Translate

Total de visualizações de página

sábado, 29 de novembro de 2008

Medicamentos podem alterar a saúde da boca?

Sim, os medicamentos podem apresentar efeitos colaterais na boca, dos quais a "boca seca" é o efeito colateral mais comum. Não deixe de informar seu dentista sobre os medicamentos que você está usando, mesmo aqueles que comprou sem receita médica.

Os seguintes medicamentos podem causar o ressecamento da boca:

Anti-histamínicos (Antialérgicos);

Descongestionantes;

Analgésicos;

Diuréticos;

Medicamentos para pressão alta;

Antidepressivos.


Outros medicamentos podem causar inflamações, ulcerações, dormência,
formigamento, distúrbios de movimento, alterações do paladar e, durante a escovação ou do uso do fio dental, sangramento excessivo da gengiva. Se perceber quaisquer desses sintomas, consulte seu dentista ou médico.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Piscinas...

Uma das maneiras mais agradáveis de fugir do calor é mergulhar em uma piscina. No entanto, por detrás do lazer e da diversão estão alguns inimigos da sua pele. É preciso ficar atento para não contrair doenças, como as micoses, enquanto você se refresca.

Os principais problemas de pele que podem ser adquiridos nas piscinas são as micoses e o impetigo - infecção provocada por bactérias que é transmitida por meio do contato físico.

As micoses mais comuns surgem na região da virilha (principalmente em homens), entre os dedos e ainda como manchas brancas na região do tronco.

E o perigo não se restringe à piscina. O lugar onde as pessoas lavam os pés, duchas e os sanitários apresentam maior risco. Para diminuir o contágio, essas áreas devem ser limpas freqüentemente com água sanitária.

É preciso proteger seu corpo e isso pode ser feito até mesmo com uma toalha. Deve-se evitar o contato da pele direto com superfícies úmidas, nas quais outras pessoas também estiveram em contato, como os pisos ao redor das piscinas, bancadas de saunas, etc.

Outro item essencial para sua proteção é o chinelo. Sempre esteja com os pés calçados quando for tomar banho nos vestiários.

A forma mais eficaz de evitar complicações com a pele, segundo Samira, é a conscientização da população. Se uma pessoa possui micoses, ela não deve ir à piscina e precisa procurar ajuda médica.

Os clubes também têm uma grande responsabilidade. Esses centros de lazer devem ter cuidados especiais com a higienização dos espaços de uso comum, além de oferecer um serviço de exame médico eficiente.

Doenças como micoses podem ser detectadas pelo médico, desde que o exame seja bem feito.

E atenção, o cloro também pode fazer mal. Ele causa o ressecamento da pele e pode desencadear alergias em pessoas sensíveis. Se o problema for só a pele seca, o importante é usar hidratantes logo após o banho. Beber muito líquido também ajuda.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Debaixo das unhas

Nossa pele é normalmente composta por uma flora de bactérias e fungos. Sob as unha, há um verdadeiro universo de micróbios.

As bactérias encontradas embaixo da unha vivem na pele podendo causar algum distúrbio ao organismo. Os tipos mais freqüentes de serem encontrados são o estafilococos, estreptococos e os pseudômonas. Já a levedura (fungo, bolor) mais freqüente é a cândida.

É importante lembrar que essas bactérias e leveduras podem ser transmitidas para outras pessoas bem como para outras partes do corpo. Ferimentos abertos ou locais de resistência menor, como as superfícies mucosas, são áreas com maior risco de contaminação.

As doenças mais fáceis de serem encontradas nas unhas são as infecciosas. Alguns fungos e leveduras causam doenças que levam ao espessamento, alteração de coloração e descolamento das unhas.

Outra doença que pode aparecer debaixo da unha é a verruga, causada pelo vírus HPV.

Muitas vezes essa doença leva a deformação e descolamento, que podem ser confundidos com micoses e tumores.

Manchas escuras, pretas e acastanhadas podem não ser apenas sujeira ou resíduos, mas sim uma alteração racial ou mesmo um tumor maligno, chamado melanoma.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Cientista russo sugere mecanismo contra envelhecimento!

O bioquímico russo Mikhail Shchepinov acredita ter achado a fórmula para lutar contra os radicais livres que, segundo alguns cientistas, causam o envelhecimento: utilizar um isótopo de hidrogênio mais pesado.

Em artigo publicado pela revista britânica "New Scientist", ele afirma que presença desse isótopo, denominado deutério, no corpo humano contribuiria para frear a ação dos radicais livres e propõe incorporá-lo à dieta para este fim.

A hipótese mais aceita pela comunidade científica sobre o envelhecimento é de que ele resulta de um dano irreversível das biomoléculas do corpo, causado por radicais livres de oxigênio.

Estes radicais são compostos químicos produzidos pelo metabolismo e são perigosos porque têm um "apetite voraz" pelos elétrons, que rouba a água, as proteínas, as gorduras e inclusive as moléculas de DNA, deixando um rastro de destruição em seu caminho.

O corpo humano produz centenas de antioxidantes, incluindo vitaminas e enzimas que desativam os radicais livres antes que estes causem qualquer dano, mas esses sistemas de defesa acabam falhando, também vítimas de ataques oxidantes.

Shchepinov propõe uma luta contra os radicais livres baseada no "efeito isótopo": a presença de isótopos pesados em uma molécula pode desacelerar as reações químicas porque formam ligações químicas mais fortes.

As ligações com o isótopo deutério, que tem o dobro do peso do hidrogênio mais comum e mais estável, são oitenta vezes mais fortes do que o habitual.

Portanto, argumenta o bioquímico, sua presença nas biomoléculas as tornaria mais resistentes aos ataques dos radicais livres do oxigênio.

A partir dessa teoria, o russo planeja criar alimentos ricos em aminoácidos que contenham este elemento de modo que ele se incorpore naturalmente ao organismo, assim como comercializar água na qual a molécula de oxigênio tenha se aliado ao deutério.

Antes, porém, ele precisará provar que sua ingestão é totalmente segura e que seus efeitos são eficientes em frear os ataques oxidantes dos radicais livres.

Além disso, atualmente é muito caro produzir o deutério: um litro de água que o contenha custa em torno de US$ 300 (ou cerca de 232 euros).

Finalmente, como lembram alguns cientistas, não é seguro que os radicais livres sejam a única causa do envelhecimento.

A idéia de Shchepinov atraiu cientistas de diversas instituições, como o Instituto de Química Orgânica de Moscou e o Instituto de Biologia do Envelhecimento de Moscou, na Rússia; a Universidade do Estado de Minsk, em Belarus; e o Einstein College of Medicine de Nova York e a Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Médicos tratam problema raro em cérebro de bebê com 'supercola'.

Bebê de 17 meses com malformação da veia de Galeno foi tratada nos EUA.

Médicos americanos usaram uma espécie de "supercola" para reparar um dano raro em um bebê britânico, noticiaram nesta sexta-feira os jornais britânicos.

A criança Ella-Grace Honeyman, de 17 meses, nasceu com malformação da veia de Galeno, que provoca pequenos buracos nas principais vias sangüíneas do cérebro e afeta apenas centenas de bebês por ano em todo o mundo.

O problema é grave, e os médicos previram que Ella-Grace só viveria poucos meses. Segundo o jornal britânico The Times, a família da criança, da cidade inglesa de Norfolk, arrecadou mais de US$ 300 mil para um tratamento especial nos Estados Unidos e na França.

Ella-Grace foi submetida a mais de uma cirurgia para corrigir o problema.

Ela começou a ser tratada na França, mas o cirurgião que fez a primeira operação morreu, e a família teve de continuar o tratamento em Nova York.

Os médicos do hospital St. Luke's-Roosevelt inseriram um tubo controlado remotamente com uma substância adesiva orgânica. Ao chegar nas veias danificadas, o tubo liberou a "supercola" nos buracos das veias.

Ela ainda precisará ser submetida a outras cirurgias no próximo ano para reparar outros buracos nas veias.

fonte: BBC

sábado, 22 de novembro de 2008

Caminhar: muito necessário, mas com cuidados.

