Translate

Total de visualizações de página

sábado, 28 de fevereiro de 2009

Paciente com Câncer

Na trajetória do câncer, a ansiedade se manifesta precocemente, mesmo durante os diversos momentos do diagnóstico. Depois, continua durante o tratamento e pós-tratamento. E, ao contrário do que possam pensar clínicos menos sensíveis, não se trata de um "problema do paciente" se ele estiver demasiadamente ansioso. Isso porque a ansiedade pode comprometer significativamente o sucesso do tratamento e, conseqüentemente, comprometer o sucesso do médico.

Portanto, atender às questões emocionais do paciente corresponde a melhorar substancialmente o tratamento clínico.

Os pacientes podem começar a experimentar ansiedade moderada ou severa enquanto esperam os resultados dos exames de diagnóstico (Jenkins, 1991). Para os pacientes que estão recebendo o tratamento, a ansiedade também pode aumentar a possibilidade de sofrer mais dor, bem como uma série de outros sintomas, desde a angústia e depressão, até as incoercíveis náusea e vômitos agravados pelas emoções.

Tem-se demonstrado que a ansiedade, independentemente de seu grau, pode reduzir substancialmente a qualidade de vida dos pacientes e de suas famílias, podendo ainda favorecer a morte prematura do paciente. Assim sendo, a atenção terapêutica da ansiedade é uma das medidas fundamentais durante o tratamento do câncer.

É extremamente variável o grau de ansiedade em pacientes com câncer, podendo aumentar segundo a evolução da doença ou conforme a agressividade do tratamento oncológico (Breitbart, 1995). Os investigadores têm descoberto que 44% desses pacientes têm declarado experimentar alguma ansiedade. Deles, 23% experimentam um grau de ansiedade mais significativo (Schag, 1989).

A ansiedade, como atitude psico-fisiológica, pode ser parte da adaptação normal da pessoa à sua doença. Na maioria dos casos, as reações de ansiedade mais intensas são limitadas no tempo (circunstanciais) e acabam sendo até benéficas, no sentido de motivar pacientes e familiares a procurar medidas de alívio, como por exemplo, obter mais informação sobre os benefícios do tratamento, novas atitudes diante da vida, etc. Entretanto, as reações de ansiedade que se prolongam por muito tempo ou são muito intensas podem comprometer a adaptação. Nesses casos elas se classificam como Transtornos de Ajustamento.

Estes transtornos podem comprometer a qualidade de vida e dificultar a capacidade de funcionamento social e emocional do paciente com câncer. Nessa fase a ansiedade requer intervenção terapêutica (Razavi, 1994). Outros transtornos específicos da ansiedade, tais como a Ansiedade Generalizada, a Fobia e o Transtorno do Pânico, podem ser comuns entre estes pacientes e costumam preceder o diagnóstico da doença.

O estresse causado por um diagnóstico de câncer e seu tratamento pode precipitar a recaída de um Transtorno de Ansiedade preexistente. Estes transtornos podem incapacitar e dificultar até o tratamento, motivo pelo qual requerem um diagnóstico imediato e um controle eficaz (Maguire, 1993).

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Alimentos ricos em açúcar podem piorar acne.




Nos últimos anos, estudos demonstraram que a real importância pode não ser o açúcar em si, mas o índice glicêmico do alimento, ou seja, a velocidade e a extensão na qual ele aumenta o nível de glicose no sangue. Alimentos com índices glicêmicos altos – e, portanto, capazes de elevar os níveis de glicose rapidamente – levam o corpo a liberar um fluxo de insulina e outros hormônios, que, segundo as suspeitas de alguns cientistas, são capazes de estimular a produção de óleo e inflamar a pele.

Para verificar a teoria, cientistas recrutaram 50 homens e garotos, com idades entre 15 e 25 anos, todos com acne, e acompanharam seu progresso durante doze semanas. Alguns participantes seguiram dietas ricas em alimentos hiperglicêmicos, como pão branco, cereais com açúcar e massa, enquanto outros receberam alimentos com mais proteína e escala glicêmica menor, como peixe, pão integral e frutas.

Ao final do estudo, publicado em 2007, os participantes do grupo da dieta hipoglicêmica tiveram uma redução muito maior nas lesões da pele e outros sintomas de acne em relação ao grupo-controle. Eles também demonstraram reduções nos níveis de andrógenos circulantes e livres, os hormônios masculinos conhecidos por causarem acne. Isso sugere que os hormônios desempenham, sim, um papel no processo. Outros estudos descobriram relações similares entre alimentos hiperglicêmicos e acne, apesar da afirmação dos cientistas de que é necessário realizar pesquisas mais profundas.

