e Ledal Química, do suplemento alimentar quitosana, por apresentarem sibutramina, um remédio para controle do apetite cuja venda é restrita no país.

A quitosana é apresentada como uma fibra que auxilia na perda de peso e na redução de colesterol. Seu mecanismo de ação seria similar a um medicamento: depois de ingerida, a fibra se transformaria em um gel com alta capacidade de absorver gorduras. O mecanismo permitiria a excreção das gorduras pelo organismo, em vez de elas serem metabolizadas.

Amostras laboratoriais dos produtos apreendidos pela Anvisa apresentavam também a sibutramina - que, segundo estudos internacionais, aumenta o risco de problemas cardíacos. A sibutramina foi desenvolvida na década de 80 como antidepressivo e age nas áreas do cérebro que controlam o apetite.

Além de álcool gel, lavar as mãos contribui para evitar infecção por KPC.

Não, não é o KLB, é KPC mesmo, o nome de uma bactéria: proteja-se dela, pois ela é a bola da vez em termos de saúde pública e de mídia.

Cuidados como lavar as mãos com frequência e usar álcool gel em procedimentos hospitalares diários são essenciais para evitar a contaminação pela superbactéria KPC.

É evidente que devemos tomar precauções, e isso começa com médicos e outros profissionais que lidam diariamente com pacientes. A primeira medida é a higienização das mãos, e as comissões de infecção hospitalar têm de ser atuantes.

É necessário fazer uma campanha educativa sobre o uso racional de antibióticos, já que o consumo abusivo faz com que as bactérias se tornem mais resistentes.

Eu sou favorável à prescrição totalmente controlada por médicos para qualquer medicamento. Antibióticos, então é caso de saúde pública no Brasil. Quantos pacientes meus se "auto-prescrevem" esses fármacos como se tomassem refrigerantes (beligerantes, no caso).

Depois, quando se precisa de efeito para tratamentos, um abraço! Não funcionam, pois o uso é indiscriminado em nosso País, isto é, compra quem quer, usa como quer, sem seguir instruções, sem seguir regras: tudo errado.

Se você tentar comprar um antibiótico em Portugal, por exemplo, TEM DE PASSAR PELO MÉDICO! Não tem escolha. Até antitérmicos só são vendidos com prescrição, que é numerada, controlada por código de barras e etc.

Isso é certo.

A superbactéria Klebsiella pneumoniae carbapenemase (KPC) está restrita ao ambiente hospitalar, por isso não há risco de ser encontrada em outros ambientes. Nesta terça-feira, 26, foi publicada no Diário Oficial da União uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que torna obrigatório o uso de álcool (líquido ou gel) para higienização das mãos nas unidades de saúde de todo o País.

E se ela "escapar" dos hospitais?

Dá a impressão que existe uma grade que a impede de sair, mas não é assim. Sem querer alardear, a coisa mais fácil que tem é um bicho desses transitar em qualquer ambiente. É certo que esses micróbios têm larga preferência por pacientes com imunodepressão. Mas dizer que ficará restrito a ambientes hospitalares é ingenuidade.

O uso consciente de antibióticos é URGENTE! Precisamos parar de colocar em prática o chamado CRM-G, conhecido como Conselho Regional de Medicina Genérico, que todo cidadão brasileiro carrega consigo.

Prescrição de medicamentos É ATO MÉDICO...

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Receptores de gosto amargo no pulmão podem levar a novo tratamento da asma.

Um novo estudo indica que a descoberta de "receptores de paladar" nos pulmões, sensíveis a substâncias amargas, pode levar à criação de novos tratamentos para a asma.

Experimentos realizados com ratos revelaram que o "bombardeio" destes receptores com compostos de gosto amargo ajudou a abrir as vias aéreas, facilitando a respiração.

A pesquisa, realizada na Universidade de Maryland e publicada na revista Nature Medicine, pode trazer novidades no tratamento de outras doenças do pulmão, além da asma.

A entidade britânica Asthma UK, dedicada ao combate à asma, alerta, no entanto, que novos medicamentos para a doença não devem surgir em curto prazo.

Os "receptores de paladar" descobertos no músculo liso dos pulmões não são os mesmos encontrados nas papilas gustativas da língua. Eles não enviam sinais ao cérebro, mas assim mesmo respondem quando expostos a substâncias amargas.

Foi a natureza desta reação que surpreendeu os pesquisadores. Eles presumiram que a presença dos receptores era uma defesa contra gases nauseantes, causando o fechamento das vias respiratórias e a tosse.

O experimento com ratos mostrou exatamente o contrário. Quando o tecido das vias aéreas dos ratos foi tratado com componentes amargos, e depois exposto a substâncias que causam alergia, foi observada uma reação protetora.

As substâncias amargas abriram as vias respiratórias mais profundamente do que qualquer remédio conhecido para o tratamento de asma ou para doenças pulmonares obstrutivas crônicas.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Hebefrenia

Hebefrenia - Sinais, Sintomas E Tratamento Da Doença
Postado em 22/04/2009 às 17:40 por Cabuloso.com - Visto 705 vezes - aprovado por Cabuloso.com - Enviar por E-mail
O que é Fenômeno de Hebefrenia ?


Hebefrenia (do grego. hébe, mocidade + phrén, inteligência, alma) é uma enfermidade mental própria de adolescentes e que conduzia rapidamente à loucura. Foi inicialmente descrita em 1863 pelo médico alemão Karl Kahlbaum. Em 1871, Ewald Hecker, discípulo de Kahlbaum, apresentou uma análise mais detalhada da hebefrenia, caracterizando-a por um “‘afeto bobo, pueril’, por alterações comportamentais graves e desagregação progressiva do pensamento”. Em 1884, Kahlbaum fez menção a um outro grupo de pacientes, que o autor descreveu com detalhes em 1890: o grupo dos adolescentes hebóides (“jovens viciados, instáveis, caprichosos, sujeitos à cólera”.

Enquanto os hebefrênicos manifestavam sintomas evidentes de loucura, os jovens hebóides apresentavam alterações, principalmente, nos âmbitos das relações sociais e da personalidade, através de flutuações abruptas do humor e do comportamento: “Oscilam rapidamente de um estado melancólico para um expansivo, ficando facilmente irados. São jovens que, embora pensem e raciocinem corretamente, discutindo os mais variados assuntos com facilidade, têm de fato uma certa dificuldade em apreender de forma precisa a realidade. Entretanto, apesar desta forma de pensar dispersa e pouco útil, os hebóides, ao contrário dos hebefrênicos, não apresentam idéias delirantes verdadeiras”.

Manifesto em Defesa da Democracia

domingo, 24 de outubro de 2010

Obesidade e desnutrição da vida adulta

Quando falamos em desnutrição, todos nós, imediatamente, pensamos em crianças. Acontece que a prática de dietas de moda e o culto ao peso ultra magro tem nos trazido esse personagem da desnutrição em adultos com sobrepeso e obesidade. Aqui a maioria absoluta são as mulheres. Elas são as maiores vítimas de carências nutricionais na vida adulta.
Além do culto à magreza, as mulheres saíram de casa e enfrentaram o mercado de trabalho, passaram a comer fora e recorreram ao delivery. Muitas atribuições domésticas elas foram obrigadas a manter, mas não cozinham mais. O resultado de tudo isso são as freqüentes queixas de queda de cabelos, unhas fracas e quebradiças, infecções ginecológicas de repetição e cansaço crônico.

O público feminino é muito susceptível aos modismos e aderem com muita facilidade a situações alimentares de risco. Um exemplo claro disso, é a crescente restrição ao leite de vaca, sua mais importante fonte de cálcio. Esse fator talvez seja o mais importante para a ocorrência de osteopenia e osteoporose, tão comum entre elas.
Todas as dietas que são veiculadas pela mídia, as mulheres encaram sem o menor constrangimento e nem questionam restrições alimentares absurdas. Para completar o risco de desnutrição na mulher adulta, está o fato de que elas menstruam mensalmente, perdendo assim uma grande quantidade de ferro, e com ele, o risco de anemia.

fonte: Comer Sem Culpa

sábado, 23 de outubro de 2010

Álcool em gel será obrigatório em hospitais e clínicas para evitar propagação da superbactéria KPC.

Para evitar novos casos da superbactéria KPC e de outros micro-organismos resistentes a antibióticos, os hospitais e clínicas públicas e privadas serão obrigados a colocar dispensadores com álcool em gel em todos os quartos, ambulatórios e prontos-socorros.

A norma foi aprovada ontem (22) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para estimular a higienização de profissionais de saúde, uma das medidas mais eficazes para impedir a disseminação das superbactérias e conter as infecções hospitalares.

A nova regra deve ser publicada oficialmente na próxima semana. De acordo com o diretor, os hospitais terão um prazo de até 60 dias para adaptação.

Técnicos da Anvisa reuniram-se hoje com especialistas em infectologia e microbiologia para discutir medidas de contenção e o cenário da KPC no Brasil. A KPC é um tipo de enzima que provoca resistência de algumas bactérias aos antibióticos de uso habitual.

A bactéria atinge, principalmente, pessoas com baixa imunidade que estejam hospitalizadas, como pacientes de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ela pode ser transmitida por meio do contato direto, como o toque, ou pelo uso de um objeto comum.

