Translate

Total de visualizações de página

terça-feira, 31 de julho de 2007

Efeito das leis de proibição do fumo sobre os lucros de bares

A indústria do tabaco declarou que as leis de proibição do fumo em bares causaram redução de 30% no rendimento destes estabelecimentos.

Esta questão foi analisada por um estudo recentemente publicado no periódico American Journal of Public Health. Após o controle de variáveis econômicas, notou-se que os bares localizados em áreas com leis de proibição do tabagismo vendiam seus produtos por preços comparáveis aos preços de bares situados em áreas sem restrições ao fumo.

Outros estudos relatam que as vendas dos bares não declinaram, o que também foi constatado neste estudo.

Portanto, as preocupações de proprietários de bares de que as leis de proibição do fumo reduziriam as vendas e os lucros em seus estabelecimentos são infundadas.

segunda-feira, 30 de julho de 2007

Quando o estado consciente se torna perfeccionismo?

O perfeccionismo constitui um estilo de personalidade neurótico envolvendo traços, modos de auto-apresentação e cognições.

Um estudo de revisão do Current Psychiatry.Online abordou este tema. O perfeccionismo pode resultar em psicopatologias graves, incluindo problemas de relacionamento, depressão, anorexia nervosa e suicídio.

A determinação de traços é essencial para avaliação de indivíduos que procuram tratamento, especialmente para angústias comportamentais, assim como para pacientes em tratamento para outras questões e que possuem personalidade perfeccionista.

A avaliação acurada do perfeccionismo pode ajudar a predizer e antecipar a não obediência, analisar o risco de suicídio, determinar a abordagem adequada e identificar circunstâncias em que o paciente está particularmente vulnerável a recidiva.

No estudo são analisadas características do perfeccionismo, comportamentos dos pacientes, traços de psicopatologia e os limitados tratamentos disponíveis.

sexta-feira, 27 de julho de 2007

O Sistema Nervoso Central - Um Looongo Resumo




O SNC divide-se em encéfalo e medula. O encéfalo corresponde ao telencéfalo (hemisférios cerebrais), diencéfalo (tálamo e hipotálamo), cerebelo, e tronco cefálico, que se divide em: BULBO, situado caudalmente; MESENCÉFALO, situado cranialmente; e PONTE, situada entre ambos.

No SNC, existem as chamadas substâncias cinzenta e branca. A substância cinzenta é formada pelos corpos dos neurônios e a branca, por seus prolongamentos. Com exceção do bulbo e da medula, a substância cinzenta ocorre mais externamente e a substância branca, mais internamente.

Os órgãos do SNC são protegidos por estruturas esqueléticas (caixa craniana, protegendo o encéfalo; e coluna vertebral, protegendo a medula - também denominada raque) e por membranas denominadas meninges, situadas sob a proteção esquelética: dura-máter (a externa), aracnóide (a do meio) e pia-máter (a interna). Entre as meninges aracnóide e pia-máter há um espaço preenchido por um líquido denominado líquido cefalorraquidiano ou líquor.

O TELENCÉFALO

O encéfalo humano contém cerca de 35 bilhões de neurônios e pesa aproximadamente 1,4 kg. O telencéfalo ou cérebro é dividido em dois hemisférios cerebrais bastante desenvolvidos. Nestes, situam-se as sedes da memória e dos nervos sensitivos e motores. Entre os hemisférios, estão os VENTRÍCULOS CEREBRAIS (ventrículos laterais e terceiro ventrículo); contamos ainda com um quarto ventrículo, localizado mais abaixo, ao nível do tronco encefálico. São reservatórios do LÍQUIDO CÉFALO-RAQUIDIANO, (LÍQÜOR), participando na nutrição, proteção e excreção do sistema nervoso.

Em seu desenvolvimento, o córtex ganha diversos sulcos para permitir que o cérebro esteja suficientemente compacto para caber na calota craniana, que não acompanha o seu crescimento. Por isso, no cérebro adulto, apenas 1/3 de sua superfície fica "exposta", o restante permanece por entre os sulcos.

Cada uma das áreas do córtex cerebral controla uma atividade específica.

1. hipocampo: região do córtex que está dobrada sobre si e possui apenas três camadas celulares; localiza-se medialmente ao ventrículo lateral.
2. córtex olfativo: localizado ventral e lateralmente ao hipocampo; apresenta duas ou três camadas celulares.
3. neocórtex: córtex mais complexo; separa-se do córtex olfativo mediante um sulco chamado fissura rinal; apresenta muitas camadas celulares e várias áreas sensoriais e motoras. As áreas motoras estão intimamente envolvidas com o controle do movimento voluntário.