Conclusão: existem algumas evidências de que alimentos ricos em açúcar podem piorar a acne.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

TRANSTORNO ANSIOSO

Sendo a Ansiedade uma grande mobilizadora de distonias (desarmonias) do Sistema Nervoso Autônomo, a sintomatologia do Transtorno de Ansiedade é rica em elementos físicos e vegetativos (internos e autônomos). Portanto, neste tipo de transtorno encontramos não apenas uma sintomatologia psíquica mas, sobretudo, física.

Sobre a sintomatologia geral, recomenda-se a observância de pelo menos SEIS dos seguintes 18 sintomas, quando freqüentemente presentes:


01 - tremores ou sensação de fraqueza
02 - tensão ou dor muscular
03 - inquietação
04 - fadiga fácil
05 - falta de ar ou sensação de fôlego curto
06 - palpitações
07 - sudorese, mãos frias e úmidas
08 - boca seca
09 - vertigens e tonturas
10 - náuseas e diarréia
11 - rubor ou calafrios
12 - polaciúria (aumento de número de urinadas)
13 - bolo na garganta
14 - impaciência
15 - resposta exagerada à surpresa
16 - dificuldade de concentração ou memória prejudicada
17 - dificuldade em conciliar e manter o sono
18 - irritabilidade



Convém sublinhar que estes sintomas costumam estar relacionados à estresse ambiental crônico, têm um curso flutuante, variável e tendência à cronificação. Com certa freqüência a Ansiedade está associada à Depressão, à Fobia ou à outros sintomas emocionais mas, nestes casos, deverá ser incluída em outras classificações.

Dentro dos TRANSTORNOS DE ANSIEDADE, é classificada um tipo de Ansiedade paroxística episódica, diferente da Ansiedade Generalizada e denominado TRANSTORNO DO PÂNICO (mais adiante). Seria, neste caso, uma Crise Aguda de Ansiedade, com sintomatologia muito exuberante. Por tratar-se de um quadro comum e muito característico, preferimos considerá-lo numa classificação destacada.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

TOC

TOC é abreviação de transtorno obsessivo-compulsivo (quem não sabe? dããã!!).

Mais propriamente falando:

As características essenciais do Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) são obsessões ou compulsões recorrentes e suficientemente graves para consumirem tempo ou causar sofrimento acentuado à pessoa. Leigamente diz-se que a pessoa tem várias "manias" e que é esquisito ou estranho mas, normalmente, o portador de TOC sabe que suas "manias", obsessões ou compulsões são excessivas ou irracionais.

Obsessões são pensamentos ou idéias (p. ex. dúvidas), impulsos, imagens, cenas, que invadem a consciência de forma repetitiva, persistente e estereotipada seguidos ou não de rituais destinados a neutralizá-los. São experimentados como intrusivos, inapropriados ou estranhos pelo paciente em algum momento, ao longo do transtorno, causando ansiedade ou desconforto acentuados. A pessoa tenta resistir a eles, ignorá-los ou suprimi-los com ações ou com outros pensamentos, reconhecendo-os, no entanto, como produtos de sua mente e não como originados de fora. Não são simplesmente medos exagerados relacionados com problemas reais.

Compulsões são comportamentos repetitivos (p.ex.lavar as mãos, fazer verificações), ou atos mentais (rezar,contar, repetir palavras ou frases) que a pessoa é levada a executar em resposta a uma obsessão ou em virtude de regras que devem ser seguidas rigidamente. Os comportamentos ou atos mentais são destinados a prevenir ou reduzir o desconforto gerado pela obsessão, prevenir algum evento ou situação temidos e em geral não possuem uma conexão realística ou direta com o que pretendem evitar, ou são claramente excessivos.

Uma variedade de anormalidades biológicas têm sido associadas ao Transtorno Obsessivo-Compulsivo na tentativa de estudar-se as causas desse transtorno. Nascimentos traumáticos sugerindo papel importante de um sofrimento cerebral precoce comumente fazem parte da história de tais pacientes. Há também, por outro lado, uma concordância significativa entre a ocorrência de sintomas obsessivo-compulsivos e a epilepsia do lobo temporal, bem como o aumento de atividade metabólica no giro orbital esquerdo, constatado pela tomografia por emissão de pósitrons nos pacientes diagnosticados como Obsessivo-Compulsivo.