O Distrito Federal tem um surto da superbactéria. São183 casos confirmados e 18 mortes. Há registros de casos também no Espírito Santo, Paraná, em São Paulo, Santa Catarina, Goiás, Minas Gerais e na Paraíba.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Subir escadas x gasto calórico

Um estudo recente, deste mês para ser mais preciso, mostrou que subir escadas dois degraus por vez (ou seja, sempre pulando um degrau), aumenta o consumo energético e a ativação dos músculos extensores do tornozelo e do joelho em comparação a subir a escada um degrau por vez.

Esta constitui uma estratégia simples para aumentar o seu gasto energético diário.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Estados Unidos aprovam injeções de botox no tratamento de enxaqueca.

A agência reguladora de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos - FDA (Food and Drug Administration) - aprovou nesta semana a injeção de botox - muito utilizada como anti-rugas - para o tratamento de enxaqueca crônica. As injeções devem ser administradas a cada 12 semanas em torno da cabeça e do pescoço de adultos que sofrem as terríveis dores de cabeça, para minimizar as futuras crises.

Entretanto, de acordo com os especialistas, o botox parece funcionar apenas para pessoas que têm dores de cabeça na maioria dos dias do mês - o que caracteriza a enxaqueca crônica -, não tendo efeitos para pacientes que apresentam esse sintoma em menos de 14 dias no mês.

O primeiro país a aprovar o uso da toxina botulínica para o tratamento de enxaquecas foi o Reino Unido, em julho deste ano. Agora, a aprovação nos Estados Unidos vem um mês após a farmacêutica Allergan, responsável pelo produto, concordar com o pagamento de US$ 600 milhões para liquidar uma investigação federal sobre suas práticas de marketing para o botox.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Novas diretrizes mundiais para salvar pessoas com parada cardíaca.

A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) anunciou na noite desta segunda-feira (18) a publicação das “Novas Diretrizes Mundiais das Emergências de Ressuscitação após Parada Cardíaca”, uma atualização do conhecimento médico sobre como evitar a morte de uma vítima de infarto, com a ajuda da massagem cardíaca e do uso de desfibriladores.

A nova recomendação é que, diante de uma pessoa inconsciente e que não respira, o leigo peça a alguém para telefonar para o 192 e inicie imediatamente a compressão do peito, ou seja, a massagem cardíaca. A compressão deve ser intensa e profunda: a cada uma o peito do paciente deve ser comprimido por pelo menos 5 centímetros (ou, no caso de crianças, 4 centímetros) e devem ser feitas 100 compressões por minuto. Um vídeo de divulgação da American Heart Association ensina que o ritmo é parecido com o da música "Stayin' Alive", do grupo Bee Gees.

A SBC ressalta que a "massagem" recomendada é muito mais intensa e a frequência aumentou. Além disso, o leigo não precisa fazer a respiração boca a boca. Mais importante, segundo as novas diretrizes, é que ele faça as compressões e peça para alguém trazer o mais rápido possível um desfibrilador automático, que hoje existe em locais de grande aglomeração de pessoas, como estádios, aeroportos e shoppings.

Para os médicos, as novas diretrizes também trazem a norma resumida na sigla CAB, isto é, “Compression, Airway e Breath” (compressão, vias respiratórias e respiração). A regra é que primeiro se inicie a compressão, em seguida se garanta a abertura das vias respiratórias e, como consequência, a respiração. Numa segunda etapa, a recomendação é que os profissionais providenciem o resfriamento do organismo para 32 a 34 graus, em até 24 horas, e o cateterismo de urgência.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Testosterona aumenta a predisposição ao trabalho em equipe e cooperação.

Durante anos, cientistas acreditaram que o excesso de testosterona alterava o comportamento dos homens, deflagrando, em certos casos, atitudes agressivas e descontroladas. Para entender melhor o assunto, o neurocientista suíço Christoph Eisenegger, da Universidade de Zurique, na Suíça, e sua equipe realizaram um experimento apenas com mulheres. Os resultados mostraram o contrário do que se supunha: quanto mais elevados os níveis de testosterona, maior a predisposição ao trabalho em grupo e à cooperação. Curiosamente, nas voluntárias, em nenhum caso a alteração hormonal estimulou a agressividade.

O estudo consistiu em um jogo simples, frequentemente analisado em pesquisas desse tipo: duas pessoas e uma pilha de dinheiro. Um jogador oferece ao outro uma oportunidade única de compartilhar o montante; se o segundo aceitar a divisão, cada um recebe a sua parte – se rejeitar, ninguém ganha.

As voluntárias que deviam oferecer o negócio receberam doses de testosterona ou de placebo. Para terem certeza de que a substância teria influência na decisão, os pesquisadores ofereceram às mulheres quantidade suficiente para incrementar seus níveis básicos até 400%. Após administrar o hormônio ou o placebo, os pesquisadores pediram às mulheres que tentassem adivinhar qual das duas substâncias haviam recebido. As participantes que receberam placebo mas acreditavam que se tratava de testosterona ofereceram divisões justas de dinheiro apenas por 10% do tempo, provavelmente por imaginar que a substância teria um efeito negativo. Já as que participantes que tomaram hormônio mas pensaram ser placebo propuseram a divisão justa em 60% do tempo. Apenas 30% delas adivinharam ter recebido testosterona, e 50% acertaram que era placebo.

Com esses resultados Eisenegger avalia que os efeitos do hormônio podem variar de acordo com cada cenário. Aparentemente a testosterona aumenta o entusiasmo das pessoas pelo sucesso, sem que elas se preocupem com o que terão de fazer para alcançá-lo. Se o objetivo é ganhar a qualquer custo, os altos níveis da substância levam à agressão verbal e física; porém, em situações em que o benefício é mútuo, a testosterona pode estimular a cooperação.

fonte: Mente e Cérebro

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Nova droga para emagrecer?




Todos aqueles que têm uns quilinhos a mais querem emagrecer rápido e muitos pensam que a solução pode estar em um remédio para emagrecer. Bem, eles podem estar certos, pois um novo estudo mostrou que um medicamento chamado tesofensina, usado para tratar doenças neurológicas, tem o dobro da eficiência do que qualquer outro remédio de emagrecer.

Voluntários obesos receberam o remédio para emagrecer tesofensina (tesofensine em inglês) diariamente durante 24 semanas e conseguiram perder 13 Kg, aproximadamente. É o dobro do peso perdido por medicamentos como sibutramina e rimonabant, de acordo com especialistas.

Enquanto o medicamento tesofensina estava sendo testado para doenças como Mal de Parkinson e Alzheimer os cientistas observaram que os pacientes estavam perdendo peso. Mais tarde descobriram que ele é um supressor do apetite que age nos sinais neurológicos do cérebro.

Para o estudo da tesofensina como um remédio para emagrecer foram utilizados 161 pessoas obesas que pesavam cerca de 100 kg. Para um grupo foi prescrito o medicamento para emagrecer e o outro grupo recebeu um placebo inativo.

Este é, ao menos, o dobro do peso perdido por pacientes nos estudos de remédios de emagrecer como Reductil e Acomplia, escreveram os pesquisadores em uma edição online da revista científica The Lancet. A tesofensina foi três vezes mais potente do que o remédio para emagrecer chamado orlistat.

Os autores da Universidade de Copenhagen concluíram que “esta fase 2 do estudo mostrou que a tesofensina é muito eficaz para produzir perda de peso em pacientes em seis meses”.

Estudos anteriores mostraram que no mesmo período o orlistat ajudou pacientes obesos a perder 3 kg a sibutraminha a perder 4 kg e o rimonabant a perder 5 kg.

No entanto a tesofensina tem efeitos colaterais quando tomada em doses de 1 miligrama como boca seca, constipação, movimentos irregulares do intestino e insônia. Por esta razão a dose segura foi considerada de 0,5 miligramas que levou os pacientes à perder 11 kg. [TPA]

Medicação para insônia e ansiedade estariam ligados a aumento de 36% de risco de mortalidade.

Drogas sedativas estariam ligadas a um aumento de 36% no risco de mortalidade, de acordo com estudo publicado em setembro pelo Canadian Journal of Psychiatry.

De acordo com as palavras do Dr. Geneviève Belleville, da Université Laval's School of Psychology in Quebec City, Canada, o uso de medicamentos para ansiedade, dificuldades para dormir e drogas chamadas tranquilizantes menores estariam diretamente ligadas a um aumento de mortalidade em decorrência do seu uso, o que pode ser considerado controverso, na verdade, pois o que se espera do uso destes medicamentos é justamente uma melhora na qualidade de vida dos pacientes.

Níveis de mortalidade foi 3,22 maior para participantes que relatavam uso de ansiolíticos ou drogas hipnóticas do que aqueles que não relatavam uso destes mesmos medicamentos. Mas a média relativa de problemas teria sido atenuada para 1,36 vezes mais após um ajustamento estatístico feito de acordo com fatores sociodemográficos, estilo de vida, depressão e outros fatores de saúde, demonstrando que os medicamentos não seriam, sozinhos, capazes de elevar o risco de mortalidade em níveis tão elevados.

Em verdade, podemos atribuir ao estudo um valor muito relativo, pois há uma série enorme de fatores concomitantes e participantes dos níveis de mortalidade em uma população. Entretanto, fica registrado que existe alguma elevação de risco para problemas com uso indiscriminado destes medicamentos, o que deve levar os médicos a pensar sobre seu uso e, principalmente, discutir com paciente e parentes próximos sobre sua postura e comportamento em decorrência do tratamento com esses medicamentos.

Novas tecnologias podem ajudar paraplégicos e tetraplégicos

Para realizar os movimentos de nossos braços e pernas, é preciso planejar a ação no cérebro antes de executá-la.