A região superficial do telencéfalo, que acomoda bilhões de corpos celulares de neurônios (substância cinzenta), constitui o córtex cerebral, formado a partir da fusão das partes superficiais telencefálicas e diencefálicas. O córtex recobre um grande centro medular branco, formado por fibras axonais (substância branca). Em meio a este centro branco (nas profundezas do telencéfalo), há agrupamentos de corpos celulares neuronais que formam os núcleos (gânglios) da base ou núcleos (gânglios) basais - CAUDATO, PUTAMEN, GLOBO PÁLIDO e NÚCLEO SUBTALÂMICO, envolvidos em conjunto, no controle do movimento. Parece que os gânglios da base participam também de um grande número de circuitos paralelos, sendo apenas alguns poucos de função motora. Outros circuitos estão envolvidos em certos aspectos da memória e da função cognitiva.

Algumas das funções mais específicas dos gânglios basais relacionadas aos movimentos são:
1. núcleo caudato: controla movimentos intencionais grosseiros do corpo (isso ocorre a nível sub-consciente e consciente) e auxilia no controle global dos movimentos do corpo.
2. putamen: funciona em conjunto com o núcleo caudato no controle de movimentos intensionais grosseiros. Ambos os núcleos funcionam em associação com o córtex motor, para controlar diversos padrões de movimento.
3. globo pálido: provavelmente controla a posição das principais partes do corpo, quando uma pessoa inicia um movimento complexo, Isto é, se uma pessoa deseja executar uma função precisa com uma de suas mãos, deve primeiro colocar seu corpo numa posição apropriada e, então, contrair a musculatura do braço. Acredita-se que essas funções sejam iniciadas, principalmente, pelo globo pálido.
4. núcleo subtalâmico e áreas associadas: controlam possivelmente os movimentos da marcha e talvez outros tipos de motilidade grosseira do corpo.
Evidências indicam que a via motora direta funciona para facilitar a iniciação de movimentos voluntários por meio dos gânglios da base. Essa via origina-se com uma conexão excitatória do córtex para as células do putamen. Estas células estabelecem sinapses inibitórias em neurônios do globo pálido, que, por sua vez, faz conexões inibitórias com células do tálamo (núcleo ventrolateral - VL). A conexão do tálamo com a área motora do córtex é excitatória. Ela facilita o disparo de células relacionadas a movimentos na área motora do córtex. Portanto, a conseqüência funcional da ativação cortical do putâmen é a excitação da área motora do córtex pelo núcleo ventrolateral do tálamo.

O DIENCÉFALO (tálamo e hipotálamo)

Todas as mensagens sensoriais, com exceção das provenientes dos receptores do olfato, passam pelo tálamo antes de atingir o córtex cerebral. Esta é uma região de substância cinzenta localizada entre o tronco encefálico e o cérebro. O tálamo atua como estação retransmissora de impulsos nervosos para o córtex cerebral. Ele é responsável pela condução dos impulsos às regiões apropriadas do cérebro onde eles devem ser processados. O tálamo também está relacionado com alterações no comportamento emocional; que decorre, não só da própria atividade, mas também de conexões com outras estruturas do sistema límbico (que regula as emoções).

O hipotálamo, também constituído por substância cinzenta, é o principal centro integrador das atividades dos órgãos viscerais, sendo um dos principais responsáveis pela homeostase corporal. Ele faz ligação entre o sistema nervoso e o sistema endócrino, atuando na ativação de diversas glândulas endócrinas. É o hipotálamo que controla a temperatura corporal, regula o apetite e o balanço de água no corpo, o sono e está envolvido na emoção e no comportamento sexual. Tem amplas conexões com as demais áreas do prosencéfalo e com o mesencéfalo. Aceita-se que o hipotálamo desempenha, ainda, um papel nas emoções. Especificamente, as partes laterais parecem envolvidas com o prazer e a raiva, enquanto que a porção mediana parece mais ligada à aversão, ao desprazer e à tendência ao riso (gargalhada) incontrolável. De um modo geral, contudo, a participação do hipotálamo é menor na gênese (“criação”) do que na expressão (manifestações sintomáticas) dos estados emocionais.


O TRONCO ENCEFÁLICO

O tronco encefálico interpõe-se entre a medula e o diencéfalo, situando-se ventralmente ao cerebelo. Possui três funções gerais; (1) recebe informações sensitivas de estruturas cranianas e controla os músculos da cabeça; (2) contém circuitos nervosos que transmitem informações da medula espinhal até outras regiões encefálicas e, em direção contrária, do encéfalo para a medula espinhal (lado esquerdo do cérebro controla os movimentos do lado direito do corpo; lado direito de cérebro controla os movimentos do lado esquerdo do corpo); (3) regula a atenção, função esta que é mediada pela formação reticular (agregação mais ou menos difusa de neurônios de tamanhos e tipos diferentes, separados por uma rede de fibras nervosas que ocupa a parte central do tronco encefálico). Além destas 3 funções gerais, as várias divisões do tronco encefálico desempenham funções motoras e sensitivas específicas.