A Ciência deixa de lado, entretanto, as questões de cunho espiritual, como agente acusal do TOC, por julgar algo por demais imponderável para levar em consideração, ou ainda, por acreditar não haver seriedade nas subjetivas questões "toquianas", quando se reflete a respeito de "intromissões" do pensamento que impõem, através do medo, o culto a comportamentos equivocados e intensamente repetitivos, sem qualquer tipo de objetivo prático, exceto "proteger" algo ou alguém de uma perda ou agressão.

Recentemente as pesquisas genéticas têm apontado também para uma alteração cromossômica envolvida nessa questão. A observação de que em algumas alterações neurológicas, como por exemplo a epilepsia do lobo temporal, coréia de Sydenhan, Parkinson pós-encefalites, Síndrome de Giles de la Tourette, com muita freqüência ocorrem obsessões e compulsões, bem como os avanços na neurofarmacologia, através da boa resposta do TOC a antidepressivos inibidores da recaptação da serotonina, tem levado a se pesquisar cada vez mais as bases biológicas deste transtorno.

Certamente, um dia, a Ciência abrirá os olhos para as questões de ordem espiritual, pois irá perceber que o fundamento dos problemas orgânicos nascem das questões de causa-e-efeito na Vida Plena do Ser Espiritual que habita transitoriamente o corpo em uma de suas experiências na carne. Isto, levará a Ciência e ver o Ser Humano como alguém integral, inter-Vidas, que nasce e renasce com dificuldades inerentes ao seu comportamento, às suas aquisições de muitas experiências experimentadas não somente em um único momento como uma passagem, mas nas sucessõe de várias delas, em muitas reencarnações.

Numerosas pesquisas sugerem fortemente um envolvimento da serotonina, um neurotransmissor, na fisiologia do TOC. Esses estudos se baseiam nas respostas terapêuticas de 40 a 60% dos pacientes tratados com antidepressivos que proporcionam a recaptação de serotonina (5HT), tais como a Comipramina, a Fluoxetina, a Fluvoxamina, a Sertralina (veja em tratamentos e em farmacologia). Por outro lado, tricíclicos menos serotonérgicos, como a desipramina, são ineficazes.

Isto, que é hoje chamado de causa para o TOC, será chamado de efeito, pois não passa disso, já que é resultado do mapeamento genético implantado nas células germinativas, quando da fecundação, por conta da carga magnética, energética e espiritual do Ser reencarnante. Podemos ler sobre isto na Obra de André Luiz, psicografada por Francisco Cândido Xavier, de nome "Missionários da Luz".

A intromissão indesejável de um pensamento no campo da consciência de maneira insistente e repetitiva, reconhecido pelo indivíduo como um fenômeno incômodo e absurdo, é denominado de Pensamento Obsessivo. Portanto, para que seja Obsessão é necessário o aspecto involuntário das idéias, bem como, o reconhecimento de sua conotação ilógica pelo próprio paciente, ou seja, ele deve ter crítica sobre o aspecto irreal e absurdo desta idéia indesejável.

Como se pode crer que, simplificadamente, o cérebro seja o causador de uma série de pensamentos contrários aos pensamentos da pessoa portadora de uma patologia como esta, graças a reações neuro-químicas e intercâmbio neuronais? Como materializar questões tão simples, devidas a inteligências alheias ao doente, que impulsionam-no a tomar atitudes, a ter gestos opostos à sua vontade? Deverá ser possível, no futuro, que a Ciência reconheça que se trata de um ser a parte, que aborda o doente, contrangendo-o, por causa de uma desavença, de uma predisposição entre ambos, e reconhecendo a existência de Vida após a Vida, de Seres Espirituais desprovidos de corpo físico que se expressam "intra-mente", através das ondas mentais, para gerar o desequilíbrio manifesto pelo TOC.

As Obsessões estão tão enraizadas na consciência que não podem ser removidas simplesmente por um aconselhamento razoável, nem por livre decisão do paciente. Elas parecem ter existência emancipada da vontade e, por não comprometerem o juízo crítico, os pacientes têm a exata noção do absurdo de seu conteúdo mental.