Imagine esse planejamento como um passageiro de um trem que precisa seguir de uma estação (cérebro) para outra (músculos).

Um trauma por acidente ou arma de fogo causa lesão da medula espinal que destrói essa linha férrea imaginária, além de impedir a reconstrução de seus trilhos.

Artigo publicado mês passado na conceituada revista científica da Federação das Sociedades Americanas de Biologia Experimental (FASEB JOURNAL) por cientistas do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ descreve a aplicação de um biopolímero capaz de promover a (re)comunicação nervosa entre mente e corpo.

Em outras palavras, os autores aplicaram in loco a forma polimerizada de uma proteína chamada laminina, recuperando a função motora de ratos que sofreram lesão da medula espinal por compressão torácica parcial ou completa transecção.

A recuperação de movimentos está associada à regeneração dos neurônios (rompidos em virtude da lesão) e redução no processo inflamatório, comum após trauma no sistema nervoso.

Em virtude da natureza do laminina (que pode ser obtida da placenta humana após o parto), sugere-se a possibilidade de criação de um produto para aplicação em seres humanos, desde que imediatamente após o trauma.

Pode se ver que a tecnologia caminha em passos largos para ajudar a humanidade.

sábado, 16 de outubro de 2010

Dieta da mãe influencia qualidade do leite materno.

Pesquisas recentes apontam que a alimentação da mulher durante o período de amamentação pode influenciar na qualidade do leite materno, principalmente no teor de vitaminas. Especialistas alertam que uma dieta balanceada desde a gestação também é fundamental para garantir que as reservas de ferro e vitaminas da mãe não sejam esgotadas pela lactação.

Na Universidade Federal do Amazonas, pesquisadores analisaram o teor de vitamina A do leite de dois grupos de doadoras cadastradas no Banco de Leite Humano do Amazonas. Enquanto o primeiro recebeu suplementação diária de 20 gramas de farinha de pupunha (uma colher de sopa), o segundo manteve a alimentação habitual.

Nova avaliação, feita após 60 dias, apontou que o leite das mulheres que consumiram a farinha de pupunha continha 30% mais vitamina A.

No grupo das mulheres que não receberam o suplemento, o teor do micronutriente diminuiu 10%.

Isso aconteceu porque a reserva do corpo das mães estava sendo consumida pela produção de leite sem que houve uma reposição adequada por meio da alimentação.

A estratégia usada na pesquisa pode ser promissora para combater o déficit de vitamina A na população infantil, intenso principalmente na Região Norte. O nutriente é fundamental para os recém-nascidos, pois ajuda a manter a integridade da pele e das mucosas, que são barreiras contra infecções. Também é importante para o funcionamento do sistema imunológico.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Britânica morre de infecção generalizada depois de colocar piercing na língua.

Uma britânica de 34 anos morreu de infecção generalizada dois dias depois de colocar um piercing na língua.

Amanda Taylor, do País de Gales, desenvolveu septicemia depois de ter o adorno colocado em uma loja da cidade galesa de Cardiff. No dia seguinte, Taylor reclamou de dores de garganta e inchaço na língua e foi diagnosticada com amigdalite.

O clínico geral de Taylor receitou antibióticos, mas, um dia depois ela desmaiou em casa e morreu.

A polícia de Cardiff está investigando a morte e pediu que autoridades do município retirassem amostras da loja onde Taylor colocou o piercing.

De acordo com o inquérito aberto depois de sua morte, a britânica morreu de infecção generalizada depois que bactérias que estavam em sua garganta entraram em sua corrente sanguínea através do local do piercing.

"O ponto de entrada para a infecção foi o piercing", disse a médica legista Wendy James. "Uma vez que o organismo entra na corrente sanguínea, pode causar infecção por estreptococos sistêmica." "Estreptococos é uma bactéria extremamente potente, se cair na corrente sanguínea pode levar muito rapidamente a consequências fatais", acrescentou.

Exames
Os exames feitos na britânica não comprovaram uma ligação entre a loja onde Taylor colocou o piercing e a infecção que a matou.

A irmã de Taylor, Ceri Taylor-Wood, afirmou em seu depoimento que sua irmã era "saudável". "Ela trabalhava 70 horas por semana e estava constantamente ativa", disse ela.

"Ela queria colocar um piercing na língua havia algum tempo, mas nossos pais não permitiam. Mas, no final, eles desistiram, pois era um presente pelo aniversário de 34 anos", acrescentou.

Os legistas registraram morte natural como a causa da morte de Amanda Taylor. No entanto, para a legista Wendy James, "é aparente que antes de Amanda colocar o piercing ou logo depois ela contraiu a amigdalite".

A legista afirmou que não há provas de que ela foi infectada com a bactéria estreptococos enquanto estava na loja onde colocou o piercing.

"A morte de Amanda destaca a importância de checar se a pessoa que recebe o piercing e os funcionários da loja estão saudáveis", acrescentou.

Nanotecnologia para transporte eficaz de medicamentos.

Uma nova geração de sistemas nanométricos capazes de levar medicamentos até o local do organismo no qual devem agir foi desenvolvida em um trabalho conjunto feito entre pesquisadores da Universidade de São Paulo (FFCLRP-USP) e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

O trabalho gerou um depósito de patente feito com apoio do Programa de Apoio à Propriedade Intelectual da Fapesp e foi apresentado na 2nd Conference Innovation in Drug Delivery, em Aix-en-Provence, na França, na semana passada.

Trata-se de um nanocarreador capaz de levar drogas hidrofílicas (solúveis em água), o que é inédito. Os nanocarreadores já desenvolvidos só obtiveram sucesso ao transportar substâncias hidrofóbicas, as quais não se dissolvem na água, o que limitava o campo de aplicação.

Diferentemente dos medicamentos convencionais, que precisam ser administrados em doses maiores a fim de que uma parte deles chegue ao local desejado, os nanocarreadores podem levar quantidades bem menores do princípio ativo.

Além de gerar economia de fármacos, essa característica reduz os efeitos colaterais causados pelas drogas. Isso ocorre porque as nanopartículas são projetadas para apresentar seletividade para um determinado alvo biológico.

Outra vantagem é que as partículas nanométricas executam uma liberação controlada do medicamento. Essa ação evita os picos de dosagem que ocorrem com os remédios convencionais. Ao serem liberados continuamente, os princípios ativos mantêm níveis constantes no organismo.

Nanotecnologia para transporte eficaz de medicamentos.

Uma nova geração de sistemas nanométricos capazes de levar medicamentos até o local do organismo no qual devem agir foi desenvolvida em um trabalho conjunto feito entre pesquisadores da Universidade de São Paulo (FFCLRP-USP) e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

O trabalho gerou um depósito de patente feito com apoio do Programa de Apoio à Propriedade Intelectual da Fapesp e foi apresentado na 2nd Conference Innovation in Drug Delivery, em Aix-en-Provence, na França, na semana passada.

Trata-se de um nanocarreador capaz de levar drogas hidrofílicas (solúveis em água), o que é inédito. Os nanocarreadores já desenvolvidos só obtiveram sucesso ao transportar substâncias hidrofóbicas, as quais não se dissolvem na água, o que limitava o campo de aplicação.

Diferentemente dos medicamentos convencionais, que precisam ser administrados em doses maiores a fim de que uma parte deles chegue ao local desejado, os nanocarreadores podem levar quantidades bem menores do princípio ativo.

Além de gerar economia de fármacos, essa característica reduz os efeitos colaterais causados pelas drogas. Isso ocorre porque as nanopartículas são projetadas para apresentar seletividade para um determinado alvo biológico.

Outra vantagem é que as partículas nanométricas executam uma liberação controlada do medicamento. Essa ação evita os picos de dosagem que ocorrem com os remédios convencionais. Ao serem liberados continuamente, os princípios ativos mantêm níveis constantes no organismo.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Rótulos de Alimentos

Os produtos industrializados ocupam uma parcela cada vez maior do mercado de alimentos. Eles são bem práticos, pois já vêm prontos ou semi-prontos. O único trabalho é abrir a embalagem, e mesmo as embalagens estão cada vez mais fáceis de abrir. Além da praticidade, os alimentos industrializados também possuem um prazo de validade bem maior do que os produtos "in natura", tornando fácil o armazenamento. Vieram para ficar e representam uma solução para a vida corrida das grandes cidades.

Acontece, porém, que existe uma regra universal, de conhecimento popular, chamada lei das compensações. De acordo com ela, as coisas boas, na maioria das vezes, não são tão boas quanto parecem, assim como as ruins também não são tão ruins quanto possam parecer à primeira vista. Em tudo há uma parte boa e uma parte ruim. Assim, importa analisar os prós e os contras para decidir o que é melhor.

Como não poderia deixar de ser, esta regra se aplica também aos alimentos industrializados. Para conseguir a praticidade e durabilidade dos produtos, os fabricantes se utilizam de milhares de aditivos químicos, que, na grande maioria das vezes, não fazem bem à saúde de quem os consome com freqüência. O uso desses produtos químicos deve ser discriminado nas embalagens dos alimentos. O nome de muitos desses produtos químicos vêm codificados, talvez para que o consumidor não se assuste ao ler estas informações do rótulo. Portanto, é uma questão de escolher entre o aspecto saudável dos alimentos "in natura", e a praticidade dos alimentos artificiais e/ou industrializados.