Na constituição do tronco encefálico entram corpos de neurônios que se agrupam em núcleos e fibras nervosas, que, por sua vez, se agrupam em feixes denominados tractos, fascículos ou lemniscos. Estes elementos da estrutura interna do tronco encefálico podem estar relacionados com relevos ou depressões de sua superfície. Muitos dos núcleos do tronco encefálico recebem ou emitem fibras nervosas que entram na constituição dos nervos cranianos. Dos 12 pares de nervos cranianos, 10 fazem conexão no tronco encefálico.

O CEREBELO

Situado atrás do cérebro está o cerebelo, que é primariamente um centro para o controle dos movimentos iniciados pelo córtex motor (possui extensivas conexões com o cérebro e a medula espinhal). Como o cérebro, também está dividido em dois hemisférios. Porém, ao contrário dos hemisférios cerebrais, o lado esquerdo do cerebelo está relacionado com os movimentos do lado esquerdo do corpo, enquanto o lado direito, com os movimentos do lado direito do corpo.
O cerebelo recebe informações do córtex motor e dos gânglios basais de todos os estímulos enviados aos músculos. A partir das informações do córtex motor sobre os movimentos musculares que pretende executar e de informações proprioceptivas que recebe diretamente do corpo (articulações, músculos, áreas de pressão do corpo, aparelho vestibular e olhos), avalia o movimento realmente executado. Após a comparação entre desempenho e aquilo que se teve em vista realizar, estímulos corretivos são enviados de volta ao córtex para que o desempenho real seja igual ao pretendido. Dessa forma, o cerebelo relaciona-se com os ajustes dos movimentos, equilíbrio, postura e tônus muscular.

Tomate, licopeno e câncer

Vários estudos têm relatado associação inversa entre tomate e/ou licopeno e risco para vários tipos de câncer. Em 2004, o órgão norte-americano FDA (Food and Drug Administration) recebeu petições para declaração de qualidade à saúde de tomates, licopeno e a redução de risco de alguns cânceres.

O periódico Journal of the National Cancer Institute traz um estudo que descreve a revisão do FDA. O FDA não encontrou evidências confiáveis para confirmar a associação entre ingestão de licopeno e redução do risco de câncer de próstata, pulmão, colo-retal, gástrico, mama, ovariano, endometrial ou pancreático.

Também não foram verificadas evidências de associação entre consumo de tomate e redução do risco de câncer de pulmão, colo-retal, mama, cervical ou endometrial.

Por fim, o FDA encontrou evidências muito limitadas da associação entre consumo de tomate e risco reduzido de câncer de próstata, ovariano, gástrico e pancreático.

quarta-feira, 25 de julho de 2007

Consumo de refrigerantes aumenta o risco de síndrome metabólica

A prevalência de síndrome metabólica*, uma série de fatores de risco para problemas cardiovasculares, é maior entre adultos de meia idade que consomem regularmente refrigerantes, inclusive as bebidas livres de calorias, segundo estudo publicado hoje na revista Circulation.

Pesquisadores analisaram dados de pessoas com idade entre os 50 anos, livres de doenças cardiovasculares no início do estudo, e que foram avaliadas duas vezes entre 1998 e 2001.

Na primeira análise, as pessoas que consumiam um ou mais refrigerantes carbonatados por dia apresentavam 48% maior prevalência da síndrome, comparados com os que bebiam menos. Na segunda, eles tinham 44% maior risco, apresentando aumento de cada componente da síndrome, como hipertensão, colesterol alto e excesso de gordura abdominal.

*A Síndrome Metabólica (SM) é um transtorno complexo, caracterizada por um conjunto de fatores de risco cardiovasculares, relacionados com resistência à insulina e obesidade abdominal. É importante assinalar a associação da SM com doença cardiovascular, aumentando a mortalidade geral em cerca de 2 vezes e a cardiovascular em 3 vezes.

As sociedades médicas sugerem alguns métodos para detecção dos indivíduos portadores de síndrome metabólica. O Consenso sobre SM (2004) sugeriu que os indivíduos portadores de três ou mais dos seguintes critérios devam ser considerados como portadores de síndrome metabólica:

Obesidade abdominal (visceral), medida ao nível médio do abdômem: cintura > 102 cm em homens e > 88 cm em mulheres;
Hipertrigliceridemia: > 150 mg/dL
HDL colesterol: < 40 mg/dL em homens e < 50 mg/dL em mulheres;
Hipertensão arterial sistêmica > 130/85 mmHg;
Glicemia de jejum: > 110 mg/dL (recentemente, a Associação Americana de Diabetes sugeriu que os valores de normalidade para glicemia de jejum fossem reduzidos para, no máximo, 99 mg/dL, sendo possível que esse critério seja adotado também para síndrome metabólica em um próximo consenso da ATP III).