Assim, a Ciência reconhece que há "algo" que interfere no livre arbítrio do paciente, mas não infere em abordar efetivamente a existência de seres invisíveis para seus olhos, materializando o evento, como sendo resultado de reações químicas cerebrais. Curioso...

Em maior ou menor grau, as Idéias Obsessivas ocorrem em todas as pessoas, notadamente quando crianças.

As idéias obsessivas podem aparecer, por exemplo, como uma musiqueta conhecida que "não sai da cabeça", ou a idéia de que pode haver um bicho debaixo da cama, ou que o gás pode estar aberto apesar da lógica sugerir estar fechado. Em crianças aparecem como um certo impedimento em pisar nos riscos da calçada, uma obrigatoriedade em contar as árvores da rua ou os carros que passam, etc. Estas idéias obrigatórias, quando exageradas e promovedoras de significativa ansiedade ou sofrimento, constituem quadro patológico.

A temática das Idéias Obsessivas pode ser extremamente variável, entretanto, em grande número de vezes diz respeito à higiene, contaminação, transmissão de doenças, bactérias, vírus, organização ou coisas assim.

É muito freqüente também a existência de Idéias Obsessivas sobre um eventual impulso suicida, como por exemplo saltar da janela de edifícios, ou em ser acometido subitamente por impulsos de agressão e ferir pessoas, principalmente os filhos.

Neste último caso a obsessão está justamente em acreditar que, diante de um mal estar súbito, a pessoa venha a perder o controle e executar, impulsivamente, aquilo que sugere tais idéias.

São muitos os exemplos de pessoas que adotam uma conduta excêntrica motivadas pela obsessão da contaminação ou pelo medo continuado de contágio diante de qualquer coisa que lhes pareça suspeita. Há ainda, casos de pessoas que se sentem extremamente desconfortáveis quando próximas de objetos pontiagudos, facas, foices, etc, devido a idéia indesejável de que podem, repentinamente e misteriosamente, perder o controle e matar uma pessoa querida.

Desta feita, a Obsessão é um processo mental que tem caráter forçado, uma idéia associada a um sentimento penoso que se apresenta ao espírito de modo repetido e incoercível. São idéias impostas ao psiquismo, incômodas e sentidas como involuntárias, as quais entram na mente contra uma resistência consciente.

E as Fobias? (Medos)

A similaridade entre Obsessões e Fobias foi observada já em 1878 por Westphal, criador do termo Fobias Obsessivas. Seriam medos que dominam a consciência, apesar da vontade do paciente que não consegue suprimi-los, embora reconheça-os como anormais.

Aliás , vê-se muito bem, nos exemplos práticos, o componente de medo que normalmente acompanha as idéias Obsessivas. A Obsessão de doença e contaminação pode ser entendida como uma Fobia de doença, uma ruminação mental sem fim em torno da possibilidade de sofrer qualquer tipo de doença.

Ainda que o fenômeno obsessivo seja distinto do fenômeno fóbico, é sempre bom ter em mente que ambos podem ser faces distintas de uma mesma moeda ou, o que mais provavelmente poderia ser, a fobia originando obsessão e vice-versa.

E o tratamento?

Há uma necessidade iminente de se dar melhores condições orgânicas para que o paciente possa estruturar melhor seus pensamentos e suas idéias. Os medicamentos habitualmente usados são aqueles citados anteriormente, como a Fluoxetina ou a Sertralina em suas variadas apresentações comerciais.

Entretanto, tenho observado, na prática clínica um resultado interessante, em alguns casos, quando prescrito um neuroléptico (os antipsicóticos ou neurolépticos são medicamentos inibidores das funções psicomotoras, como é o caso da excitação e da agitação. Paralelamente eles atenuam também os distúrbios neuropsíquicos ditos psicóticos, tais como os delírios e as alucinações. São substâncias químicas sintéticas, capazes de atuar seletivamente em células nervosas que regulam os processos no homem e a conduta em animais)que atua sobre o foco psicótico do quadro, por que, convenhamos, o comportamento do TOC é claramente psicótico - fuga da realidade. Mas não se pode prescindir dos tratamentos espiritual e psicoterápico, de modo algum, pois formam o tripé que poderá levar o indivíduo à melhora e, talvez, à cura.