Para sua caminhada:

1) Evitar passos largos
Passos largos não são recomendados. Há o perigo de cair, além do risco de torções. Se alguém quiser andar mais rápido, deve dar passadas curtas, com um intervalo de tempo menor.

2) Cuidado com a forma de pisar no chão
Deve-se evitar pisar com a ponta do pé ou "marretar" o chão, dando pisadas muito fortes. O correto é primeiro aterrissar o pé no solo com o calcanhar, rotar e aterrissar a planta do pé.

3) Postura errada é prejudicial
A postura é outro detalhe muito importante que deve ser levado em consideração. É preciso caminhar como se estivesse olhando a 20m à frente, com a cabeça na altura dos ombros, contraindo o abdome e alternando entre os pés e os braços. Quando o pé direito vai à frente, o braço esquerdo vai também e vice-versa.

4) Não caminhar com pesos
Se a intenção é definir as pernas, caminhar com peso não é a saída. Outras opções como musculação devem ser consultadas. Caminhar com pesos pode lesionar a coluna, causando dores nas costas.

5) Atenção ao tipo de calçado
Se o calçado não for apropriado, ele não amortecerá bem o chão e, dessa forma, podem ocorrer dores nas costas e na canela. O tênis é ainda a melhor saída, mas se for apertado, por exemplo, pode contribuir para o aparecimento de bolhas nos pés. A meia também precisa ser corretamente escolhida. A melhor opção são meias que evitam o deslizamento dos pés dentro do tênis, como aquelas que têm solado antiaderente.

6) Hidratar-se é fundamental
É preciso beber água antes, durante e depois da caminhada. A hidratação é muito importante para evitar o aparecimento de câimbras. Mas, até mesmo para beber água existe uma forma correta: pequenos goles, para não distender o estômago e causar enjôos.

7) Atenção com a alimentação
Caminhar em jejum pode ser algo muito arriscado. A pessoa pode sentir tonturas e até mesmo desmaiar. Deve-se fazer refeições leves, como uma boa fruta, fibras ou derivados de leite.

8) Nada de hiper-treinamento
A caminhada deve ser feita de forma gradual. Não se pode querer de um dia para o outro andar grandes distâncias e muitas vezes por semana. Isso além de causar dores musculares pode ser um fator inconsciente de surgimento de estresse. O ideal é começar com 30 minutos, três vezes por semana, em terreno plano.

9) Não esquecer o alongamento
O alongamento ajuda na agilidade, facilitando a caminhada. Deve-se aquecer os músculos antes e depois da caminhada.

10) Horário ideal
Caminhadas pela manhã são excelentes para estimular e preparar o organismo para o dia todo. Mas nada contra quem quiser dormir até um pouco mais tarde e praticar exercícios só no final do dia. Os melhores horários são entre 9h e 11h, por causa dos raios solares e depois das 16h. E sempre passar o protetor solar. Caminhar à noite também é uma opção para quem fica fora o dia todo, mas para isso é necessário escolher lugares bem iluminados e tomar cuidado com a segurança.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Depressão pode ser diagnosticada com exame de sangue (?)

Um estudo realizado na Itália e coordenado pelo médico Massimo Cocchi, professor da Universidade de Bolonha e presidente da ARNA (Associação italiana de Pesquisadores em Nutrição e Alimentos) sugere que é possível diagnosticar a depressão a partir de um exame de sangue simples e barato.

Cocchi relata que a análise clínica é feita a partir das plaquetas, consideradas "embaixadoras" dos neurônios: os lipídios presentes nessa parte do sangue espelhariam o que existe nas células cerebrais, indicando a presença da depressão.

"A comunicação entre as células é gerenciada por neurotransmissores; a recepção das mensagens ocorre através das membranas celulares, que estão ligadas à estabilidade do humor. Se as células perdem uma das suas principais características, a fluidez, esse equilíbrio se desfaz e podemos ser levados aos altos e baixos emocionais ou à síndrome depressiva", afirma o médico.

As investigações do italiano revelaram que o ácido graxo envolvido nessa estabilidade é o araquidônico (AA), ácido graxo essencial, da família do Ômega 6. Dependendo dos seus diferentes níveis, é possível estabelecer se um indivíduo é são ou se está deprimido. "O excesso de AA é um fortíssimo indício do estado depressivo do paciente, podendo indicar até a possibilidade de suicídio", alerta.

Ele acrescenta que a descoberta esclarece a relação existente entre depressão e doenças cardiovasculares (arteriosclerose, infarto ou cardiopatias), pois o AA favorece os processos inflamatórios que desencadeam essas enfermidades.

Mas está tudo, ainda, em fase "embrionária", isto é, em fase inicial de pesquisa. Vamos ver o que vai dar no futuro...

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Compulsão por comida pode ser forma de preencher vazio

Ao sentir um vazio do qual não é identificada a causa, a busca pode ser através da comida, mas como esse vazio na verdade não é de comida, mas geralmente a necessidade é de amor, o vazio permanece e a busca pela comida aumenta cada vez mais. Surge então a doença. Mas com qual finalidade? Para nos mostrar que algo não esta bem dentro de nós, mas que infelizmente muitas pessoas acreditam no contrário. Ou seja, acreditam que a causa de sua infelicidade seja o excesso de peso, não aceitando que o excesso de peso é só um sinal de algum outro conflito, talvez um pouco mais profundo e difícil de ser identificado, mas não impossível.

Como nossa mente é muita sábia, está sempre em busca de um equilíbrio, e essa busca pode ser através da compensação. É como se nosso inconsciente pensasse assim: “se não consigo preencher esse vazio com nada, buscarei preencher com comida”. Mas por que comida? Não é só com comida, outras pessoas buscam preencher com drogas, álcool; outras com dinheiro, poder, trabalho, cada um tem sua própria “fórmula”, muitas vezes secreta para si mesma.

É quando adoecemos como sinal de que devemos olhar profundamente para dentro de nós mesmos para encontrar a resposta que tanto buscamos.

Na ânsia por uma fórmula mágica, começa a busca por remédios, spas, qualquer coisa que faça acreditar que ainda é possível emagrecer. Mas ainda assim, fazendo de tudo, não consegue, e soma-se mais frustração. Para diminuir essa frustração, come-se mais um pouco.

Percebe como se torna rapidamente uma bola de neve sem fim? Isso acontece quando se busca resolver por meio externos o que deve ser resolvido dentro de si. Claro que nem sempre é fácil identificar e reconhecer as possíveis causas para o desenvolvimento da doença. Requer uma análise profunda do histórico de vida, que pode ser feito com o auxílio de um profissional, geralmente um psicólogo

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Caminhada pode ajudar a conter vício por chocolate

Um novo estudo da Universidade de Exeter, no Reino Unido, traz esperança para aqueles que querem controlar seu desejo excessivo por chocolates. Segundo os especialistas, a prática de caminhadas pode reduzir essa fissura por chocolates, ajudando a emagrecer.

No estudo, foram avaliadas 25 pessoas que se descreviam como “comedores regulares de chocolate” – que consumiam pelo menos duas barras de 50 gramas por dia. Deixando-os três dias sem comer chocolate, os pesquisadores notaram que essa abstinência do doce, aliado ao estresse, fez com que a exposição ao chocolate iniciasse a fissura pelo alimento.

Porém, ao realizar uma caminhada de 15 minutos na esteira, houve uma redução significativa no desejo pelo chocolate, além de amenizar o aumento da pressão sangüínea no momento em que seguravam uma barra do doce.

Síndrome Metabólica: resumo.

Os carboidratos são a fonte de açúcar da nossa alimentação – nossa maior fonte de energias. As substâncias que acompanham esses açúcares determinam seus efeitos no metabolismo. Quando sozinhos, como num refrigerante, eles são prejudiciais. Se forem provenientes de alimentos saudáveis, como o feijão, estarão junto a fibras, vitaminas, minerais e fitonutrientes.