Recentemente a International Diabetes Federation (IDF, www.idf.org, maio 2005), sugeriu como critérios:

Obesidade central cujos limites possa variar conforme a etnia. Assim para europeus sugeriu para medida da circunferência da cintura os valores de 94cm para homens e 80cm para mulheres, para asiáticos 90 e 80cm e para japoneses 85 e 90cm respectivamente homens e mulheres.
E dois ou mais dos seguintes critérios:

Hipertrigliceridemia: > 150 mg/dL ou estar em tratamento específico
HDL colesterol: < 40 mg/dL em homens e < 50 mg/dL em mulheres ou estar em tratamento específico;
Hipertensão arterial sistêmica > 130/85 mmHg ou tratamento de hipertensão diagnosticado previamente.
Glicemia de jejum > 100mg/dL ou diabetes tipo 2 diagnosticado previamente
Outros clínicos e laboratoriais tem sido associados à SM, síndrome de ovário policístico, acanthosis migrican, doença hepática gordurosa não alcóolica, microalbuminúria, estados pró-trombóticos, estados pró-inflamatórios e de disfunção endotelial.

segunda-feira, 23 de julho de 2007

PSICONEUROIMUNOLOGIA - Leia com atenção- é longo, mas vale a pena!

As relações mais íntimas entre o cérebro e sistema imunológico começaram a ser melhor esclarecidas na década de 70, quando o psicólogo Robert Ader e o imunologista Nicholas Conhem realizaram um importante experimento, envolvendo a administração a ratos de uma droga imunossupresora, junto com água adoçada com sacarina. O sistema imunológico dos ratos fica condicionado ao sabor da sacarina; por fim, a administração da água adoçada, isoladamente, levou à supressão do sistema imunológico, à doenças e à morte. Oferecem-se provas irrefutáveis de que o cérebro poderia influenciar diretamente a imunidade.

A partir daí, numerosas pesquisadores descobriram diversas conexões fisiológicas entre o cérebro e o sistema imunológico. Eles mostraram que as células do sistema imunológico podem reagir as substâncias químicas e que as células nervosas reagem a mensageiros químicos secretados pelo sistema imunológico, estabelecendo uma comunicação plausível entre os dois sistemas.

Essa descobertas fisiológicas, juntamente com vários estudos clínicos de doenças que vão do resfriado comum à AIDS, deram orgiem à area da Psiconeuroimunologia
As células do sistema imunológico formam um forte exército, cujos principais elementos são linfócitos. Os linfócitos B ou células B são células que produzem anticorpos circulantes. Os anticorpos são pequenas proteínas membros da família das imunoglobulinas, que atacam bactérias, vírus e outros invasores externos ( antígenos ) . Os anticorpos se "encaixam" às moléculas de antígeno que atacam como uma chave que se ajusta à fechadura. Cada anticorpo ataca apenas um tipo de antígeno - p. ex, um vai atacar o vírus do resfriado, enquanto o outro ataca uma bactéria - e cada linfócitos B produz apenas um tipo de anticorpo para cada epítopo ( epítopo = parte do antígeno que é capaz de estimular a produção de anticorpos específicos contra ele).

Os linfócitos T ou células T, não produzem anticorpos. Essas células atacam o invasores externos ou trabalham junto com outras células que o fazem ( "T "vem do Timo, onde essas células se desenvolvem).
Os vários grupos de células T possuem diferentes funções : As células T citotóxicas, junto com outras células sangüíneas citotóxicas naturais ( NK - natural Killer) patrulham constantemente o organismo em busca de células perigosas. Quando encontram essas células T "associam-se" às células invasoras e liberam substâncias químicas microscópicas que as destroem. Cada célula T citotóxica , assim como cada anticorpo, ataca apenas um alvo muito específico: alguns atacam células que foram infectadas por vírus, outros atacam células cancerosas e alguns atacam tecidos e órgãos transplantados.

Cada célula citotóxica natural (NK), por sua vez, tem ma ampla gama de alvos e pode atacar tanto células tumorais quanto uma variedade de micróbios infecciosos.
Dois outros tipos de células T, chamada de células T "auxiliar ou LThelper" e "supressores" são especialmente importantes devido aos seus efeitos regulatórios sobre o sistema imunológico. As células T auxiliar ajudam os linfócitos B a produzir anticorpos, enquanto as célulasT supressores desativam a ação das células T auxiliares, quando o número de anticorpos produzidos é suficiente. Essas células comunicam-se entre si produzindo interferons, interleucinas e outros mensageiros químicos que governam a atividade das células do sistema imunológico. A proporção entre células auxiliares/supressores devem ser equilibrada para a saúde do organismo.

Os linfócitos T e B têm receptores na superfície de sua células que podem acionar, dirigir e modificar suas funções imunológicas. Esses receptores são a base molecular da influência da mente nos linfócitos. Os receptores são como fechaduras que podem ser abertas para acionar as atividades de cada célula. As chaves que abrem essas fechaduras são as moléculas mensageiras da mente-corpo: os neurotransmissores do sistema-nervoso autônomo, os hormônios do sistema endócrino e os imunotransmissores do sistema imunológico.