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Três dietas diferentes

Dr. Atkins – dieta criada pelo médico americano que estimula o consumo de proteínas e gorduras, colocando os carboidratos como sendo verdadeiros vilões e afirmando que, sem açúcar, o organismo passa a queimar as gorduras acumuladas, não dá certo por conta de elevar os níveis de colesterol e riscos de males cardíacos. Além disso, por não estimular a ingestão de fibras, atrapalha o intestino e sobrecarrega os rins.

South Beach – criada por outro médico americano (sempre eles!), Arthur Agatson, é uma versão mais suave da do D. Atkins, recomendando carnes magras e azeite de oliva extravirgem. Mas a restrição de pães, frutas e derivados do leite é absoluta, no início, sendo liberada aos poucos mais adiante. Não dá certo por conta das características alimentares de cada povo, de cada país e por ser muito restritiva.

Tipo sangüíneo – criada pelo naturopata americano (viu?) Peter D’Adamo, sugere que cada tipo sangüíneo tem suas necessidades especiais de alimentos. Por exemplo, determinado tipo sangüíneo deveria priorizar carnes na alimentação. Não dá certo por conta de ser extremamente restritiva e gera abandono rapidamente. Além disso, não tem qualquer base científica: de onde ele tirou que tal tipo sangüíneo precisa de tal tipo de alimento? Sabe-se lá! É por causa da imaginação do autor…

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

'Lula tem sido conivente com a corrupção', diz Jarbas

 

Depois de atacar seu próprio partido, o senador peemedebista Jarbas Vasconcelos (PE) mirou o Planalto. Ele acusou hoje o presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ser conivente com a corrupção que, segundo ele, está impregnada em todos os partidos, "sobretudo no PMDB". "Não é de hoje que o PMDB tem sido corrupto. Mas o Lula tem sido conivente com a corrupção. Lula e o PT não inventaram a corrupção, mas ela tem sido a marca do governo dele. É o governo do toma-lá-dá-cá", disse.

Ao reforçar os ataques a seu partido, Jarbas afirmou que a corrupção aumentou no PMDB na última década. "O descaminho do PMDB é de dez anos para cá. O que tem motivado o gigantismo do PMDB é o fisiologismo", afirmou. Apesar de insistir nas denúncias, Jarbas se recusou a apontar nomes de peemedebistas que praticam atos de irregularidade. "Todo mundo sabe da corrupção do PMDB. Estou combatendo práticas, e não vou ficar puxando listas. Seria muito volumoso. Para que isso seja investigado deve haver uma pressão. Não sou eu quem vai comandar esse processo, eu apenas abri o debate dando o pontapé inicial", disse.

Jarbas procurou desvincular sua atitude com a eventual candidatura como vice-presidente na chapa do tucano José Serra (SP), governador de São Paulo, na eleição para o Planalto em 2010. "Meu candidato é Serra, mas não quero ser vice. Não tenho condições, mesmo porque não vou sair do PMDB", afirmou. Jarbas não acredita que o PMDB vá lançar candidato próprio à sucessão de Lula. "O PMDB é uma confederação de interesses regionais. Não tem uma liderança nacional para disputar, não tem um líder para empolgar o partido."

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Senador Jarbas Vasconcelos dá entrevista-bomba e diz que PMDB é corrupto