Nesse caso, seus efeitos são benéficos e nos ajudam a emagrecer e a não engordar mais. Ingerido sozinho, o açúcar é prejudicial porque entra depressa na corrente sangüínea, iniciando uma cascata perigosa de moléculas que causam fome e aumento de peso. Por outro lado, quando está em boa companhia, ele ingressa na corrente sangüínea mais devagar, estabilizando o metabolismo.

Sempre que ingerimos açúcar, o pâncreas produz insulina. Sua função é ajudar o açúcar a chegar à célula. Quando ele as alcança, pode ser transformado em energia pelas mitocôndrias (organela intra-celular responsável pela produção de energia). O objetivo da insulina é auxiliar a usar o açúcar que ingerimos e, se ingerido em excesso, armazená-lo para uso futuro.

Consumindo pouco açúcar, o organismo produz insulina na quantidade certa para metabolizá-lo. No entanto, se houver muito açúcar na alimentação, podem acontecer problemas.

Com o passar do tempo pode acontecer resistência aos efeitos desse hormêonio e, assim, precisar de uma quantidade cada vez maior dele para fazer o mesmo trabalho. Essa é uma situação que causa graves conseqüêncais para a saúde e impacto direto na fome.

Quando há mais insulina do que açúcar no sangue, o organismo pede que a pessoa coma mais açúcar, para tentar alcançar algum equilíbrio. Mas a ingestão de açúcar faz com que o nível de insulina aumente ainda mais, o que intensifica a vontade de consumir esse alimento e, assim, o círculo vicioso se mantém. Enquanto isso, todo o excesso de açúcar está sendo armazenado na forma de gordura, reduzindo a taxa de metabolismo e provocando doenças.

Este é o estado conhecido como Síndrome Metabólica, Síndrome de Resistência à Insulina ou Síndrome X.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Fobia Social (Ansiedade Social)



A fobia social é a intensa ansiedade gerada quando o paciente é submetido à avaliação de outras pessoas. Essa ansiedade ainda que generalizada não se estende a todas as funções que uma pessoa possa desempenhar. Na maioria das vezes concentra-se sob tarefas ou circunstâncias bem definidas. É natural sentir-se acanhado quando se é observado: esse desconforto até certo ponto é normal e aceitável, muitas vezes vantajoso. Passamos a considerar esta vergonha ou timidez como patológicas a partir do momento em que a pessoa sofre algum prejuízo pessoal por causa dela, como deixar de concluir um curso ou uma faculdade por causa de um exame final que exige uma apresentação pública ou diante de um avaliador(es).

Para fazer o diagnóstico é necessário que a pessoa com fobia social apresente uma forte sensação de ansiedade ou desconforto sempre que exposta a determinadas circunstâncias. A ocorrência eventual para as mesmas situações como, por exemplo, escrever sendo observado exclui o diagnóstico de fobia social.O fóbico social sente-se muito incomodado todas as vezes que alguém o observa escrevendo. A intensidade desta reação de ansiedade é desproporcional ao nervosismo que esta situação exigiria das pessoas em geral, e isso é reconhecido pelo paciente. No momento em que a pessoa é exposta a situação fóbica, a crise de ansiedade é de tal forma intensa que parece uma crise de pânico. Por causa de todo o desconforto envolvido nessa situação a pessoa passa a apresentar um comportamento de evitação para estas situações. Casos específicos devem ser analisados individualmente, como, por exemplo, uma pessoa que tenha uma doença que deixe suas mãos com aspecto desagradável, poderá sentir-se mal ao ser observada quando assina um cheque, não por causa de uma possível fobia social, mas por causa do temor em que sua doença cause repulso em quem o observa.

Os limites entre a timidez normal e a patológica são muito tênues para quem não é especialista no assunto. Mesmo para o próprio paciente com fobia social não é fácil acreditar que sofra de um transtorno psiquiátrico. Somente a difusão popular do quadro típico da fobia social na sociedade é capaz de levar os pacientes com fobia social ao psiquiatra, o que de fato vem acontecendo cada vez mais.
O uso de bebida alcoólica é freqüente e um bom indicativo de que o paciente pode responder bem à medicação. Há o perigo do desenvolvimento de alcoolismo, o que pode ser revertido com o tratamento adequado da fobia social. O alcoolismo surge mais como uma tentativa equivocada de automedicação.
Nas relações conjugais observa-se que quando o tratamento é iniciado após o casamento, podem surgir conflitos conjugais. Isso acontece porque o cônjuge saudável estava acostumado à dominação e o fóbico à submissão Quando o tratamento permite que a submissão se desfaça surgem naturalmente os conflitos, que podem ser superados com a cooperação e compreensão do cônjuge saudável. Pode ser necessária a complementação do tratamento da fobia social com uma psicoterapia de casais para superar essa fase.
Por fim um acontecimento comum principalmente no tratamento medicamentoso, que proporciona uma supressão mais rápida dos sintomas, é o surgimento de um comportamento hostil nos primeiros meses de tratamento, por parte do paciente. Isto se dá provavelmente devido a uma auto-afirmação que o paciente passa a adotar. Antes do tratamento, como todo fóbico social, os pacientes se submetiam a coisas com as quais não concordavam, mas o faziam por não resistirem à pressão. Com o tratamento o paciente aprende a dizer não, inicialmente com certa dose de agressividade, depois mais amadurecidamente. Geralmente este comportamento faz a família crer que o parente em tratamento piorou e se queixa ao médico disto. Estas brigas, agressões e hostilidades incomuns numa pessoa antes tão dócil são um sinal de eficácia do tratamento e essa fase de litígios é transitória não se recomendando a interrupção do tratamento por causa dela. Após três ou quatro meses o comportamento volta ao normal sem que o paciente volte a ficar fóbico novamente. Caso as brigas se prolonguem demais será necessária uma nova avaliação feita por psiquiatra.

Não há sintomas típicos de fobia social; como qualquer transtorno de ansiedade os sintomas são aqueles típicos de qualquer manifestação de ansiedade. O que caracteriza a fobia social particularmente é o desencadeamento dos sintomas sempre que a pessoa é submetida à observação externa enquanto executa uma atividade. Observa-se dentre os fóbicos tremores, sudorese, sensação de bolo na garganta, dificuldade para falar, mal estar abdominal, diarréia, tonteiras, falta de ar, vontade de sair do local onde se encontra o quanto antes. A preocupação por antecipação com as situações onde estará sob apreciação alheia, desperta a ansiedade antecipatória, fazendo com que o paciente fique vários dias antes de uma apresentação sofrendo ao imaginar-se na situação.

Escrever ou assinar em público
Falar em público
Dirigir, estacionar um carro enquanto é observado
Cantar ou tocar um instrumento musical
Comer ou beber
Ser fotografado ou filmado
Usar mictórios públicos (mais para homens)
Os pacientes com fobia social geralmente não conseguem dizer não a um vendedor insistente, compram um produto de que não precisam, só para se verem livres daquele vendedor, mas também nunca mais voltam àquele lugar. Os namoros muitas vezes são aceitos por conveniência e não por desejo verdadeiro. Os fóbicos sociais freqüentemente têm uma auto-estima baixa e julgam que devem aceitar a primeira pessoa que surge porque acham que não despertarão os interesses em mais ninguém.

As pessoas mais afetadas pela fobia social são os homens, ao contrário da maioria dos transtornos de ansiedade que predominam sobre as mulheres. O início é indefinido, por ser muito gradual, impossibilitando os pacientes a identificarem até mesmo um ano em que este problema tenha começado. Na grande maioria das vezes o início é localizado na época em que começaram a se dar conta de que eram mais tímidos do que os outros, ou seja, na infância ou adolescência. Ainda não foram descritos casos na fobia social tendo iniciado após os trinta ou quarenta anos de idade. Isto não significa que não possa surgir nessa época, mas certamente só ocorre raramente. O mais tardar que a fobia social pode começar é no início da idade adulta, em torno de vinte anos; quando o paciente se dá conta percebe que é mais acanhado que a maioria das pessoas sob as mesmas condições.