A mente regula ambos os sistemas , endócrino e nervoso autônomo. O sistema imunológico pode se comunicar de volta com o hipotálamo e com o sistema nervoso autônomo e endócrino via imunotransmissores.
Acredita-se que haja circuitos bidirecionais entre o sistema nervoso central (SNC) e o sistema imunológico. Produtos solúveis que parecem transmitir informação do compartimento imunológico para o SNC incluem timosinas, linfocinas e certas proteínas. Os peptídeos opióides, hormônio adrenocorticotróficos ( ACTH) e o hormônio estimulante da tireóide ( THS) são produtos adicionais de linfócitos e podem funcionar em circuito imunomodulatórios neuroendócrinos. A timosina pode servir como imunotransmissor, modulando os eixos hipotalâmicos hipofisário-suprarrenal e das gônadas. O sistema nervoso seria capaz de alterar o curso da imunidade via caminhos autônomo e neuroendócrino.

Um fato inconteste é a modulação psicológica direta e intencional do sistema imunológico . A ênfase no aspecto intencional e voluntária da situação psicológica é de grande importância. Um trabalho sobre a modulação mental do sistema imunológico via hipnose , placebos e condicionamentos comportamentais demonstrou que os processos de cura mente-corpo podem ser aditivados por influência externa. Outros trabalhos implicam que os humanos podem treinar a si mesmos para facilitar seus processos de cura interna mente-corpo.

Se se prova que o fato do ser humano poder modular significativamente sua resposta imunológica, então dois resultados importantes podemo ocorrer: o mecanismo de infecção ou de surgimento do câncer, associados com vários processos psicológicos, tais como desesperânça ou depressão, pode, possivelmente, ser melhor entendido.

Qualquer forma de estresse resultante de uma significativa mudança de vida (p. ex., a morte de um membro da família, mundança de emprego, mudança de família, etc.), pode ativar o eixo cortical-hipotalâmico-suprarrenal, para produzir os corticoesteróides que suprimem o sistema de vigilância imunológica - Lembre-se, os corticóides atuam no núcleo das células retardando a multiplicação celular e isso impede a expansão clonal leucocitária. Em resposta à mudança estressante de vida observa-se uma diminuição na atividade das células NK ( natural Killer ) exterminadore naturais. A boa habilidade em lidar com desafios ( poucos sintomas diante de um considerável estresse) estava associado com uma alta atividade celular NK exterminadora natural. O uso da sugestão hipnótica para intensificar ou deprimir a imunidade celular e resposta às injeções de antígenos foi bem comprovado por diversos autores.

NEUROTRANSMISSORES E HORMÔNIOS COM PROPRIEDADES IMUNOMODULATÓRIAS
Glicocorticóide Estimula produção de anticorpo, atividade NK, produção de citocinas
Catecolaminas Estimula proliferação linfocitária sob estímulo mitógeno in vitro
Acetilcolina Diminui o número de macrófagos e linfócitos na medula óssea
Homônios sexuais Controla transformação blástica de linfócitos
Endorfinas Controla a síntese de anticorpo, ativação de macrófagos e células T
Metionia - encefalina Estimula em dose baixa, ativação de células T; em altas doses inibe
Tiroxina Estimula a ativação de LT e anticorpos
Prolactina Ativa macrófagos e anticorpos
Hormônio do crescimento Ativa macrófagos, síntese de anticorpos e modulação da IL-2
Vasopressina Estimula a proliferação de LT
Acitocina Estimula a proliferação de LT
Peptídeo intestinal vasoativo Controla a produção de citocinas
Melatonina Aumenta a síntese de anticorpos
ACTH Controla a produção de citocinas, atividade NK, síntese de anticorpos, ativação de macrófagos
Somatostatina Controla a síntese de anticorpos, resposta de linfócitos a mitógenos
Sabemos, atualmente, que as pessoas mais propensas a desenvolver doenças em reação ao estresse provavelmente são aquelas cujos sistemas imunológicos já estão parcialmente comprometidos, seja por uma doença como a AIDS ou por processo natural como o envelhecimento. Esses processos começam com defesas imunológicas depauperados, o que permite que pequenas mudanças associadas com o estresse gere conseqüências importantes. Até mesmo pessoas jovens, geralmente saudáveis, podem ficar doentes com mais freqüência quando sujeitos a períodos de estresse intenso, longo e contínuo.

Doenças cuja etiologia psicológica está provado:

Asma brônquica
Urticária
Doenças Infecciosas
Neoplasias ( câncer)
Colite ulcerativa
Artrite reumatóide
Lupus eritematoso sistêmico
Esclerodermia
Dermatomiosite

Procura de contraceptivos de emergência por mulheres pela internet

Um estudo do periódico Obstetrics & Gynecology avaliou a busca de mulheres por anticoncepcionais de emergência pela internet, através do site The Emergency Contraceptive Website (http://ec.princeton.edu).