Os produtos químicos encontrados com maior freqüência nos alimentos industrializados são:

Corantes
Aromatizantes
Conservantes
Antioxidantes
Estabilizantes
Acidulantes

Corantes

A função dos corantes é "colorir" os alimentos, fazendo com que os produtos industrializados tenham uma aparência mais parecida com os produtos naturais e mais agradável, portanto, aos olhos do consumidor. Eles são extremamente comuns, já que a cor e a aparência tem um papel importantíssimo na aceitação dos produtos pelo consumidor. Uma gelatina de morango, por exemplo, que fosse transparente não faria sucesso. Um refrigerante sabor laranja sem corantes ficaria com a aparência de água pura com gás, o que faria que parecesse mais artificial, dificultando sua aceitação. É inegável que uma bebida com sabor de laranja e com cor de laranjada é muito mais agradável de se beber do que uma bebida incolor com gosto de laranja.

Os corantes são encontrados na grande maioria dos produtos industrializados, como as massas, bolos, margarinas, sorvetes, bebidas, gelatinas, biscoitos, entre outros.

Aromatizantes

Os aromatizantes tem por função dar gosto e cheiro aos alimentos industrializados, realçando o sabor e o aroma. Assim como os corantes, os aromatizantes também fazem com que os alimentos industrializados se pareçam mais com os produtos naturais, pois como já foi dito, isso é essencial na aceitação do produto pelo consumidor.

Informar que um salgadinho artificial de milho tem sabor e cheiro de presunto ou de churrasco faz com que ele seja mais aceitável, já que o consumidor vai reconhecer naquele produto um sabor que ele já conhece, de algum outro produto não industrializado que ele já comeu, causando a falsa impressão de que o produto não é tão artificial assim.

Muitos alimentos não possuem em sua composição as frutas que as embalagens anunciam, mas apenas aromatizantes que lhes imitam o sabor e aroma. São encontrados em sopas, carnes enlatadas, biscoitos, bolos, sorvetes, entre outros.

Conservantes

Ao contrário dos corantes e aromatizantes, os chamados conservantes não possuem função de fazer com que os produtos industrializados pareçam ser o que na realidade não são, ou seja, naturais. Sua meta é evitar a ação dos microorganismos que agem na deterioração dos alimentos, fazendo com que durem mais tempo sem estragar.

É possível reconhecer o uso de conservantes na composição dos produtos a partir da leitura dos rótulos das embalagens. Eles são caracterizados pelos códigos P1 a P10. São encontrados em refrigerantes, concentrados de frutas, chocolates, sucos, queijos fundidos, margarinas, conservas vegetais, carnes, pães, farinhas e em milhares de outros alimentos industrializados.

Antioxidantes

Assim como os conservantes, os antioxidantes procuram manter os alimentos em boas condições de consumo por mais tempo. Eles tem sua principal aplicação em óleos e gorduras, impedindo ou retardando sua deterioração, evitando a formação de "ranço" por algum processo de oxidação.

Podem ser encontrados em sorvetes, leite em pó instantâneo, leite de côco, produtos de cacau, conservas de carne, cerveja, margarina, óleos e gorduras em geral, farinhas, polpa e suco de frutas, refrescos e refrigerantes.

Estabilizantes

São utilizados para manter a aparência dos produtos, tendo como principal função estabilizar as proteínas dos alimentos. É possível identificá-los nos rótulos das embalagens pelos códigos ET1 até ET29.

Acidulantes

São utilizados principalmente nas bebidas com função parecida com a dos aromatizantes.

Os acidulantes podem modificar a doçura do açúcar, além de conseguir imitar o sabor de certas frutas e dar um sabor ácido ou agridoce nas bebidas.

Também aparecem codificados nas embalagens, sendo reconhecidos pela letra H. São encontrados nos sucos de frutas e refrigerantes, entre outros.

Aditivos Alimentares

Os aditivos alimentares são largamente utilizados pela indústria alimentícia. Aqui vale a máxima "é a dose que faz o veneno". Na prática isso significa controlar o consumo de alimentos industrializados, diversificando ao máximo a dieta. Assim, o consumidor elimina o risco de estar acumulando altos níveis de uma determinada substância química no organismo. A dosagem de cada um dos aditivos considerada segura é determinada pela FAC e pela OMS - respectivamente Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura e Organização Mundial de Saúde. Veja o significado e a indicação dos estranhos nomes nos rótulos dos produtos industrializados:

C: São corantes naturais (Cl) ou artificiais (C2).

F: Indica aromatizantes ou flavorizantes, que têm o papel de realçar, respectivamente, o odor e o sabor dos alimentos. Há naturais e artificiais.

EP: Sinónimo de espessante, cuja função é dar consistência ao alimento. Geralmente, é de origem vegetal.

U: É o umectante. que impede o ressecamento do alimento.

AU: São os anti-umectantes, que evitam a absorção de umidade.

ET: Indica a presença de estabilizantes para impedir que os diferentes ingredientes se separem. Os mais comuns são óleos naturais.

H: Sigla dos acidulantes, responsáveis por acentuar o sabor ácido do alimento industrializado. Alguns estão naturalmente presentes nas frutas.

D: Ou edulcorantes. Usados nos produtos dietéticos em substituição ao açúcar

P: Significa a presença de conservantes.

A: São os anti-oxidantes, que evitam a rancificação de produtos gordurosos.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Os malefícios da exposição solar exagerada.

Estudos concluem que cada vez mais existem casos de pessoas de raça branca que são atingidas pelo cancro de pele. A camada de ozono esta cada vez mais destruída e com isso os raios ultra violeta perfuram facilmente a nossa atmosfera causado doença e envelhecimento precoce da pele. Contudo existem no mercado muitos cremes e loções que nos ajudam a proteger dos malefícios da exposição solar.

Os tipos de pele

A sensibilidade aos raios solares varia bastante, consoante a cor da pele, dos olhos e dos cabelos. De modo geral,distinguem-se seis tipos de pele: o tipo I corresponde aos indivíduos que se queimam e nunca chegam a ficar bronzeados, como os ruivos de olhos azuis e de pele leitosa, ao passo que o tipo VI corresponde aos que se bronzeiam e nunca se queimam, como as pessoas de tipo moreno.
As crianças e os adolescentes são os mais sensíveis, o que é agravado pelo facto de, actualmente, metade do tempo de exposição ao sol acontecer, segundo se pensa, durante os primeiros dezoito anos de vida.

Doenças que se agravam com a exposição solar

Algumas dermatoses, incluindo a acne e a couperose, podem ser agravadas pela exposição ao sol, enquanto que uma reacção, a que se chama fototoxicidade, pode produzir-se com um grande número de medicamentos, ou na sequência da aplicação de cosméticos que contenham, entre outros, alguns tipos de anti-sépticos, de essências (como, por exemplo, a bergamota, a alfazema e outras) ou corantes. Neste caso, o escurecimento da pele é rápido, mas irregular, e o efeito estético é duvidoso.

Vantagens e Perigos da exposição solar

- Favorece a formação da melanina, um pigmento capaz de filtrar alguns desses raios: quanto mais pigmentada a pele se tomar, mais protegida fica contra uma das famílias UV, os raios UV-A. Esse fenómeno natural leva, normalmente, três dias a processar-se e quanto mais frágil for a pele (nas pessoas de cabelo ruivo, por exemplo), mais lento é esse processo.

- Contribuem para a síntese, pelo nosso organismo, da vitamina D. Deste modo, as pessoas que evitam a exposição ao sol podem sofrer carências desta vitamina.

Perigos

- A exposição prolongada aos raios UV conduz ao espessamento e à secura da pele e, portanto, ao aparecimento de rugas precoces. Tanto os UV-B como os UV-A estão implicados nesse processo de envelhecimento, mas, ao que parece, só os UV-B são responsáveis pelos golpes de sol. São eles, também, que atacam o ADN das células da pele e provocam o aparecimento de um cancro específico, o melanoma maligno, cuja incidência aumenta de forma alarmante, sobretudo nas mulheres. Em doses elevadas, os UV-A são igualmente perigosos e constata-se que os cancros cutâneos, como referimos anteriormente, são frequentes nas pessoas de raça branca que se expõem muito ao sol. É o que se passa, por exemplo, com os anglo-saxões que vivem na Austrália.

Nota: os raios UV são particularmente intensos nas montanhas, nas praias, na neve e à beira de água, sobretudo entre as 10 e as 15 horas (hora solar).

Açúcares (glicídeos)

Os Glícidos também são conhecidos por hidratos de carbono. São a maior fonte de energia para o ser humano. Os hidratos de carbono fornecem cerca de 60% da energia necessária para o nosso organismo. Os Glícidos ajudam no metabolismo dos lípidos (degradação do glicerol), fazem poupança de proteínas (estas não irão ser gastas desnecessariamente para produzir energia) e são ricos em fibra. As principais funções dos Glícidos são: a Ribose e Desoxiribose (Ácidos Nucleicos), Estrutura (receptores) e Energia.

Os glícidos são, basicamente compostos por açúcares. Porém, este termo aplica-se a muitos outros alimentos além dos alimentos açucarados. Existem dois tipos de açúcar: açúcar de absorção rápida e açúcar de absorção lenta. A sacarose ou a glicose pertencem ao grupo de açucares de absorção rápida. Este tipo de açucares são os mais consumidos. Depois existem os açucares de absorção lenta como o amido e a celulose que são encontrados nos alimentos feculentos como o pão. Fazem parte deste grupo os alimentos como os cereais e as leguminosas secas. Ou seja as fontes de glícidos mais comuns são o pão, a batata, o arroz, as massas, as leguminosas, os vegetais, os frutos e o açúcar. Os glícidos podem ainda encontrar-se sobre as seguintes formas: Adoçantes, Gelificantes, Espessantes, Estabilizadores, Precursores de compostos que dão cor e aroma.