O tratamento medicamentoso com o clonazepan ou os antidepressivos inibidores da rematação da serotonina está bem claro e definido. Essas medicações permitem uma recuperação entre setenta e noventa por cento. É pouco provável obter uma melhora de cem por cento embora algumas pessoas fiquem bem próximas disso. Talvez as pessoas com mais de cinqüenta anos de idade tenham uma certa resistência a melhora com medicação, este fato, contudo, ainda deve ser comprovado. A terapia cognitivo-comportamental vem apresentando bons resultados no tempo de um ou dois anos de duração. Não foi detectada recaída nos primeiros anos após a alta, mas acompanhamentos mais prolongados são necessários para se verificar o tempo que a terapia cognitivo-comportamental permite ao paciente estar livre dos sintomas: se definitivamente ou apenas alguns anos.Pode ser até que permita uma verdadeira cura caso os pacientes fiquem o resto da vida sem precisar de novas intervenções de qualquer natureza. Somente o tempo poderá verificar isso, ou seja, só as futuras gerações saberão desse fato.

domingo, 16 de novembro de 2008

Água de beber não é mais a mesma.

Foi-se o tempo em que a água que a gente bebia era "insípida, inodora e incolor", como aprendemos na escola. Hoje, para despertar a vontade de consumidores sedentos por novidades, a indústria tem se desdobrado para transformar até esse líquido vital (e sem graça para muitas pessoas) em uma bebida mais atraente.

Depois da versão mineral e gaseificada em garrafas, a bebida ganhou ainda mais diferenciais. As primeiras novidades a despontar nas prateleiras foram as águas saborizadas, como a Aquarius Fresh e a Neutra. Tudo começou com um toque de limão, mas agora já é possível encontrar água mineral com gosto de hortelã, laranja, morango, maçã e até pitanga.

A Coca-Cola, fabricante da Aquarius Fresh, com suco de limão, diz, por meio de sua assessoria, que a intenção sempre foi oferecer uma opção para as pessoas hidratarem o organismo, com mais prazer. A empresa teria lançado o produto com base nos resultados de uma pesquisa que constatou que, quando o líquido tem sabor, a pessoa fica mais predisposta a hidratar-se.

A concorrência entre as indústrias de alimentos e os avanços tecnológicos estimularam mais duas ousadias nessa área. A primeira foi o lançamento de uma água com fibras (sim, aquelas substâncias essenciais ao bom funcionamento do intestino) - a Acqua Fibra, da Genuína Lindoya. A idéia foi inspirada em produto desenvolvido primeiramente na China.

Já a mais recente novidade no mercado é uma água com baixo teor de sódio, a Bonafont, da Danone. Segundo Eduardo Gagliardi, diretor de Marketing de Águas da empresa, o produto tem 0,34 mg/l de sódio contra 35 mg/l de outras marcas. O objetivo do produto, segundo ele, é, além de hidratar, diminuir o nível de sódio do organismo. "Segundo pesquisa realizada pela Danone, o brasileiro está consumindo sódio acima das taxas recomendadas, o que causa danos à saúde", alerta.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Médicos acreditam ter curado Aids com transplante de medula...



Da BBC Brasil

Médicos na Alemanha afirmam que um paciente de Aids parece ter sido curado após um transplante de medula óssea de um doador que tinha resistência genética ao HIV.

Os pesquisadores de Berlim disseram na quarta-feira que o paciente, um homem que sofria de leucemia e Aids, não apresenta nenhum sinal de ambas as doenças desde o transplante, que aconteceu há dois anos.

O resultado pode ser um sinal positivo nas pesquisas de terapia gênica para tratamento de Aids.

Um comunicado do hospital Charité, de Berlim, afirma que o homem de 42 anos - um americano que mora na Alemanha, cujo nome não foi identificado - foi infectado pelo HIV há mais de uma década.

Os médicos temem que o vírus ainda possa voltar, mesmo apesar dos testes.

Estudos na Europa e nos Estados Unidos mostram que aproximadamente uma em cada mil pessoas possui uma resistência genética ao HIV, que impede que o vírus atinja as suas células.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Como a nicotina afeta o corpo...



Os efeitos incluem a liberação de epinefrina, que é semelhante à adrenalina e ativa o sistema nervoso simpático, o chamado sistema de combate ou evasão.

Ela eleva o ritmo cardíaco, faz subir pressão arterial, amplia a atividade cardíaca e contrai os vasos sangüíneos. Todas essas coisas conduzem a hipertensão e doenças cardíacas congestivas e arritmias, em longo prazo.

Os perigos da nicotina podem estar menos relacionados ao câncer de pulmão, que está ligado ao alcatrão e a outros resíduos dos cigarros. A correlação é maior com ataques cardíacos e acidentes cardiovasculares, ou derrames.

É difícil separar a nicotina, uma droga que causa alta dependência, do sistema de distribuição muito efetivo que o cigarro representa.

O organismo também desenvolve tolerância, de modo que é necessário usar mais e mais da droga para obter o mesmo efeito e há a síndrome da abstinência, que no caso da nicotina é associada a problemas psicológicos como a depressão.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Por que eu engordo mesmo comendo tão pouco?



Aquele almoço suculento, cheio de tudo o que você mais gosta virou lenda já faz um bom tempo e nada da balança começar a reduzir. Muito pelo contrário, ela não faz nada além de aumentar o ponteiro e indicar um peso cada vez maior. Parece até perseguição ou início de loucura, mas a verdade é que cada prato a menos significa continuar engordando.

Isso está longe de ser verdade. Uma pessoa saudável emagrece quando passa a comer uma quantidade menor do que o necessário para manter seu peso, quando ela aumenta o gasto calórico ou quando combina as duas coisas.

Pessoas com sobrepeso que procuram o auxílio de um spa para emagrecer comem uma quantidade muito menor do que estão acostumadas e, ainda assim, emagrecem. Muitas vezes não temos a percepção correta do que comemos. Um exemplo é o tamanho dos pratos e copos que usamos. Se compararmos com 30 anos atrás, iremos ver que estão muito maiores.

Uma redução brusca na quantidade de calorias ingeridas pela pessoa pode resultar numa baixa metabólica. Quando há uma diminuição das calorias ingeridas, o metabolismo entra em déficit e se torna tão econômico ao ponto de consumir uma quantidade de calorias muito pequenas.

Assim, mesmo comendo menos por dia, a pessoa consome menos calorias, o que a faz engordar.

O adequado, nesse caso, seria uma redução máxima de 1.000cal do total gasto pela pessoa ao dia. Pode-se dizer que uma pessoa com sobrepeso gaste, em média, um valor referente ao seu peso atual vezes 35 (uma pessoa com 100kg gasta, em média, 3.500cal/dia).

Dietas com redução drástica de calorias ingeridas simultâneas tendem a tornar cada vez mais complicada a perda de peso. É como se o organismo se acostumasse, fica cada vez mais difícil emagrecer, porque a pessoa começa a não conseguir recuperar o gasto energético.

fonte: Saúde e Vida

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Diabetes: algumas novidades recentes...



Injeção de insulina de longa duração antes de dormir é uma estratégia terapêutica comum em diabetes tipo 2 inadequadamente controlado com medicações orais. Insulina lispro protamina neutra (NPL) demonstrou melhor controle glicêmico e incidência semelhante de eventos hipoglicêmicos que com insulina protamina neutra Hagedorn.

Pesquisadores italianos publicaram, recentemente, no Annals of Internal Medicine, um estudo em que compararam a eficácia clínica e a segurança da insulina NPL antes de dormir ou insulina glargina em pacientes com diabetes tipo 2 que apresentavam controle glicêmico subótimo enquanto estavam em uso de doses estáveis de metformina e sulfoniuréia.

Foi realizado um ensaio clínico randomizado, aberto, em um hospital-escola de Napoli, Itália. Foram incluídos, no estudo, 116 pacientes adultos em uso de doses estáveis de metformina e sulfoniluréia por mais de 90 dias, com níveis de hemoglobina A1c (HbA1c) entre 7,5% e 10% e níveis de glicemia plasmática iguais ou superiores a 6,7 mmol/L (> 120 mg/dL).