Segundo os resultados, as participantes eram, em sua maioria, brancas, com nível superior e residentes na zona urbana. Foram citadas dificuldades estruturais no acesso a pílulas de emergência. Houve pouco entusiasmo para acesso sem prescrição devido à preocupação de que os parceiros pudessem ter comportamentos sexuais de risco. A consulta com um profissional de saúde foi valorizada; 42% declararam que conversariam com um médico mesmo se o acesso sem prescrição fosse disponível.

Pode-se concluir que a internet, como fonte de contracepção de emergência, mostra-se limitada para mulheres de elevado status sócio-econômico na amostra analisada. Os médicos devem estar preparados para orientar as pacientes, apesar de as pílulas de emergência serem agora disponíveis para muitas mulheres sem prescrição.

sábado, 21 de julho de 2007

O uso de cinto de segurança em bancos traseiros pode salvar vidas

O periódico British Medical Journal traz um estudo que avalia a eficácia do uso de cinto de segurança em bancos traseiros.

A análise norte-americana de 10.738 acidentes fatais envolvendo passageiros de veículos sugere que o uso de cinto de segurança no banco traseiro pode reduzir o risco de morte em cerca de 60% em automóveis e 70% em caminhões leves.

A diferença é explicada pelo fato de o último ser mais propenso a tombar durante a colisão, de modo que o cinto previne a ejeção do passageiro.

Durante o período de estudo de 2000 a 2004, 57% dos motoristas usavam cintos, o que se repetia em 15% dos passageiros que assentavam no centro dos bancos traseiros e 29% dos que estavam na lateral. Nos países cujas leis requerem o uso de cintos de segurança nos bancos da frente, poucos ocupantes morrem.

Este estudo sugere que leis que exijam uso de cinto pelos passageiros do banco de trás, acompanhadas de campanhas educacionais, podem levar a um desfecho similar.

quinta-feira, 19 de julho de 2007

Transtorno de ansiedade generalizada e ingresso em matrimônio ou relacionamento semelhante

Estudos prévios sugerem que indivíduos com transtorno de ansiedade generalizada relatam níveis significativamente maiores de conflitos matrimoniais e estão sob maior risco de divórcio do que aqueles sem o transtorno.

A literatura demonstrou, ainda, que as dificuldades de relacionamento dos pacientes predizem pior resposta ao tratamento e desfecho em longo prazo. Num estudo do periódico Journal of Anxiety Disorders, foi examinada a relação entre o diagnóstico de transtorno de ansiedade generalizada e a história matrimonial.

Observou-se que o transtorno de ansiedade generalizada está significativamente associado à probabilidade de ingresso em uma relação semelhante a casamento. Os resultados reforçam o prosseguimento da investigação da associação entre o funcionamento do casal e o início, curso e tratamento do transtorno de ansiedade generalizada.

Assim, as intervenções de casais podem constituir um recurso no tratamento

terça-feira, 17 de julho de 2007

Exercícios previnem quedas em pessoas com doença de Parkinson


Para algumas pessoas com doença de Parkinson, um programa personalizado de exercícios em casa e instruções podem prevenir quedas, comuns a esses pacientes, segundo estudo da Universidade de Southampton, no Reino Unido.


De acordo com os pesquisadores, muitas vezes, os medicamentos e estímulos mentais não conseguem melhorar o equilíbrio e diminuir as quedas. Na pesquisa, participaram 142 pacientes com o distúrbio que haviam caído pelo menos uma vez no ano anterior à pesquisa – um grupo continuou o tratamento convencional, e o outro recebeu um programa de exercícios em casa, acompanhado de perto por um fisioterapeuta nas primeiras seis semanas.


E o programa foi responsável, em seis meses, pela redução das quedas e dos ferimentos, e pela melhora funcional e da qualidade de vida.

segunda-feira, 16 de julho de 2007

Neuroplasticidade


Neurônios crescem em adultos? Apesar de os livros de biologia dizerem que não, estudos recentes têm apontado o contrário. A mais recente novidade nesse sentido vem do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos.


Uma pesquisa liderada por Elly Nedivi, do Departamento de Ciências Cerebrais e Cognitivas, verificou o crescimento de células em cérebros adultos. Segundo os autores, os resultados sugerem a possibilidade de que se possa promover o crescimento de novas células para substituir outras danificadas por doenças ou lesões na medula espinhal resultantes de acidentes.


"Saber que neurônios são capazes de crescer no cérebro adulto nos oferece uma chance de tentar incrementar o processo e de explorar em quais condições podemos fazer com que esse crescimento ocorra", disse Elly em comunicado do MIT. Os resultados foram publicados na edição de 27 de dezembro do periódico Biology, da Public Library of Science (PLoS).