O índice Glicémico e os alimentos

Este índice classifica os glícidos consoante a quantidade de açúcar que estes libertam no sangue. Este índice depende do tipo de glícido (simples/complexo), do processamento deste e da presença de gordura ou fibra.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Ressonância Magnética: informações úteis.

A ressonância magnética é um exame para diagnóstico por imagem que retrata imagens de alta definição dos órgãos através da utilização de campo magnético. A ressonância magnética não utiliza radiação, porém uma vez que o aparelho tem um potente campo magnético é preciso tomar cuidado para o que não utilizar durante o exame como: jóias, objetos metálicos, maquiagem e outros.

A pessoa que passa pelo exame de ressonância magnética é orientada a ficar deitada e parada. Movimentos do paciente impossibilitam a captação de imagens precisas e geralmente um movimento de mais de 3 milímetros inutiliza os dados. O problema da movimentação afeta todas as pessoas, porém é mais acentuado em crianças e pacientes com algumas condições como doença de Alzheimer, esquizofrenia e outras.

O exame de ressonância magnética geralmente dura entre 15 minutos e duas horas. Dependendo do objetivo da ressonância magnética o paciente pode ver filmes, escutar sons, sentir odores, realizar tarefas cognitivas, apertar botões ou fazer outras coisas. Quem realiza a ressonância magnética deve dar instruções detalhadas do exame aos pacientes.

A segurança é uma questão muito importante na ressonância magnética. O paciente deve certificar-se de ser capaz de entrar no ambiente da ressonância magnética. Devido à natureza do equipamento há um forte campo magnético, desta forma os pacientes devem ser examinados cuidadosamente para verificar se têm qualquer objeto metálico como óculos, grampo de cabelo, marca-passo, pinos, etc.

Desvantagens da RM

Embora esse tipo de exame seja ideal para diagnosticar e avaliar vários problemas, ele tem suas desvantagens.

• Há muitas pessoas que não podem fazer esse exame por questões de segurança (por exemplo, pessoas com marca-passos) e há pessoas que são grandes demais para entrar na máquina.
• O número de pessoas com claustrofobia no mundo é muito grande. E estar em um aparelho de ressonância magnética é uma experiência muito incômoda para elas.
• Durante o exame, a máquina faz muito barulho. São sons de batidas contínuas e rápidas. Por isso, os pacientes recebem protetores ou fones de ouvido para abafar o barulho (na maioria dos centros de exame de ressonância magnética, você pode até levar uma fita cassete ou CD para ouvir). O barulho é criado pelo aumento da corrente elétrica nos fios dos magnetos gradientes que estão enfrentando a resistência do campo magnético principal. Quanto mais forte o campo principal, mais alto o barulho dos magnetos gradientes.
• Os pacientes devem ficar completamente imóveis durante longos períodos de tempo. Estes exames podem durar de 20 a 90 minutos ou mais. E mesmo o menor movimento da parte do corpo sendo examinada pode fazer com que as imagens fiquem completamente distorcidas e tenham de ser refeitas.
• Equipamentos ortopédicos (pinos, placas, articulações artificiais) na área do exame podem causar graves distorções nas imagens. Isso porque o equipamento cria uma alteração significativa no campo magnético principal. Lembre-se, é essencial que haja um campo uniforme na hora de gerar boas imagens.
• Os equipamentos de ressonância são extremamente caros, o que acaba deixando os exames caros também.

Vantagens da RM

Por que o seu médico pediria uma ressonância magnética? Porque a única maneira melhor de ver seu corpo por dentro é abri-lo. A ressonância magnética é ideal para:
• Diagnosticar esclerose múltipla
• Diagnosticar tumores na glândula pituitária e no cérebro
• Diagnosticar infecções no cérebro, medula espinal ou articulações
• Visualizar ligamentos rompidos no pulso, joelho e tornozelo
• Visualizar lesões no ombro
• Diagnosticar tendinite
• Avaliar massas nos tecidos macios do corpo
• Avaliar tumores ósseos, cistos e hérnias de disco na coluna
• Diagnosticar derrames em seus estágios iniciais

E essas são apenas algumas das muitas razões pelas quais um exame de ressonância deve ser realizado.

O fato dos aparelhos de ressonância não usarem radiação ionizante é um conforto para muitos pacientes, assim como o fato dos materiais de contraste terem uma incidência de efeitos colaterais muito pequena. Outra grande vantagem da ressonância magnética é sua capacidade de gerar imagens de qualquer plano.

A tomografia é limitada a um só plano, o plano axial (na analogia do pão, o plano axial seria a maneira que normalmente fatiamos pães para fazer torradas). Já um aparelho de ressonância magnética é capaz de criar imagens axiais e imagens no plano sagital (como se o pão fosse cortado no sentido de sua extensão) e coronal (imagine as camadas de um bolo) ou qualquer nível entre esses. E o que é melhor, o paciente não precisa fazer nenhum movimento. Se você já fez um exame de raio X, sabe que cada vez que eles tiram uma foto diferente, você tem de se mexer. Os magnetos que compõem o aparelho de RM permitem que o aparelho de ressonância escolha a parte exata do corpo da qual se quer gerar uma imagem e oriente o corte das "fatias".

Coquetel de aminoácidos pode ajudar a viver mais...

Um estudo realizado por cientistas na Itália revelou que camundongos que beberam um coquetel com três tipos de aminoácido tiveram um aumento de 12% de suas expectativas de vida em comparação com cobaias que não passaram pelo tratamento.

Além de viver mais, os camundongos que tomaram os aminoácidos também mostraram uma melhora na forma física e na coordenação, revertendo problemas associados à idade avançada.

Nos experimentos, descritos em um artigo na publicação científica Cell Metabolism, as cobaias saudáveis, de meia idade, receberam água contendo os aminoácidos leucina, isoleucina e valina.

Estudos anteriores haviam comprovado que estes três aminoácidos aumentam a expectativa de vida das leveduras.

Os aminoácidos são moléculas que formam as proteínas. Eles são comercializados na forma de suplementos para fisiculturistas, pois ajudam a cultivar a massa muscular.

A equipe de pesquisadores, liderada por Enzo Nisoli, da Universidade de Milão, disse que o estudo oferece uma análise do papel dos aminoácidos na prevenção e no controle de doenças relacionadas à idade em humanos.

No entanto, lembram que ainda é preciso fazer mais testes para conhecer ao certo o grau de eficiência do tratamento em humanos.

sábado, 9 de outubro de 2010

Constipação intestinal: qual dieta seguir?

O tratamento da obstipação intestinal começa pela dieta. É bem certo, que suas causas são geralmente multifatoriais, mas quando nos dispomos a seguir um plano nutricional já é um bom caminho andado.

A primeira medida a ser adotada é fazer com que a ingestão de líquidos seja adequada. Precisamos ingerir cerca de 6 a 8 copos de água ou 1500ml/dia. Inicialmente isso pode parecer muito chato e impraticável, mas com boa vontade essa medida é bem possível e facilmente incorporada à nossa vida. Após ultrapassada a fase de resistência, nós podemos observar que melhorar o nível de hidratação nos deixa mais toleráveis ao trabalho e ao desgaste físico do dia a dia. Medidas simples como deixar a garrafa de água ao nosso alcance é muito eficiente em nos lembrar da necessidade, mesmo durante a correria.

Posteriormente, devemos adequar a ingestão de fibras substituindo, pelo menos em parte, os alimentos refinados por suas versões integrais, como pães e cereais. Além disso, ingerir 3 a 4 porções diárias de frutas, verduras e legumes e substituir parte das carnes por fontes protéicas vegetais representadas pelas leguminosas (feijão, grão de bico, lentilhas).

Os dois passos, água e fibras, são interdependentes. Ingerir fibras sem uma boa hidratação pode inclusive agravar a prisão de ventre. As fibras da dieta, principalmente aquelas insolúveis, são capazes de absorver e reter água, melhorando a hidratação das fezes e facilitando a sua eliminação. Além disso, fezes pesadas estimulam os movimentos peristálticos intestinais e ajudam a regularizar o ritmo intestinal

Ainda há polêmica sobre o papel das gorduras nas dietas e sua capacidade de melhorar o hábito intestinal. Apesar disso, dietas balanceadas são sempre metas a serem buscadas e não há vantagem em retirar as gorduras das mesmas. Elas são fundamentais à saúde em geral e inclusive ao ritmo intestinal normal.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Eleições

Eu não sei se é verdadeiro, afinal, rodam tantas coisas na internet que fica muito difícil acreditar em tudo. Mas pelo menos me pareceu factível, então, aí vai um texto que, pelo menos hipoteticamente é uma declaração da Soninha. Aquela que já foi apresentadora da MTV, lembra? Então, aí vai:


DEPOIMENTO DA SONINHA FRANCINE SOBRE JOSÉ SERRA


Depoimento incrível da Soninha sobre Serra

Ontem, nosso amigo Leando Dalle questionou a Soninha Francine sobre seu apoio ao Serra. Enviamos a mensagem e ela nos enviou a seguinte resposta:


Leandro, posso explicar, sim. Talvez não em poucas palavras, mas em muitas informações sobre o que vi, vivi e aprendi nos últimos anos.