A intervenção estudada foi a administração subcutânea de 10 UI de insulina NPL ou insulina glargina antes de dormir, com ajustes semanais da dose objetivando níveis glicêmicos em jejum inferiores a 5,6 mmol/L (< 100 mg/dL), adicionada aos esquemas orais estáveis. Pacientes em uso de sulfoniluréia antes de dormir antes do início do estudo tiveram a medicação substituída por metformina. O desfecho primário foi a alteração dos níveis de HbA1c entre o momento basal e a semana 36. Desfechos secundários foram níveis de HbA1c < 7%, eventos hipoglicêmicos auto-relatados, dose de insulina, nível glicêmico auto-monitorado e peso corpóreo. Vinte pacientes em cada grupo tiveram monitoramento glicêmico contínuo por três dias consecutivos antes de iniciar insulinoterapia e na 36a semana.


A melhora dos níveis de HbA1c foi semelhante nos dois grupos (1,83% e 1,89% para insulina NPL e glargina, respectivamente). A diferença entre os grupos foi igual a 0,06% (IC95% = -0,1% a 0,15%). Desfechos secundários não foram diferentes entre os grupos. Níveis de HbA1c inferiores a 7% ocorreram em 62% dos pacientes em uso de insulina NPL e em 64% dos pacientes em uso de insulina glargina (diferença: 2%; IC95% = -1,1% a 5,0%). Níveis glicêmicos plasmáticos em jejum inferiores a 5,6 mmol/L (< 100 mg/dL) ocorreram em 40% dos pacientes em uso de insulina NPL e em 41% dos pacientes utilizando insulina glargina (diferença: 1%; IC95% = -0,9% a 3%). Qualquer evento hipoglicêmico ocorreu em 74% dos pacientes em uso de insulina NPL e em 67% dos pacientes em uso de insulina glargina (diferença: 7%; IC95% = -5% a 13%). Monitorização contínua dos níveis glicêmicos em pacientes que apresentaram hipoglicemias não foi estatisticamente diferente. A limitação do estudo foi o fato de não se tratar de um estudo cego, com poder limitado de detectar diferenças quanto aos eventos hipoglicêmicos e não obter monitorização contínua dos níveis glicêmicos em todos os pacientes.

Os pesquisadores concluíram que houve controle glicêmico semelhante com a adição de insulina glargina ou insulina NPL a esquemas terapêuticos orais em pacientes com diabetes tipo 2 inadequadamente controlado. A taxa de hipoglicemias foi semelhante nos dois grupos, porém o tamanho da amostra limitou a capacidade de obter avaliação definitiva de segurança.

Colesterol x triglicérides



Muitas pessoas passam pelo conhecido "ritual" de realizar exame de sangue para avaliar os níveis de colesterol e triglicérides. E o retorno ao consultório médico sempre é acompanhado por um friozinho na barriga. Afinal, e se as taxas estiverem alteradas?

O receio em relação ao resultado tem justificativa. De acordo com os especialistas, o excesso desses dois tipos de gordura, na corrente sangüínea, pode, sim, oferecer riscos à saúde. Infelizmente, o que a maioria das pessoas sabe sobre esses "supostos vilões" termina aí.

Colesterol

Um tipo de gordura produzida pelo fígado e também proveniente de alimentos de origem animal, como carnes e laticínios. O colesterol é transportado na circulação sangüínea de carona com proteínas especiais, as lipoproteínas, mais conhecidas como LDL e HDL.

O LDL possui baixa densidade e distribui o colesterol do fígado para diversos tecidos e células do corpo. É chamado de colesterol ruim, porque pode se acumular nas paredes das artérias.Por isso, quanto menor sua quantidade no sangue, melhor.

Já o HDL é uma partícula de alta densidade que tem a função de "varrer" da circulação o excesso de colesterol e encaminhá-lo para o fígado. Por esta razão, é considerado um "bom moço".

Além de ser produzido no fígado, ainda é encontrado em alimentos de origem animal, tais como carne de qualquer tipo (inclusive peixe e frango) e laticínios.

É importante para a manutenção da membrana celular, síntese de vitamina D, além da produção de importantes hormônios, incluindo os sexuais. E o HDL (bom colesterol) age como protetor das artérias, já que evita o entupimento pelo LDL (mau colesterol) e, consequentemente, os riscos de doenças cardiovasculares.

Riscos do excesso

Em excesso, o LDL (mau colesterol) se acumula no interior das artérias e forma uma placa de gordura, gerando o entupimento, que é denominado aterosclerose. Isso predispõe as pessoas ao enfarte ou derrame (também conhecido como acidente vascular cerebral, o AVC).

O melhor caminho para controlar o colesterol é a reeducação alimentar. Entretanto, há quadros em que o fator genético age de maneira desfavorável, e a pessoa apresenta certa disfunção na produção do colesterol. Afinal, como já foi dito anteriormente, 70% dessa gordura é sintetizada no fígado. Em casos de altos índices de colesterol, é essencial o trabalho conjunto de nutricionista e médicos.

Existem medicamentos específicos para ajudar a reduzir o colesterol nessas situações.

Atividades físicas ainda contribuem para aumentar o HDL (o bom) e, assim, forçar indiretamente a redução do LDL (o mau). É recomedável a prática de 30 minutos de exercícios aeróbicos, cinco vezes por semana.

Triglicérides

Um tipo de gordura que funciona como importante fonte de energia. É encontrado e armazenado no tecido adiposo.

São produzidos pelo fígado e também provenientes tanto da gordura animal quanto da vegetal, além dos carboidratos e das bebidas alcoólicas. "Quase tudo que uma pessoa ingere é transformado em triglicérides no organismo", comenta a nutricionista Monica Romualdo.

Sem eles, não há vida, porque as células, tecidos e órgãos dependem da energia que vem dos triglicérides para funcionar.

O nível de triglicérides aumenta, principalmente, pela má alimentação e pelo excesso de peso (uma vez que esse tipo de gordura fica armazenado no tecido adiposo). Esse aumento pode gerar uma grave doença chamada pancreatite, que, se não for tratada, pode levar à morte. Nesse caso, os triglicérides "entopem" canais do pâncreas, gerando uma inflamação.

A taxa de triglicérides eleva-se basicamente por erros alimentares. Portanto, para corrigir um alto índice dessa gordura no sangue é necessário manter uma dieta balanceada, reduzindo a quantidade de carnes, leite e derivados e outros alimentos de origem animal, óleos e cremes vegetais, carboidratos (pão branco, açúcar refinado, massas) e álcool. Vale investir também em frutas, legumes e verduras, uma vez que a presença de fibras nesses alimentos reduz a absorção de todos os tipos de gordura.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Acidentes domésticos com crianças



Crianças, sejam elas levadas ou não, sempre se envolvem em acidentes. São episódios que variam desde simples arranhões e batidas em cantos de mesa a choques elétricos ou queimaduras de terceiro grau causadas por panelas no fogão.
As chamadas lesões não intencionais (acidentes de carro e domésticos, afogamentos são alguns dos exemplos) resultam em cerca de 7 mil mortes e mais de 140 mil admissões hospitalares em grupos de crianças com menos de 14 anos.

De acordo com a ONG Criança Segura, que trabalha na prevenção desses acidentes, estima-se que pelo menos 90% dessas lesões podem ser prevenidas através da combinação de educação, modificações no meio ambiente, modificações de engenharia e com a criação e cumprimento de legislação e regulamentação específicas.

No caso específico dos acidentes domésticos, medidas preventivas na organização da casa, disposição dos móveis e utensílios estão entre os cuidados que podem evitar que os pequenos se envolvam em problemas.