CPMF o imposto para a Saúde!

Quando o Prof. Dr. Adib Jatene promoveu a campanha para que se criasse uma taxação nova com a finalidade de auxiliar a Saúde do País, ele não poderia imaginar que este imposto seria mais um problema para o povo brasileiro.

Um imposto cruel, recolhido da classe média diretamente na conta corrente, sem perspectivas de controle do indíviduo, mas com absoluto controle do Governo sobre a pessoa, com mecanismo de recolhimento direto.

Paga-se um imposto que não vai realmente, ou pelo menos em sua totalidade, para o SUS, para a Saúde Pública. Ou você tem visto, nesses últimos dez anos, alguma melhoria REAL da Saúde no País?

Agora em setembro o Congresso Nacional deverá decidir pela manutenção ou não dessa taxação estranha (qual delas não é?). Aqui temos um link para você votar CONTRA a manutenção da CPMF.

VAMOS LÁ?

http://apps.fiesp.com.br/pesquisas/cpmf/cpmf.asp

sábado, 14 de julho de 2007

Nova proteína ajuda a combater sintomas de Parkinson


Cientistas finlandeses descobriram uma nova proteína que, segundo eles, pode ajudar a diminuir ou até reverter os sintomas do mal de Parkinson.


O Parkinson destrói as células nervosas do cérebro que produzem o químico dopamina, causando problemas de movimento e de equilíbrio.


Os pesquisadores descobriram uma molécula que pode prevenir a degeneração destes neurônios e ajudar na regeneração das células danificadas.


Segundo artigo publicado na revista científica Nature, os sintomas do Parkinson diminuíram em ratos que receberam injeção com a proteína.


Os remédios anti-Parkinson atualmente disponíveis não impedem as células nervosas de degenerarem-se e morrerem. Por isso, os efeitos dessas drogas são curtos e ineficazes.


Os pesquisadores da Universidade de Helsinki acreditam que a nova molécula – chamada de fator neurotrópico conservador de dopamina (ou CDNF, na sigla em ingês) – tem grande potencial para ser usada em tratamentos de Parkinson.

Pesquisas anteriores tinham como foco outra proteína – a GDNF – que também foi considerada por muitos cientistas como uma alternativa em tratamentos. No entanto, algumas pesquisas levantaram dúvidas sobre o efeito da proteína e os seus efeitos colaterais.

A equipe de Helsinki decidiu concentrar sua pesquisa em proteínas semelhantes, conhecidas como fatores de crescimento, que funcionam de forma parecida, com a vantagem de poderem ser melhor toleradas pelo corpo.

A CDNF, ao contrário de outras proteínas, funcionava especificamente para células do cérebro. Nos testes em ratos – que foram criados para apresentarem sintomas semelhantes ao Parkinson – a CDNF protegeu 96% das células nervosas da degeneração.


Para determinar se a proteína também poderia reparar o dano a células nervosas, os pesquisadores também testaram a molécula em ratos com sintomas mais avançados semelhantes à doença.


Em ratos que já tinham 70% das células produtoras de dopamina danificadas, a proteína conseguiu reduzir o índice de dano para 58%.

"Nossa nova proteína tem grande potencial para ser desenvolvida como um remédio para o mal de Parkinson, mas nós precisamos fazer mais experiências com animais e também mais estudos de toxicologia antes de começar testes clínicos", disse Mart Saarma, que liderou a pesquisa.

Já Kieran Breed, da sociedade britânica de Parkinson, disse que a pesquisa ainda está em um estágio muito preliminar para indicar potencial de uso em terapias.

quinta-feira, 12 de julho de 2007

Depressão pode estar ligada a baixos níveis de folato

Um estudo da Universidade de York, no Reino Unido, sugere que pessoas com baixos níveis de folato, tipo de vitamina B, no organismo, tem maior risco de ter depressão.

O ácido fólico, um tipo de folato, pode ser encontrado em hortaliças verdes (espinafre, couve, couve flor), cogumelos, músculos, ovos, frango, batata, cenoura e até em algumas marcas de pão de fôrma.

Os especialistas avaliaram 11 estudos sobre a associação entre o folato e a depressão, envolvendo um total de mais de 15 mil participantes.

E os pesquisadores concluíram que pessoas com baixos níveis da vitamina têm o risco de depressão aumentado em 55%.

Por isso, recomendam a identificação dos níveis da vitamina como forma de prevenir e tratar a depressão.

quarta-feira, 11 de julho de 2007

Exercícios físicos melhoram a qualidade de vida em idosos


Um novo estudo publicado no Journal of the American Geriatrics Society confirma que exercícios físicos promovem uma melhor qualidade de vida em pessoas idosas.


A pesquisa comparou a eficiência de três programas feitos para reduzir quedas e melhorar a qualidade de vida de pessoas com mais de 65 anos de idade – instrução; avaliação e modificação da segurança da moradia; e exercícios.