O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) deu uma entrevista-bomba para a revista Veja, na edição que está nas bancas, nas Páginas Amarelas, não qual não mede palavras. Ele disse com todas as letras que a maioria dos integrantes do seu partido só pensa em corrupção e que a eleição de José Sarney à presidência do Congresso é um retrocesso. Durante todo o final de semana o partido inteiro ficou quieto, absolutamente quieto, como se admitisse que são absolutamente verdadeiras as afirmações do senador Jarbas Vasconcelos.
Ele diz que o ambiente político brasileiro está anestesiado, e que o povo é incapaz de se revoltar com os políticos que usam o mandato preferencialmente para levar vantagens. Aos 66 anos, com 43 anos dedicados à política e ao PMDB, o senador Jarbas Vasconcelos se diz decepcionado e afirma que o Senado Federal “virou um teatro de mediocridades” e que seus colegas de partido só pensam em ocupar cargos no governo para fazer negócios e ganhar comissões. Ele começa pela eleição do senador José Sarney para a presidência do Senado Federal. Diz ele: “É um completo retrocesso. A eleição de Sarney foi um processo tortuoso e constrangedor. Havia um candidato, Tião Viana, que, embora petista, estava comprometido em recuperar a imagem do Senado. De repente, Sarney apareceu como candidato, sem nenhum compromisso ético, sem nenhuma preocupação com o Senado, e se elegeu. A moralização e a renovação são incompatíveis com a figura do senador”. O fato de José Sarney ter sido eleito pela maioria dos senadores, conforme Jarbas Vasconcelos, apenas reflete “o que pensa a maioria dos colegas de Parlamento”. Jarbas Vasconcelos se diz muito decepcionado com o Senado Federal: “Às vezes eu me pergunto o que vim fazer aqui. Cheguei em 2007 pensando em dar uma contribuição modesta, mas positiva, e imediatamente me frustrei. Logo no início do mandato, já estourou o escândalo do Renan Calheiros. Eu me coloquei na linha de frente pelo seu afastamento porque não concordava com a maneira como ele utilizava o cargo de presidente para se defender das acusações. Desde então, não posso fazer nada, porque sou um dissidente no meu partido. O nível dos debates aqui é inversamente proporcional à preocupação com benesses. É frustrante”. Jarbas Vasconcelos não hesita em desancar o novo líder do PMDB no Senado Federal, justamente Renan Calheiros: “Ele não tem nenhuma condição moral ou política para ser senador, quanto mais para liderar qualquer partido. Renan é o maior beneficiário desse quadro político de mediocridade em que os escândalos não incomodam mais e acabam se incorporando à paisagem”. E não vacila também em desancar seu próprio partido: “Eu entrei no MDB para combater a ditadura, o partido era o conduto de todo o inconformismo nacional. Quando surgiu o pluripartidarismo, o MDB foi perdendo sua grandeza. Hoje, o PMDB é um partido sem bandeiras, sem propostas, sem um norte. É uma confederação de líderes regionais, cada um com seu interesse, sendo que mais de 90% deles praticam o clientelismo, de olho principalmente nos cargos. E querem os cargos para fazer negócios, ganhar comissões. A maioria dos peemedebistas se especializou nessas coisas pelas quais os governos são denunciados, manipulação de licitações, contratações dirigidas, corrupção em geral. A corrupção está impregnada em todos os partidos. Boa parte do PMDB quer mesmo é corrupção”. Jarbas Vasconcelos é mortal em sua crítica ao PMDB: “De 1994 para cá, o partido resolveu adotar a estratégia pragmática de usufruir dos governos sem vencer eleição. Daqui a dois anos o PMDB será ocupante do Palácio do Planalto, com José Serra ou com Dilma Rousseff. Não terá aquele gabinete presidencial pomposo no 3º andar, mas terá vários gabinetes ao lado”. Entretanto, ele diz que não sairá do PMDB porque não teria para onde ir: “Se eu sair daqui irei para onde? É melhor ficar como dissidente, lutando por uma reforma política para fazer um partido novo, ao lado das poucas pessoas sérias que ainda existem hoje na política”. E prognostica: “O PMDB vai se dividir. A parte majoritária ficará com o governo, já que está mamando e não é possível agora uma traição total. E uma parte minoritária, mas significativa, irá para a candidatura de Serra. O partido se tornará livre para ser governo ao lado do candidato vencedor”. Ele diz que José Serra porque viu quem é Lula: “Quando Lula foi eleito em 2002, eu vim a Brasília para defender que o PMDB apoiasse o governo, mas sem cargos nem benesses. Era essencial o apoio a Lula, pois ele havia se comprometido com a sociedade a promover reformas e governar com ética. Com o desenrolar do primeiro mandato, diante dos sucessivos escândalos, percebi que Lula não tinha nenhum compromisso com reformas ou com ética. Também não fez reforma tributária, não completou a reforma da Previdência nem a reforma trabalhista. Então eu acho que já foram seis anos perdidos. O mundo passou por uma fase áurea, de bonança, de desenvolvimento, e Lula não conseguiu tirar proveito disso”. E é candente na crítica aos governos lulistas: “O grande mérito de Lula foi não ter mexido na economia. Mas foi só. O País não tem infraestrutura, as estradas são ruins, os aeroportos acanhados, os portos estão estrangulados, o setor elétrico vem se arrastando. A política externa do governo é outra piada de mau gosto. Um governo que deixou a ética de lado, que não fez as reformas nem fez nada pela infraestrutura, agora tem como bandeira o PAC, que é um amontoado de projetos velhos reunidos em um pacote eleitoreiro. É um governo medíocre. E o mais grave é que essa mediocridade contamina vários setores do país. Não é à toa que o Senado e a Câmara estão piores. Lula não é o único responsável, mas é óbvio que a mediocridade do governo dele leva a isso”. Jarbas Vasconcelos critica o assistencialismo do governo Lula e diz, com todas as letras: “O Bolsa Família é o maior programa oficial de compra de votos do mundo. Há um benefício imediato e uma consequência futura nefasta, pois o programa não tem compromisso com a educação, com a qualificação, com a formação de quadros para o trabalho. Em algumas regiões de Pernambuco, como a Zona da Mata e o agreste, já há uma grande carência de mão-de-obra. Famílias com dois ou três beneficiados pelo programa deixam o trabalho de lado, preferem viver de assistencialismo. Há um restaurante que eu frequento há mais de 30 anos no bairro de Brasília Teimosa, no Recife. Na semana passada cheguei lá e não encontrei o garçom que sempre me atendeu. Perguntei ao gerente e descobri que ele conseguiu uma bolsa para ele e outra para o filho e desistiu de trabalhar. Esse é um retrato do Bolsa Família”. Jarbas Vasconcelos vai mais longe: “Há uma mediocrização geral de toda a classe política. A classe política hoje é totalmente medíocre. E não é só em Brasília. Prefeitos, vereadores, deputados estaduais também fazem o mais fácil, apelam para o clientelismo. Na política brasileira de hoje, em vez de se construir uma estrada, apela-se para o atalho. É mais fácil”.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