A CRIANÇA SEGURA é uma instituição sem fins lucrativos, qualificada como OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, dedicada à promoção da prevenção de acidentes com crianças até 14 anos. Para cumprir sua missão, desenvolve ações de Políticas Públicas – incentivo à discussão sobre o tema e participação nos diálogos referentes às mudanças e adaptações de instrumentos legais que visem a segurança, saúde e bem-estar da criança, Comunicação - informação e alerta sobre a causa para conscientização da sociedade por meio de campanhas e divulgação de assuntos de interesse público e Mobilização – multiplicação do conhecimento da comunidade para modificações no meio através de programas educativos, treinamentos e campanhas.

sábado, 8 de novembro de 2008

Metabolismo



O que é metabolismo?

Metabolismo é o conjunto de transformações que os nutrientes e outras substâncias químicas sofrem no interior do nosso corpo. Isso produz energia suficiente para mantê-lo funcionando. Para que as pessoas mais leigas possam entender esse conceito, podemos dizer numa linguagem mais clara e objetiva que metabolismo é a taxa com que o corpo queima calorias para se manter vivo. O metabolismo divide-se em anabolismo (conjunto de reações que produzem compostos e substâncias a partir de componentes menores) e catabolismo (conjunto de reações que degradam as substâncias em componentes menores).

Do total de energia gasto por uma pessoa em um dia, entre 60% e 70% são usados apenas nas funções vitais, como respirar, bater o coração, manter a temperatura corporal, etc. É o chamado metabolismo basal. Cerca de 10% a 12% do consumo de energia total são utilizados no gasto termogênico dos alimentos. Ou seja, a cota que o corpo precisa para processar o que se come, da mastigação até a absorção pelo organismo.

O metabolismo é influenciado por inúmeros fatores, tais como genética, idade, peso, altura, sexo, temperatura ambiente, dieta e prática de exercícios. Dessa forma, existem pessoas que dependendo desses fatores, gastarão mais ou menos energia do que outras. É por isso que existem pessoas magras, que comem de tudo e não engordam de jeito nenhum, enquanto outros lutam para perder alguns quilos a mais.

Fatores que afetam o metabolismo

Cerca de 80% da taxa metabólica é determinada geneticamente, enquanto os outros 20%
dependem de outros fatores que listamos a seguir. Você não pode mudar a genética, mas pode acelerar o seu metabolismo, observando esses fatores:

1º) Tecido muscular - Quanto mais músculos você tem, maior e mais veloz é o gasto calórico, independente do seu nível de atividade, da sua idade, etc. Os músculos são tecido vivo e estão lá para trabalhar para você, queimando calorias 24hs por dia.

2º) Alimentação - O excesso de açúcar, especialmente após a refeição, deve ser evitado, uma vez que a digestão de proteínas e gorduras fica prejudicada. O açúcar é digerido mais rapidamente, retardando a digestão de outros alimentos e enganando o cérebro, que sinaliza com mais fome em pouco tempo. Isso também vale para as farinhas de trigo brancas (refinadas) utilizadas no preparo de pães, bolos e massas. Os alimentos gordurosos também devem ser controlados, mas é importante não reduzi-los em demasia, uma vez que a deficiência desse nutriente diminui a produção de certos hormônios, levando à diminuição do metabolismo. Utilize em suas refeições gorduras que fazem bem para a saúde provenientes de nozes, castanhas e azeite de oliva.

3º) Freqüência das refeições - O tempo entre uma refeição e outra é muito importante. Quanto maior o tempo, mais lento é o seu metabolismo, pois ele diminui para poupar energia. Quando pulamos refeições, ficando muito tempo sem comer, o corpo procura obter a energia que precisa consumindo o seu próprio tecido muscular (catabolismo).

4º) Atividade física - Praticar atividade física, combinando exercício aeróbico e ginástica localizada ou musculação acelera o metabolismo. Além disso, o exercício regular ajuda a transformar glicose e gordura em energia, sem a necessidade de produzir o hormônio insulina, que ajuda a engordar. É importante que a atividade física seja regular, para que haja uma ação metabólica contínua, e que a alimentação seja adequada ao gasto calórico.

5º) Água -A maioria das funções do corpo acontecem na presença de água. O líquido é fundamental para transportar hormônios, vitaminas e minerais, além de facilitar o trânsito intestinal e a eliminação de toxinas. A falta de água desacelera o metabolismo. Por isso, beba pelo menos 8-10 copos por dia.

6º) Sexo - O metabolismo masculino é mais acelerado do que o feminino, pois os homens apresentam proporção maior de massa muscular e menor de gordura do que as mulheres. Por isso é importante que as mulheres não deixem de praticar uma atividade física, que ajude no desenvolvimento de massa muscular.

7º) Idade - A partir dos 30 anos o metabolismo começa a ficar mais lento, contudo pesquisas indicam que isso ocorre pelo fato das pessoas tornarem-se mais sedentárias, o que acarreta uma perda gradual de massa muscular. Por isso, é importante que haja um controle alimentar e prática regular de atividade física.

8º) Temperatura ambiente - Em dias mais frios, o corpo consome mais energia para se manter aquecido.

Acelere o seu metabolismo

Para acelerar o metabolismo é importante fracionar as refeições 5-6 vezes ao dia (o organismo terá de trabalhar mais vezes para processar um maior número de refeições), comer devagar, mastigando bem os alimentos e reduzir o consumo de alimentos gordurosos e ricos em açúcar e farinhas refinadas. Alimentos ricos em fibras (grãos integrais, legumes, frutas e verduras) levam mais tempo para serem digeridos e por isso aceleram o metabolismo. A prática de exercícios físicos, principalmente os aeróbicos (caminhada, natação, ciclismo, esteira, bicicleta, ajuda muito. A taxa metabólica aumenta 25% durante 12 a 15 horas após os exercícios aeróbicos intensos.

Não pular refeições e evitar dietas rígidas também ajuda a acelerar o metabolismo. Quando se faz uma dieta para emagrecer, o metabolismo basal fica com um gasto calórico menor como uma forma de defesa (reserva), e quanto menor a ingestão calórica diária, menor será o metabolismo, pois o organismo vai interpretar essa situação como uma ameaça. A depressão do metabolismo basal com dietas sem orientação e/ou acompanhadas com inibidores de apetite leva o organismo a reagir com mecanismos de preservação de calorias e a conseqüência é a dificuldade de se perder gordura corporal, além do risco de desenvolvimento de cálculos na vesícula. Por isso, a dieta deve ser equilibrada do ponto de vista nutricional e as calorias oferecidas devem ser compatíveis com a necessidade individual de cada pessoa, caso contrário o programa de emagrecimento será um verdadeiro fracasso. O ideal é fazer de cinco a seis pequenas refeições diárias e reduzir a ingestão calórica, calculando uma perda de peso de até 500g por semana, de forma segura e com bons resultados a longo prazo.

O parto normal



De acordo com a recomendação da Organização Mundial da Saúde, as cirurgias cesarianas deveriam corresponder a, no máximo, 15% dos partos. No entanto, segundo dados de 2006, a cesárea corresponde a 43% dos partos realizados no Brasil. Com o objetivo de se aproximar aos padrões mundiais, o governo realiza campanhas de incentivo ao parto normal e para isso conta com a ajuda dos profissionais da área.

A cesárea não deveria ser uma escolha da paciente e sim uma indicação médica. Não há porque se submeter a riscos cirúrgicos sem necessidade.

A escolha deve ser, acima de tudo, por um parto saudável. Independente de ser cesárea ou normal, é preciso identificar qual é o método mais indicado para cada situação, visando a saúde do bebê e da mãe.

Parto normal e dor andam juntos?

O que afasta algumas mulheres do parto normal é o medo das dores. Mas, o que muitas não sabem, é que a anestesia pode ser usada para dar conforto a mamãe. O parto vaginal pode ser com ou sem anestesia, esta segunda alternativa é indicada no parto "humanizado", que segue rigorosamente todos os princípios naturais da assistência à gestante e ao bebê, não usando medicamentos.

Portanto, a menos que a mulher não queira, é possível amenizar os dores do parto. A anestesia não é necessária, mas alivia a dor. Ela não faz com que as contrações cessem, por isso, a paciente, mesmo anestesiada, continua a fazer a força necessária para o nascimento do bebê.