Pra não deixar sem nenhuma resposta agora, posso resumir assim:

- Descobri que o meio em que eu vivia - de petistas - inventava muitas barbaridades sobre o Serra. Por que o Serra? Não sei, talvez porque ele tenha sido o candidato do governo à sucessão do Fernando Henrique, portanto rival direto do Lula na disputa presidencial...
Porque os petistas já pintavam os tucanos como o fel da terra (e eu, mesmo quando era do PT, achava isso um pouco absurdo), e o Serra como o próprio Satanás.


Só que os fatos, mesmo vistos de longe, já desmentiam algumas coisas que diziam sobre ele: como ele podia ser "queridinho" da grande mídia quando comprava briga contra a publicidade de cigarro, por exemplo - que era uma baita fonte de receita para os meios de comunicação?

E como ele era parte da elite imperialista internacional, quando foi à OMC e lutou contra os lobbys e cartéis da indústria farmacêutica, conseguindo as quebras de patente em nome da saúde pública dos países mais pobres?

Mesmo com esses fatos, eu acreditava nas versões do PT... Afinal, o PT era o meu partido, eu tendia a concordar com tudo...

Pensava: "Ok, ele fez uma ou duas coisas importantes, corajosas, mas nem por isso é uma pessoa decente". O PT dizia que ele era covarde, porque tinha "fugido" da ditadura... Que era um manipulador ardiloso, porque "armou" um flagrante para Roseana Sarney (se bem que eu já pensava naquela época: o marido da Roseana Sarney tem um milhão e meio de reais de origem desconhecida e a culpa é do Serra?).

Enfim, eu o detestava. Até ser vereadora e, ele, prefeito. E descobrir que o demônio que pintavam não era nada daquilo. Mal humorado, impaciente, carrancudo, ríspido demais às vezes? Sim. Mau caráter? Não.

Em 2005, começo do meu mandato, o Serra me recebeu (a meu pedido), ouviu atentamente tudo o que eu disse e reconheceu que estava equivocado em algumas medidas que havia tomado como prefeito. Na manhã seguinte, desfez o que tinha feito.

Depois, me procurou inúmeras vezes para perguntar de assuntos que acreditava que eu conhecesse melhor do que ele - políticas de juventude, meio ambiente, cultura. Cansei de vê-lo pedindo idéias, sugestões, opiniões. O contrário do que diziam dele...

Enquanto isso, o PT - que era o meu partido continuava inventando, mentindo. Uma barbaridade. Analisava um projeto de lei enviado á Câmara pelo prefeito, concluía que o projeto era muito bom e... No plenário da Câmara, fazia DE TUDO para barrar o projeto.

Saía do plenário para não dar quórum, subia na tribuna e passava meia hora falando horrores de um projeto que TINHA CONSIDERADO BOM - apenas para prejudicar "os tucanos" na eleição seguinte. Mesmo assim, mesmo no meio da guerra mais suja - petistas espalhavam mentiras para assustar a população, uma coisa realmente horrorosa - se chegasse um Projeto de Lei de um vereador do PT e ele considerasse o projeto bom para a cidade, ele sancionava (isto é, aprovava). E se chegasse um Projeto de Lei de um vereador do PSDB e ele considerasse o projeto ruim para a cidade, ele vetava.


Aliás, nós ficamos amigos, e ele...vetou vários projetos meus. Ou seja, um comportamento REPUBLICANO, de respeito à Casa Legislativa e ao interesse coletivo. Mas o PTcontinuava espalhando que ele era autoritário, mentiroso, privatista, neoliberal... E que era repressor, "inimigo dos pobres", "amigo das elites", tudo de pior no mundo.

Mas o Serra ia fazendo coisas muito legais na cidade. Criou a Coordenadoria da Diversidade Sexual, a Secretaria da Pessoa com Deficiência... O Centro de Juventude da Cachoeirinha, que é do cacete... Pegou um esqueleto que estava lá abandonado desde o Janio Quadros e fez um troço muito legal. Terminou o primeiro trecho do maldito Fura-Fila do Pitta, que também estava abandonado.

Voltou atrás na história dos CEUS - porque essa foi uma das coisas que eu consegui convencê-lo de que ele estava errado - e mandou fazer vários outros, mantendo o nome "CEU" (bandeira da Marta...). Idem com os Telecentros - que os petistas diziam que ele "destruir", transformar em Acessa São Paulo, que era bem diferente... Criou a Virada Cultural.

Fez os benditos hospitais de Cidade Tiradentes e do M'Boi Mirim - que o PT anunciava que a Marta tinha feito, quando na verdade ela não tinha começado nem a cavar o alicerce... Sem falar que a Marta, que passou os 2 primeiros anos de seu governo sanando as contas da prefeitura detonadas pelo Pitta, passou os dois últimos anos destroçando as contas da prefeitura - e deixou dívidas absurdas, contratos temerários de 20 anos assinados "no apagar das luzes"...


O Serra deu muita força para a Secretaria do Meio Ambiente, que sempre era das mais pobrezinhas. E chamou para trabalhar com ele pessoas que tinham trabalhado com a Marta, sem a menor hesitação, sem rancor e ressentimento, porque considerava que elas eram competentes.

Enfim, eu VI, eu testemunhei, condutas absurdas do meu partido - e condutas admiráveis do Serra, que o meu partido pintava como o enviado do capeta.

Resultado: (lembre-se, este é um resumo, a história completa é uma enciclopédia) saí do PT, que foi se distanciando barbaramente dos ideais que pregava, adotando o "vale tudo" (pra governar, pra ser oposição), e fui para um partido de oposição. Que hoje apóia o Serra para presidente, assim como eu.

E eu nem falei do governo do estado... De mais uma seqüência enorme de mentiras e terrorismos, como de costume ("ele vai privatizar o metrô!"; "ele publicou decretos para acabar com a autonomia universitária!"), e, da parte dele, realizações admiráveis, mais ainda para quem ficou 3 anos e pouco no governo (e 1 ano e meio na prefeitura). Uma lista de pontos em que a atuação dele me agrada muito: trens metropolitanos, metrô, meio ambiente, cultura, pessoa com deficiência... E outros mais.

Se você odeia o Serra como eu odiava, eu sei que não vai mudar de idéia assim tão fácil. Não tenho essa pretensão. Mas gostaria que você acreditasse em mim: é com muita convicção que eu voto nele, baseada nos meus 6 anos de vida mergulhada integralmente na política.

Abraços

Consumo leve de álcool na gravidez parece não prejudicar o bebê.

As mulheres que não dispensam uma cervejinha ou um cálice de vinho podem não ter que largar completamente as bebidas alcoólicas durante a gravidez, como é recomendado por grande parte dos médicos. Pelo menos é o que sugere um novo estudo da University College London, no Reino Unido, que aponta que as gestantes podem tomar uma taça de vinho (até 175 ml) ou uns dois copos de cerveja (até 475 ml) por semana sem prejudicar o desenvolvimento intelectual ou o comportamento do filho.

Avaliando, em longo prazo, a saúde e o comportamento de mais de 11 mil crianças nascidas no Reino Unido, além do consumo de álcool de suas mães na gravidez, os pesquisadores não observaram nenhum comprometimento do desenvolvimento comportamental e intelectual de filhos de mulheres com consumo leve de álcool durante a gestação. Por outro lado, crianças cujas mães bebiam em excesso na gravidez eram mais propensas a serem hiperativas ou apresentarem problemas emocionais ou de comportamento.

De acordo com os autores, muitos especialistas desaconselham o consumo de álcool na gravidez com base em estudos que mostram os terríveis efeitos do álcool em excesso para a gravidez e para a saúde do bebê. E o novo estudo ajuda a preencher uma lacuna nessa relação, apontando que o consumo leve pode ser permitido. “Estamos falando de uma ou duas doses por semana no máximo”, explicou a pesquisadora Yvonne Kelly, que coordenou o estudo. “Bebedoras leves incluem as mulheres que bebem muito ocasionalmente em uma celebração familiar, por exemplo”, completou.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Alimentos de bebês têm sal de mais e ferro de menos.

A partir do sexto mês de vida, crianças nutridas somente com leite materno precisam também passar a se alimentar com alimentos sólidos preparados em casa.

Ao analisar amostras de alimentos de 78 lactentes, entre 6 e 18 meses, um estudo publicado no Jornal de Pediatria indica que eles apresentaram em geral baixo teor de ferro, mas quantidade excessiva de sódio.

O objetivo do estudo, desenvolvido na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e na Universidade do Estado do Pará (UEPA), foi determinar, por análise química, a composição nutricional de macronutrientes, energia e quantidades de sódio e ferro em alimentos preparados em domicílio para lactantes em Belém (PA) em dois grupos de estratos socioeconômicos diferentes.

O estudo apontou que 95% dos chamados alimentos de transição tinham teor inadequado de ferro no grupo socioeconômico mais baixo, contra 65% no estrato mais elevado. Todas as amostras analisadas, em ambos os grupos, apresentaram quantidade de ferro abaixo do mínimo recomendado (6,0 mg/100 g).

Por outro lado, o excesso de sódio foi constatado em 89,2% e 31,7%, respectivamente, para a referência que é de 200 mg/100 g.

De acordo com o estudo, apesar de serem raros os estudos de composição química de alimentos para lactentes preparados em domicílio, a pesquisa mostra que o período de transição é realizado frequentemente de maneira imprópria.