“Nanomáquina” pode reprogramar células doentes

Cientistas israelenses trabalham em uma pesquisa para reprogramar células doentes e deixá-las saudáveis.
Os cientistas, pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, desenvolveram nanopartículas de material biológico carregando medicamento que, uma vez colocadas na corrente sanguínea, operam com uma espécie de GPS e dirigem-se diretamente a células doentes, o chamado sistema de "drug delivery". A principal vantagem seria para doenças como o câncer, por exemplo, uma vez que o remédio age localmente, diminuem os efeitos colaterais e evita a destruição de células saudáveis. Os cientistas israelenses estão agora dando um novo passo que é desenvolver medicamentos com base em RNAi interferente, capaz de reprogramar uma célula doente e fazê-la voltar ao normal. Isso seria efetivo para doenças não só como o câncer, mas também inflamações e até problemas neurodegenerativos. A previsão de chegada ao mercado de um sofisticado tratamento como esse é de cinco anos.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Passageiros infantis sentados no banco traseiro

 

Pesquisadores publicaram, recentemente, no Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine, um estudo em que investigaram a associação entre o uso de restrições e óbito em passageiros infantis sentados no banco traseiro e para avaliar se a associação estimada varia com o tipo de restrição e com a idade.

Foi realizado um estudo de coorte pareado, que incluiu todos os passageiros de veículos batidos com, pelo menos, dois passageiros infantis no banco traseiro, dos quais um faleceu, identificados através do Sistema de Relato de Análises de Fatalidades dos Estados Unidos, de 1998 a 2006.

Foram incluídos, nesse estudo, passageiros infantis de dois a seis anos de idade, sentados no banco traseiro. Três modelos de restrição foram avaliados: (1) sem uso de qualquer tipo de restrição; (2) sem uso de restrição, ou uso impróprio de restrição registrado (incluindo uso impróprio de cintos de segurança ou restrições para crianças, uso apenas de cintos de segurança nos ombros, e uso de um tipo desconhecido de restrição), ou qualquer outro uso de restrição; e (3) sem uso de restrição, uso impróprio de restrição, cintos de segurança ou restrições infantis.

O principal desfecho analisado foi o óbito em até 30 dias após o acidente.

Os pesquisadores concluíram que o estudo demonstra os efeitos protetores de restrições para passageiros infantis e destaca a importância de se utilizar restrições corretamente.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Câncer de Pele

O câncer da pele é um tumor formado por células da pele que sofreram uma transformação e multiplicam-se de maneira desordenada e anormal dando origem a um novo tecido (neoplasia). Entre as causas que predispõem ao início desta transformação celular aparece como principal agente a exposição prolongada e repetida à radiação ultra-violeta do sol.

O câncer da pele atinge principalmente as pessoas de pele branca, que se queimam com facilidade e nunca se bronzeiam ou se bronzeiam com dificuldade. Cerca de 90% das lesões localizam-se nas áreas da pele que ficam expostas ao sol, o que mostra a importância da exposição solar para o surgimento do tumor. A proteção solar é, portanto, a principal forma de prevenção da doença.