Outro receio freqüente está relacionado ao espaço pelo qual o bebê sai do corpo da mulher. Em casos de grande desproporção (entre a pelve materna e o tamanho do bebê), é possível realizar um corte na região perineal, conhecido como episiotomia. "Há a necessidade de realizar este procedimento para facilitar a saída do bebê e também para evitar lacerações na pele e músculos da região. É uma técnica usada com freqüência e o tamanho do corte varia de 3 a 7cm", conta a ginecologista do IPGO.

Existe parto normal com hora marcada?

O parto normal não pode ser agendado da mesma forma que uma cirurgia cesariana. Mas isso não significa que o nascimento não pode ser previsto. Entre a 39 e 40 semana, o médico pode fazer o exame de toque e, se for constatado que o colo do útero está dilatado e amolecido, é possível induzir o parto.
É colocado o medicamento em forma de comprimido na vagina da mulher. Depois de uma hora a substância começa a agir e provoca as contrações do trabalho de parto. Normalmente depois de 5 a 6 horas ocorre o nascimento do bebê.

Quem já realizou cesárea pode optar pelo parto normal?

Quem passou por uma cesárea pode se submeter ao parto normal. No entanto, quem já teve dois ou mais filhos, por meio da cirurgia cesariana, não tem indicação para o procedimento.
A cicatriz interna no útero é uma região fragilizada. Por isso, a força das contrações pode romper a cicatriz. Essa é uma situação de risco, que pode levar à óbito.

Há como preparar o corpo para o parto normal?

Não há comprovação científica de que um exercício em específico pode contribuir para o parto normal. O indicado é que a mulher tenha um bom condicionamento físico para estar melhor preparada durante o trabalho de parto.
Também é aconselhável não ganhar muito peso durante a gestação. O ideal seria, de uma forma geral, engordar entre 12 e 14kg. Os quilos que a mãe ganha não correspondem necessariamente ao peso do bebê.

O parto normal provoca "bexiga caída"?

Não necessariamente.
A bexiga caída pode ocorrer devido diversas causas. Entre elas o envelhecimento, pois os músculos da região tendem a ficar enfraquecidos com o passar dos anos; questão hormonal; herança hereditária; ou ocorrência de parto normal.

Quando a cesárea se torna a única opção?

- bebê em posição pélvica, conhecida popularmente como "bebê sentado";
- desproporção entre a largura da bacia da mulher e o tamanho do feto;
- alguns casos de má formação do feto;
- quando a saúde da mulher estiver ou for comprometida;
- pacientes que apresentam infecções genitais, como herpes, condiloma, entre outras.

Pré-natal

Além de ser uma orientação para a sua saúde e a do bebê, use o pré-natal para esclarecer melhor estas e todas as suas outras dúvidas.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Câncer de Pele



O que é o Câncer da Pele?

O câncer da pele é um tumor formado por células da pele que sofreram uma transformação e multiplicam-se de maneira desordenada e anormal dando origem a um novo tecido (neoplasia). Entre as causas que predispõem ao início desta transformação celular aparece como principal agente a exposição prolongada e repetida à radiação ultra-violeta do sol.

O câncer da pele atinge principalmente as pessoas de pele branca, que se queimam com facilidade e nunca se bronzeiam ou se bronzeiam com dificuldade. Cerca de 90% das lesões localizam-se nas áreas da pele que ficam expostas ao sol, o que mostra a importância da exposição solar para o surgimento do tumor. A proteção solar é, portanto, a principal forma de prevenção da doença.

Como fazer para evitar o câncer da pele?

A exposição prolongada e repetida da pele ao sol causa o envelhecimento cutâneo além de predispor a pele ao surgimento do câncer. Tomando-se certos cuidados, os efeitos danosos do sol podem ser atenuados. Aprenda a seguir como proteger sua pele da radiação solar.

use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar ou transpiração excessiva. (saiba mais sobre filtros solares e FPS)
use chapéus e barracas grossas, que bloqueiem ao máximo a passagem do sol. Mesmo assim use o filtro solar pois parte da radiação ultra-violeta reflete-se na areia atingindo a sua pele.
evite o sol no período entre 10 e 15 horas.
a grande maioria dos cânceres de pele localizam-se na face, proteja-a sempre. Não esqueça de proteger os lábios e orelhas, locais comumente afetados pela doença.
procure um dermatologista se existem manchas na sua pele que estão se modificando, formam "cascas" na superfície, sangram com facilidade, feridas que não cicatrizam ou lesões de crescimento progressivo.
faça uma visita anual ao dermatologista para avaliação de sua pele e tratamento de eventuais lesões pré-cancerosas.
Estas recomendações são especialmente importantes para as pessoas de pele fototipos I e II, as quais devem evitar qualquer tipo de exposição ao sol sem proteção.

Quando começar a proteção solar?

Comece o quanto antes. Cerca de 75% da radiação solar recebida durante a vida ocorre nos primeiros 20 anos. Os efeitos da radiação ultra-violeta só se manifestam com o passar do tempo. As lesões começam a aparecer na maioria das vezes ao redor dos 40 anos . Portanto, proteja as crianças e estimule os adolescentes a se protegerem.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

INTOXICAÇÃO ALIMENTAR POR SALMONELLA



Salmonelose é uma doença infecciosa provocada por um grupo de bactérias do gênero Salmonella, que pertencem à família Enterobacteriaceae, existindo muitos tipos diferentes desses germes. A Salmonella é conhecida há mais de 100 anos e o termo é uma referência ao cientista americano chamado Salmon, que descreveu a doença associada à bactéria pela primeira vez.

A Salmonella é transmitida ao homem através da ingestão de alimentos contaminados com fezes animais. Os alimentos contaminados apresentam aparência e cheiro normais e a maioria deles é de origem animal, como carne de gado, galinha, ovos e leite. Entretanto, todos os alimentos, inclusive vegetais, podem tornar-se contaminados. É muito freqüente a contaminação de alimentos crus de origem animal.

O cozimento de qualquer destes alimentos contaminados mata a Salmonella.

A manipulação de alimentos por pessoas contaminadas que não lavam as mãos com sabonete, pode causar sua contaminação.

Fezes de animais de estimação, especialmente os que apresentam diarréia, podem conter Salmonella, e as pessoas em contato com estes animais podem ser contaminadas e contaminar a outras se não adotarem medidas rígidas de higiene (lavar as mãos com sabonete). Répteis são hospedeiros em potencial para a Salmonella e as pessoas devem lavar as suas mãos imediatamente após manusear estes animais, mesmo que o réptil seja saudável.

A maior parte das pessoas infectadas com Salmonella apresenta diarréia, dor abdominal (dor de barriga) e febre. Estas manifestações iniciam de 12 a 72 horas após a infecção. A doença dura de 4 a 7 dias e a maioria das pessoas se recupera sem tratamento.

Em algumas pessoas infectadas, a diarréia pode ser severa a ponto de ser necessária a hospitalização devido à desidratação. Os idosos, crianças e aqueles com as defesas diminuídas (diminuição da resposta imune) são os grupos mais prováveis de ter a forma mais severa da doença. Uma das complicações mais graves é a difusão da infecção para o sangue e daí para outros tecidos, o que pode causar a morte caso a pessoa não seja rapidamente tratada.

A infecção por Salmonella usualmente dura de 5 a 7 dias e freqüentemente não é necessário tratamento, sendo suficiente as medidas de suporte e conforto ao paciente. Após este período, a pessoa fica recuperada, podendo permanecer ainda por algum tempo um hábito intestinal irregular. Caso o paciente se torne severamente desidratado ou a infecção se difunda do intestino para outras regiões do organismo, medidas terapêuticas devem ser tomadas, incluindo a hospitalização. Pessoas com diarréia severa devem ser reidratadas através da administração endovenosa de soro. Os casos graves, em que a infecção se difunde, devem ser tratados com antibióticos.