O estudo lança um alerta em relação à quantidade de sódio encontrada na comida. O termo ‘papa salgada’, frequentemente usado na orientação para que a mãe introduza comida salgada na dieta infantil, deveria ser abolido. O termo funciona como um incentivo para se adicionar mais sal.

Segundo a pesquisa, o estudo possibilita uma revisão na elaboração de diretrizes metodológicas na área. Ela corresponde a uma tese de doutorado defendida em 2009 na Unifesp.

O estudo em Belém foi realizado entre junho de 2005 e setembro de 2006. Foram analisadas 78 amostras de alimentos de transição preparados em domicílios. As crianças eram sadias e não apresentavam peso ou estatura baixos para a idade.

As amostras foram coletadas de famílias atendidas em dois tipos de serviço de atendimento pediátrico: na Unidade Materno-Infantil da UEPA e em quatro consultórios privados em Belém. A proposta foi comparar crianças de diferentes estratos socioeconômicos.

As porções – refeições servidas no almoço, como feijão, arroz, macarrão, carne e hortaliças – foram coletadas nas casas dos participantes, congeladas e, posteriormente, enviadas por via aérea a São Paulo, onde foram analisadas no Laboratório de Bromatologia e Microbiologia de Alimentos da Unifesp.

Poucos lipídios

Os pesquisadores analisaram quimicamente as proteínas, lipídios, hidrato de carbono, ferro, sódio e valor energético total. De acordo com Tania Beninga de Morais, coordenadora do Laboratório de Bromatologia e Microbiologia de Alimentos da Unifesp e co-orientadora do estudo, o teor de ferro foi escolhido porque sua deficiência é a principal carência nutricional nessa faixa etária.

Até o sexto mês de vida, o leite materno é o melhor e mais completo alimento para o lactente. Após essa idade, torna-se necessária a introdução de outros alimentos na dieta. Mas o que temos percebido é que o processo de transição para a dieta da criança se faz de maneira inadequada pela oferta, em quantidade e em qualidade, de alimentos inapropriados. Isso pode ser crítico para a manutenção de um crescimento saudável.

A necessidade de ferro nessa faixa etária é de 11 mg/dia nos menores de 1 ano. Essa taxa é difícil de ser atingida pela alimentação normal, pois as carnes têm teor de ferro relativamente baixo frente à capacidade gástrica reduzida das crianças nessa fase da vida.

A carne bovina, como acém moído e cozido, por exemplo, tem cerca de 3 miligramas de ferro em cada 100 gramas, o equivalente a um bife médio.

O estudo demonstrou também a insuficiência na quantidade de lipídios encontrada nos alimentos. Acredita-se que a recomendação de limitação da ingestão de lipídios na dieta de adultos esteja, possivelmente, influenciando também a preparação de refeições para as crianças. Ressalte-se que os lipídios são essenciais, nessa fase da vida, na maturação do sistema nervoso.

De acordo com a pesquisa da Unifesp, o excesso de sódio pode ser explicado pelo hábito da população brasileira de consumir sal de cozinha em quantidades muito acima do recomendado, o que pode se refletir também na preparação de alimentos destinados às crianças.

Educar o paladar dos lactentes para alimentos com baixo teor de sal é importante, uma vez que sua ingestão excessiva está associada com aumento da pressão arterial no futuro.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Ruído contínuo no local de trabalho dobra risco de doenças cardíacas!

O ruído contínuo no local de trabalho pode dobrar ou até triplicar o risco de doenças cardíacas, sugere um estudo publicado na última edição da revista médica British Medical Journal (BMJ).

A pesquisa foi feita a partir dos resultados de uma análise de saúde com 6 mil empregados maiores de 20 anos que participaram, entre 1999 e 2004, do Inquérito Nacional de Saúde e Nutrição dos Estados Unidos.

O levantamento, coordenado por Qi Wen Gan, da Escola de Saúde Ambiental da Universidade de British Columbia, no Canadá, levou em conta entrevistas com funcionários, exames de sangue, o estilo de vida e o histórico médico deles.

Os voluntários foram separados em dois grupos, entre os que suportaram por três meses ruídos tão altos no trabalho a ponto de ser difícil falar normalmente e os que não tiveram esse problema.

Os pesquisadores concluíram que os funcionários que ficavam em um lugar barulhento tinham duas ou três vezes mais probabilidade de ter problemas cardíacos graves do que aqueles que trabalhavam em áreas com menos ruído.

Os exames de sangue, porém, não indicaram níveis elevados de colesterol, associado a doenças do coração. "Esse estudo sugere que a exposição ao ruído excessivo no ambiente de trabalho é uma questão de saúde laboral e merece atenção especial", avaliam os especialistas.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Apenas 10,9% das mulheres descobrem o câncer de mama em fase inicial.

Entre as mulheres diagnosticadas com câncer de mama, 45,3% descobrem a doença em estágio avançado e apenas 10,9% ficam sabendo da doença no início, quando a chance de cura é maior.

Além disso, as pacientes que se tratam pelo Sistema Único de Saúde (SUS) precisam esperar 188 dias, em média, entre o diagnóstico e a cirurgia - tempo que cai para 15 dias se a pessoa tiver plano de saúde.

Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 5, no Rio de Janeiro, durante o lançamento da campanha Outubro Rosa, movimento mundial de mobilização para prevenção do câncer do mama.

No ano passado, foram diagnosticados 49.343 novos casos no País, que custaram US$ 157 mil (R$ 262 mil). Em 2020, a previsão é de que o Brasil tenha cerca de 63 mil ocorrências, com custo estimado em US$ 208 mil (R$ 347 mil).

"Primeiro, nós lutamos pela aprovação da Lei 11.664/2008, que assegura o direito à mamografia [em mulheres acima de 40 anos]. Agora, queremos acesso ao diagnóstico e ao tratamento imediato", disse Maira Caleffi, presidente da Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama).

"Precisamos de vontade política para mudar essa realidade, que causa milhares de mortes desnecessárias relacionadas à falta de investimento", acrescentou Maira. Ela fez um apelo para que as empresas abracem a causa e incentivem suas funcionárias a fazer o exame preventivo. "Todos os dias, 30 mulheres morrem no Brasil por câncer de mama. É preciso que as chances de 95% de cura cheguem a todas", afirmou.

O oncologista Ricardo Caponero, presidente do conselho científico da Femama, defende que o País aumente o investimento em saúde. "A Organização Mundial da Saúde recomenda 10% do PIB. O Brasil investe entre 2% e 3%", disse. Ele ressaltou também que aumento de recursos permitiria a oferta de medicamentos de ponta, aos quais as pacientes do SUS ainda não têm acesso.

Caponero citou o caso da vacina trastuzumab, que inibe a proteína presente em 20% dos casos de câncer de mama e é responsável pela evolução mais agressiva da doença. O medicamento, que custa R$ 7,5 mil por mês, é garantido pelos planos de saúde, mas não pelo SUS.

"Esse remédio melhora em 50% as chances de cura, é aprovado pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] e está disponível desde 2001, mas infelizmente não é oferecido em toda a rede pública", destacou o oncologista.

O lançamento do Outubro Rosa, que prevê a iluminação de prédios e monumentos, contou com a presença da estilista venezuelana Carolina Herrera, madrinha do projeto. Este ano, o Cristo Redentor, o Copacabana Palace e um shopping da zona sul do Rio ganharam luz especial.

Estudo conclui que os médicos não sabem falar sobre perda de peso!

Muitos médicos passam um bom tempo aconselhando seus pacientes sobre dietas e perda de peso, mas para a maioria deles, isso não está funcionando. É o que concluiu um estudo do Duke University Medical Center.

Os pesquisadores gravaram conversas entre 40 médicos e seus 461 pacientes acima do peso ou obesos, durante 18 meses. Os investigadores não disseram qual era o propósito do estudo. O propósito era analisar quanto tempo durava a consulta e, especificamente, a maneira como os médicos falavam com seus pacientes sobre dieta, exercícios e perda de peso.

O que eles descobriram é que os médicos falam bastante sobre o peso de seus pacientes: 69% das consultas abrangem o assunto. Os médicos passam em média três minutos e meio falando sobre dietas e perda de peso. Pode não parecer muito, mas isso chega a 15% do tempo médio de uma consulta, que é de 20 minutos. A conclusão é que os médicos sabem da importância do assunto, mas não sabem o melhor jeito de dizer isso aos pacientes, já que não há nenhuma diferença de perda de peso entre os pacientes que receberam aconselhamento médico e aqueles que não receberam.

Após a consulta, os pacientes cujos médicos falaram sobre dieta de uma maneira mais motivacional e empática perderam mais peso, cerca de 1,6 kg em três meses - o que é bastante, já que a maioria das pessoas obesas ganha peso com o tempo. Já aqueles médicos que falaram julgando ou confrontando o paciente não conseguiram bons resultados.

As pessoas não gostam que os médicos digam a elas o que fazer, então não vão conversar com ele ou questioná-lo. Já uma abordagem mais reflexiva e empática mostra ao paciente que ele está sendo tratado como igual por alguém que se preocupa com ele.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Governo amplia uso de antirretroviral para prevenir

O uso de remédios antiaids como uma espécie de "pílula do dia seguinte" para evitar a doença foi ampliado pelo governo. Documento com recomendações a profissionais de saúde que será lançado hoje prevê a oferta dos medicamentos como prevenção de emergência para pessoas que mantiveram relação sexual sem camisinha com portadores do vírus, profissionais do sexo, usuários de drogas e gays.