A exposição prolongada e repetida da pele ao sol causa o envelhecimento cutâneo além de predispor a pele ao surgimento do câncer. Tomando-se certos cuidados, os efeitos danosos do sol podem ser atenuados. Aprenda a seguir como proteger sua pele da radiação solar.

  • use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar ou transpiração excessiva. (saiba mais sobre filtros solares e FPS)
  • use chapéus e barracas grossas, que bloqueiem ao máximo a passagem do sol. Mesmo assim use o filtro solar pois parte da radiação ultra-violeta reflete-se na areia atingindo a sua pele.
  • evite o sol no período entre 10 e 15 horas.
  • a grande maioria dos cânceres de pele localizam-se na face, proteja-a sempre. Não esqueça de proteger os lábios e orelhas, locais comumente afetados pela doença.
  • procure um dermatologista se existem manchas na sua pele que estão se modificando, formam "cascas" na superfície, sangram com facilidade, feridas que não cicatrizam ou lesões de crescimento progressivo.
  • faça uma visita anual ao dermatologista para avaliação de sua pele e tratamento de eventuais lesões pré-cancerosas.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Hiperidrose

A hiperidrose é a produção excessiva de suor pelas glândulas sudoríparas. Entre suas causas estão os estímulos emocionais (hiperidrose emocional) ou uma maior sensibilidade dos centros reguladores de temperatura, pois a sudorese está diretamente ligada ao controle da temperatura corporal. Além disso, algumas doenças metabólicas ou lesões neurológicas também podem dar origem ao quadro.

As áreas mais atingidas são as axilas, palmas das mãos, plantas dos pés, região inguinal e perineal, com grande eliminação de suor, que não tem cheiro desagradável.
Na hiperidrose emocional, a sudorese aumenta em situações de desconforto ou tensão emocional, sendo as palmas das mãos e plantas dos pés os locais mais frequentemente atingidos. O incômodo causado pela sudorese excessiva pode trazer ainda mais tensão ao paciente, piorando seu quadro e trazendo dificuldades de relacionamento ou, até mesmo, profissionais.
Na fase escolar, crianças acometidas podem ter sérios problemas para fazer provas, pois o suor das mãos embebe o papel, impedindo a escrita.
Quando a sudorese excessiva surge durante exercício físico ou devido ao calor, a hiperidrose costuma ser generalizada e não tem relação com situações de stress emocional.

O tratamento é feito com medicações de uso local que visam diminuir a secreção sudorípara ou através da utilização de aparelhos para iontoforese. Medicações via oral podem interferir no funcionamento cardio-vascular, e seu uso exige cuidados específicos. Nos casos de hiperidrose emocional, o apoio psicológico pode ajudar bastante, sendo, em algumas situações graves, indicado o uso de tranquilizantes.

A toxina botulínica surge como uma boa opção terapêutica, interrompendo a secreção sudoral na área tratada por períodos que variam entre 6 a 8 meses. Casos graves de hiperidrose axilar podem ser tratados cirurgicamente, com a remoção das glândulas sudoríparas ou através da simpatectomia, quando os nervos responsáveis pelo estímulo à sudorese são cortados.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Algumas das Leis de Murphy

Se alguma coisa pode dar errado, dará. E mais, dará errado da pior
maneira, no pior momento e de modo que cause o maior dano possível.

Um atalho é sempre a distância mais longa entre dois pontos

Nada é tão fácil quanto parece, nem tão difícil quanto a explicação do manual.

Tudo leva mais tempo do que todo o tempo que você tem disponível.

Se há possibilidade de várias coisas darem errado, todas darão - ou a que causar mais prejuízo.

Se você perceber que uma coisa pode dar errada de 4 maneiras e conseguir driblá-las, uma quinta surgirá do nada.

Seja qual for o resultado, haverá sempre alguém para:
a) interpretá-lo mal. b) falsificá-lo. c) dizer que já o tinha previsto em seu último relatório.

Quando um trabalho é mal feito, qualquer tentativa de melhorá-lo piora.

Acontecimentos infelizes sempre ocorrem em série.

Toda vez que se menciona alguma coisa: se é bom, acaba; se é ruim, acontece.

 

 

Na próxima vez, eu publico mais algumas destas interessantes observações.

Dr. Carlos