Como se previne
Sendo os alimentos de origem animal uma das principais fontes de contaminação por Salmonella, ovos, carne e galinha não devem ser ingeridos crus, mal-passados ou não completamente cozidos.
Atenção especial deve ser dada aos ovos crus que aparecem sem serem percebidos em um grande número de pratos, como maionese caseira, molho holandês, tiramisu, sorvete caseiro. Estes pratos devem ser evitados.
Carnes em geral, incluindo hambúrgueres e frango, devem ser bem cozidas (não devem estar avermelhadas no centro). Leite não pasteurizado deve ser evitado.
Todos os produtos devem ser bem lavados antes de sua preparação e consumo.
Contaminação entre alimentos deve ser evitada: carnes cruas devem ficar separadas de alimentos que estão sendo preparados, de alimentos já cozidos e de alimentos prontos para serem servidos.
Todos os utensílios de cozinha (tábuas, facas, etc.) devem sempre ser lavados após sua utilização em alimentos crus.
As mãos devem ser lavadas antes do manuseio de qualquer alimento e entre o manuseio de diferentes itens alimentares.
Já que os répteis são portadores em potencial da Salmonella, qualquer pessoa deve lavar as mãos imediatamente após o contato com estes animais.
Répteis, incluindo as tartarugas, não são apropriados como animais de estimação de crianças e não deveriam habitar o mesmo ambiente.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Estimulantes!



Dias de cansaço e esgotamento inevitavelmente farão parte da vida de todos os seres que habitam a Terra. Não há como evitar uma jornada prolongada por causa de um projeto importante no trabalho, o desgaste com uma semana de provas ou o estresse provocado em competições esportivas. Mas, se suas energias não são repostas com um repouso comum e o desgaste se torna prolongado, atenção antes de recorrer às substâncias consideradas estimulantes

Pó de guaraná, café, ginseng, vitaminas, bebidas isotônicas e até mesmo chás. A lista de produtos naturais que promete deixar o sono de lado é enorme e eficiente para ocasiões esporádicas. É válido recorrer a esses produtos para atenuar os estragos de uma noite mal dormida, por exemplo, mas isso não deve se tornar uma rotina.

Ao ingerir a maioria desses "energéticos" ocorre um impulso de glicose no cérebro para estimular o seu funcionamento. No entanto, essa dose extra de açúcar requer uma carga a mais de insulina, ou seja, o pâncreas ficará sobrecarregado na sua função de produzir o hormônio e poderá falhar. Com insulina insuficiente no organismo, uma das conseqüências mais diretas é o surgimento da diabetes. A diabetes tipo 2 é uma doença clássica da civilização.

O excesso de cafeína pode causar palpitações e taquicardia, além de interferir na qualidade do sono. Na quantidade adequada, a cafeína não tem contra-indicação e pode ser ingerida diariamente. A única ressalva é feita para quem sofre com úlceras e gastrite.

Não adianta ingerir esses suplementos - sendo naturais ou até mesmo remédios com compostos como as anfetaminas - se não for descoberta a causa de tanto cansaço.

Afinal, mesmo que haja uma melhora significativa, é preciso, como diz a sabedoria popular, "cortar o mal pela raiz".

O cansaço pode ser decorrência de várias doenças como a anemia, hipotireoidismo e fibromialgia. A desnutrição celular - por falta de algum tipo de vitamina, mineral ou aminoácido - também pode ser a causa do desânimo.

No caso da desnutrição, a saída vem por meio da reeducação alimentar e, se for necessário, a reposição do nutriente que está em baixa no organismo por meio de suplementos.

Além de problemas orgânicos, não devem ser descartados os fatores psicológicos, como a depressão ou a síndrome de Burnout (saiba mais no link acima). Antes de partir para a automedicação, portanto, o mais sensato, se o cansaço for freqüente, é buscar orientação médica.

O clínico geral, por exemplo, poderá fazer exames clínicos e recomendar avaliações de laboratório para descobrir se a causa da fadiga é orgânica ou não. Só a partir daí, é possível direcionar os tratamentos em busca da solução.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Pilates



Como qualquer nova modalidade que aparece no mercado, logo surgem suas variações visando adequar métodos e facilitar o acesso.

Assim também aconteceu com o Pilates. Por se tratar de uma técnica personalizada e que requer equipamento especializado, poucas pessoas podiam se dar ao luxo de usufruir dos benefícios do método.

Surgiram assim variações que, segundo especialistas, apresentam os mesmos resultados e por oferecer possibilidades diferentes para cada exercício, permitem que pessoas de todo tipo possam praticá-lo.

O Pilates produz benefícios para as articulações (casos de artrose), previne a osteoporose protegendo a estrutura óssea e não causa lesões porque os exercícios são realizados sem impacto.

Muitos são os acessórios para substituir os aparelhos de Pilates. Conheçam alguns:

- na água: pode-se usar flutuadores (espaguetes). Você conseguirá realizar movimentos com os princípios do Pilates, mas mais amplos sem forçar as articulações, nem abandonar o trabalho intenso no abdominal;

- no solo: trabalho que utiliza o peso do corpo e a ajuda da gravidade para acrescentar intensidade e esforço aos movimentos. Alguns exercícios são exclusivos do Mat Pilates (Pilates solo) e outros são adaptações dos movimentos nos equipamentos;

- medicine ball: utilizada para dificultar e dar instabilidade aos movimentos com as mãos apoiadas no solo, é também utilizada atrás da coxa ou sob os pés para fazer abdominais;

- faixas elásticas: facilitam o trabalho de alongamento e fortalecimento de músculos do corpo todo;

- bolas grandes: equipamento utilizado para trabalhar equilíbrio e força, ao mesmo tempo em que alonga e relaxa o corpo.

Além de equipamentos podemos trabalhar o método Pilates de diferentes formas:

- Em forma de circuito: esta aula visa experimentar e vivenciar a utilização dos equipamentos, ou somente variações de exercícios no solo, com repertório do básico ao avançado.

- Em forma coreografada: aula no solo que oferece uma maneira descontraída e divertida. Ao mesmo tempo fluida e dançada, conduzida por músicas coordenadas que inspiram o movimento, unindo a tradição com a evolução.

- Aulas específicas para a terceira idade: utiliza alguns equipamentos, em especial os bastões, rolos de espuma e faixas elásticas.

Com tantas variações o segredo para que o Pilates cumpra sua verdadeira missão é realizar o máximo de esforço sob supervisão adequada e com consciência corporal. A respiração é fundamental para o bom desenvolvimento da técnica. Os movimentos e contrações musculares devem ser feitos com consciência para que as posturas sejam executadas corretamente.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Emoções podem causar doenças de pele



A dermatologia ganhou uma importante aliada no tratamento de diversas doenças de pele, como herpes, psoríase e vitiligo: a psicologia. Segundo estimativa da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), a causa dos problemas de pele de nada menos do que um em cada três pacientes é emocional - como estresse, ansiedade e depressão. O fenômeno já ganhou até nome: psicodermatose.

Psicodermatose é toda doença de pele causada por um componente psicológico. Se o indivíduo tiver predisposição genética, qualquer momento de estresse, como a demissão no trabalho ou a separação dos pais, por exemplo, pode desencadear reações como acne, vitiligo ou psoríase.

Os pacientes somatizam os momentos de tensão das mais diferentes formas. Dois exemplos clássicos de psicodermatose são o da estudante que tem acne bem às vésperas do vestibular e do funcionário que sofre com herpes labial quando perde o emprego.

Na maioria das vezes, o médico começa a desconfiar de que se trata de psicodermatose quando a doença foge ao controle do tratamento convencional. Nestes casos, cremes e pomadas já não surtem mais efeito. Além disso, não é todo paciente que tem consciência desta relação de causa e efeito. Muitos, inclusive, não querem admitir que o problema é de cunho emocional.

O impacto do estresse na vida de uma pessoa é individual. Tudo depende da maneira como ela vai administrar o baque. A grande maioria nem desconfia que aquele problema de pele é causado por falta de dinheiro ou aborrecimento no trabalho. Nestes casos, cremes e pomada só surtirão efeito se integrados a outros tratamentos, como terapias em grupo ou remédios para depressão.