Atualmente, antirretrovirais já são usados como prevenção de emergência em hospitais para reduzir o risco de infecção, mas apenas para vítimas de violência sexual ou em caso de acidentes, principalmente entre profissionais de saúde.

Chamado de Consenso Terapêutico, o texto também traz um capítulo com recomendações para soropositivos que desejam ter filhos. A ideia é esclarecer casais sobre todas as metodologias existentes para reduzir ao máximo o risco de contaminação do bebê e do parceiro, caso ele não tenha o vírus.

"É um direito de todos. Se ter filhos é a decisão do casal, cabe ao governo orientar para que esse desejo seja colocado em prática com a maior segurança", afirmou o assessor técnico do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Ronaldo Hallal.

Integrantes de um grupo técnico convocado pelo governo para preparar o documento levaram pelo menos cinco meses para acertar os detalhes finais das recomendações. O debate começou em abril, conforme mostrou o jornal O Estado de S. Paulo na época. Hallal sabe que os temas agora abordados podem provocar polêmica. "É uma proposta corajosa. Mas é preciso encarar o debate." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja o que propõem os principais candidatos à Presidência para a área da saúde.

Agora é hora de olhar BEM as propostas dos candidatos para a Saúde, para a Educação e para a Segurança.

Vamos ver para a Saúde, incluindo a muito votada Marina Silva, que será o "fiel da balança" no segundo turno:


Conheça, abaixo, as propostas dos três principais candidatos à Presidência na área da saúde. As promessas foram extraídas dos planos de governo registrados no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), dos debates veiculados pela imprensa e dos sites oficiais dos candidatos.

Dilma Rousseff (PT)

- Priorizar a regulamentação e fiscalização da aplicação da Emenda Constitucional 29/2000

- Propiciar financiamento suficiente e estável para hospitais da rede pública e credenciada do SUS

- Ampliar as equipes de Saúde da Família, UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), Salas de Estabilização e o SAMU

- Criar a Rede Cegonha, para acompanhamento de gestantes, incluindo o SAMU Cegonha

- Garantir equidade no atendimento prestado pelos hospitais públicos, proibindo-se o credenciamento dessas instituições pelo sistema de planos e seguros de saúde

- Assegurar direitos trabalhistas e previdenciários aos trabalhadores do setor, reconhecendo as diversidades regionais e implantando novas carreiras estratégicas

- Construir uma rede de atendimento, organizada com enfermarias especializadas nos Hospitais Gerais, clínicas para usuários e comunidades terapêuticas, credenciadas pelo Ministério da Saúde

- Credenciar mais farmácias da rede privada para o programa “Aqui tem Farmácia Popular”; universalizar a gratuidade dos remédios usados no tratamento de hipertensão e diabetes; fortalecer a produção de medicamentos genéricos

José Serra (PSDB)

- Regulamentar a Emenda Constitucional 29/2000

- Investir R$ 15 bilhões em saúde em quatro anos (R$ 12 bilhões em hospitais e R$ 3 bilhões em saneamento)

- Melhorar a remuneração da tabela do SUS

- Retomar os mutirões de saúde

- Construir 150 AMEs (Ambulatório Médico de Especialidades) com médicos especialistas, exames de média e alta complexidade e até pequenas cirurgias, para desafogar os hospitais

- Criar o programa Mãe Brasileira de assistência a gestantes

- Criar Clínicas Públicas de Tratamento de Dependentes de Drogas; repassar recursos do SUS para pagar internação de dependentes; capacitar equipes do Programa Saúde da Família (PSF) para identificar casos de dependência e dar orientação

- Criar a Cesta de Remédios com 80 remédios gratuitos

- Criar o Ministério Extraordinário para Pessoas com Deficiência

- Criar a rede de hospitais Zilda Arns, para atender pessoas com deficiência

- Criar programa de vacinação permanente para crianças contra gripe

Marina Silva (PV)

- Articular a regulamentação da Emenda Constitucional 29/2000 e exigir que os governos cumpram o que está previsto

- Fortalecer e aprimorar o Programa Saúde na Família (PSF), assim como promover a formação de profissionais de saúde nesse sentido; inserir profissionais de nutrição nas equipes de apoio do PSF; investir em tecnologia da informação e comunicação para modernizar o trabalho das equipe

- Garantir o acesso universal e integral à saúde aos povos indígenas e aos portadores de deficiência

- Apoiar Estados e municípios em ações integradas a desospitalização dos transtornos mentais

- Criar e executar uma Política de Assistência Farmacêutica priorizando a rede básica de saúde, com ênfase na modernização e adequação laboratórios farmacêuticos públicos, na produção de fármacos, medicamentos genéricos e fitoterápicos; expandir as Farmácias Populares

- Incentivar o uso de tratamentos e métodos mais simples, baratos e tradicionais, como fitoterapia, acupuntura e reeducação alimentar

- Organizar um plebiscito para definir a questão do aborto

sábado, 2 de outubro de 2010

Cirurgia de hemorroida menos invasiva chega ao Brasil!

Uma nova técnica cirúrgica para acabar com a hemorroida chega ao país. Criada por médicos italianos, a Desarterialização Hemorroidária Transanal guiada por Doppler (THD) é realizada sem cortes, o que permite um pós-operatório praticamente indolor e uma recuperação bem mais veloz. Por enquanto, o único centro a utilizar o procedimento é o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Pelo menos metade da população vai sofrer de hemorroida em algum momento da vida. O problema é resultado da dilatação das artérias que ficam na região do ânus. Elas podem ser internas ou externas, causando dor, prurido e sangramento. Predisposição genética, dificuldades para evacuar e esforço físico excessivo podem deflagrar a doença.

Apesar do extremo incômodo, muita gente se recusa a procurar ajuda médica, por constrangimento ou por medo de ser operado. Nos casos mais simples, medicamentos, medidas ambulatoriais e mudanças na dieta são suficientes para conter o problema. Mas parte dos pacientes precisa ser submetida à operação. "A cirurgia convencional é realizada com a remoção dos vasos, o que causa dor no pós-operatório", diz o médico-cirurgião do Einstein Sidney Klajner.

O novo procedimento, indicado para hemorroidas internas, é feito com sedação ou anestesia raquidiana. Durante a cirurgia, um anuscópio é inserido no paciente e o Doppler (equipamento de ultrassom que mede o fluxo sanguíneo pelo som) identifica, pela pulsação, a artéria inchada. Com uma agulha que passa pelo interior do equipamento, o cirurgião costura a artéria em um ponto específico. Assim, o fluxo de sangue é reduzido e os sintomas desaparecem.

O paciente pode sair na manhã seguinte ou até no mesmo dia, retomando suas atividades. E não há necessidade de usar aquela almofada especial associada à hemorroida. A THD eleva em R$ 1.500 o custo da cirurgia, segundo Klajner.

Desde que a técnica foi registrada na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), dezesseis pacientes passaram pelo procedimento no Einstein. Mas a THD já é utilizada com sucesso, desde 2003, em países como Itália, Reino Unido e EUA.

Há risco de doença para crianças expostas à fumaça do cigarro.

A exposição à fumaça de cigarro para crianças, aumenta os índices de déficit de atenção, hiperatividade, de acordo com estudos publicados na Revista Pediatrics, em setembro de 2010.

Mas há variações da expressão desses problemas em função da etnia da criança (de acordo com o mesmo estudo).

O estudo foi efetuado em crianças que compreendem a faixa etária dos 4 ao 15 anos de idade, demonstrando que em certos grupos étnicos há maior propensão para o surgimento de TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade), assim, no estudo norte-americano, as crianças chamadas hispânicas apresentam cerca de 3% de elevação de chances para o problema, enquanto que as crianças de outras etnias apresentam cerca de 5%.

A análise foi feita com base em dosagem de cotinina (A cotinina é uma substância encontrada na saliva, através da qual se pode medir a quantidade de nicotina absorvida pelo fumante) e sua relação com TDAH (em inglês, ADHD), pela aplicação de testes psico-neurológicos que avaliam o índice de baixa atenção e hiperatividade da criança.

De qualquer modo, nota-se expressiva alteração do índice em função da exposição da fumaça do cigarro. Só a fumaça, não é que as crianças sejam fumantes ativos, mas fumantes passivos.

É uma caso para se pensar: fumar ou não fumar, eis a questão. O cigarro há um bom tempo se sabe prejudicar também a outrem, não somente o próprio fumante.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Nova terapia aumenta em 20% a taxa de cura do câncer infantil.

Uma nova terapia aumenta em 20% a taxa de cura do neuroblastoma, um tumor maligno raro e mortal que afeta principalmente crianças, segundo um estudo clínico publicado nesta quinta-feira e que marca o primeiro avanço em 10 anos contra esse câncer que afeta o sistema nervoso simpático.

Os pesquisadores obtiveram estes resultados utilizando agentes biológicos que estimulam o sistema imunológico.

O tratamento permite melhorar em 20% a taxa de sobrevivência em um período de dois anos, comparando-se com outras terapias padrão, como a quimioterapia.

O estudo foi publicado no New England Journal of Medicine, com uma pesquisa em separado sobre os riscos do neuroblastoma.

O neuroblastoma se manifesta geralmente em forma de tumor no peito ou no abdômen.

O estudo foi feito com 226 pacientes. A metade recebeu o tratamento padrão e a outra parte uma imunoterapia com anticorpos concebidos para destruir seletivamente as células cancerosas.