Participaram do estudo, idosos que haviam sofrido quedas até quatro semanas antes da pesquisa.


E os especialistas observarm que todos os programas levaram a alguma melhora na qualidade de vida, porém, aqueles que passaram pelo programa de exercícios apresentaram melhoras mais significativas na capacidade física (equilíbrio, alcance funcional), no bem-estar psicológico e nas relações sociais.

segunda-feira, 9 de julho de 2007

Pesquisadores descobrem pista importante nos processos de depressão.

Cientistas americanos podem ter encontrado um centro cerebral importante nos processos que levam à depressão, e ele poderia servir como foco para tratamentos futuros.

Os pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, analisaram a atividade elétrica de fatias do hipocampo de ratos, que, segundo eles, tem sintomas comportamentais e cerebrais parecidos com os humanos.

Com o uso de câmeras de alta velocidade e resolução, eles observaram que os comportamentos da depressão se manifestam por mudanças em sinais elétricos que passam por esse circuito, ligado ao nascimento de novos neurônios.

E essas alterações poderiam ser reajustadas com o uso de drogas contra a depressão. De acordo com os especialistas, a descoberta pode levar a diagnósticos e tratamentos mais eficazes da depressão em humanos.

Recusa de tratamento

Estudo mostra que mais da metade dos jovens com ansiedade ou depressão não procura ajuda médica.
Estudos recentes feitos nos Estados Unidos indicam um aumento na incidência de problemas de saúde mental em estudantes do ensino superior. Agora, um trabalho divulgado na edição de 24 de junho da revista Medical Care aponta que mais da metade dos alunos com fortes sintomas de ansiedade ou de depressão não procura ajuda.
Pesquisas sobre o assunto aumentaram após a tragédia ocorrida no campus da Universidade do Estado da Virgínia, em 16 de abril, quando o aluno Seung-Hui Cho matou 32 pessoas. O novo estudo foi conduzido com 2.785 alunos da Universidade de Michigan, que responderam a um questionário publicado na internet.
O trabalho, conduzido por Daniel Eisenberg, professor da Escola de Saúde Pública da universidade, será seguido por outro, que envolverá de 12 a 15 universidades e começará no segundo semestre deste ano. Na Universidade de Michigan, estudantes contam com acesso a serviços gratuitos de acompanhamento de saúde física e mental. De acordo com o distúrbio mental analisado, a proporção de alunos que não procuram tratamento variou de 37% a 84%.
Apesar disso, 72% daqueles com diagnóstico positivo para depressão crônica afirmaram ter consciência de que precisavam de ajuda especializada. No geral, 10% dos participantes disseram receber terapia e a mesma porcentagem afirmou tomar algum tipo de medicamento psicotrópico.
De acordo com a pesquisa, a situação socioeconômica pareceu influenciar os casos em que se buscou ajuda: o número foi duas vezes maior entre os representantes de família mais ricas. Os mais pobres, por outro lado, acusaram mais sintomas de depressão ou ansiedade. “Mas não podemos assumir que reduzir barreiras financeiras será suficiente para resolver o problema”, disse Eisenberg.
Outros fatores identificados como associados com a recusa em procurar ajuda incluem a falta de conhecimento do problema e o ceticismo com relação à eficiência dos tratamentos. As mulheres se mostraram mais propensas a buscar ajuda especializada do que os homens. “É importante entender o que motiva os estudantes a procurar ajuda ou não, uma vez que a maioria dos distúrbios mentais se manifesta antes dos 24 anos e representa problemas que freqüentemente têm implicações duradouras”, disse Eisenberg.

sexta-feira, 6 de julho de 2007

Patch test para atopia permite diagnóstico em pacientes pediátricos portadores de sintomas gastrintestinais relacionados à alergia alimentar


Pouco se sabe sobre a acurácia diagnóstica de patch tests para atopia na prática clínica da gastroenterologia pediátrica. Além disso, patch tests contendo extratos alimentares purificados tornaram-se disponíveis recentemente, porém sua acurácia diagnóstica é extensamente indefinida.

Pesquisadores italianos publicaram, recentemente, no Allergy, um estudo em que avaliaram a acurácia diagnóstica de testes de provocação alimentar, prick tests cutâneos, determinação sérica de IgE específica e patch tests para atopia utilizando extratos alimentares comerciais e extratos alimentares frescos em paralelo em pacientes pediátricos encaminhados por suspeita de sintomas gastrintestinais relacionados à alergia alimentar.


Os pesquisadores concluíram que o patch test para atopia é ferramenta diagnóstica útil em pacientes pediátricos portadores de sintomas gastrintestinais relacionados à alergia alimentar. A acurácia diagnóstica do patch test para atopia foi superior com a utilização de extratos alimentares frescos, comparados a extratos alimentares comerciais.

quinta-feira, 5 de julho de 2007

Consumo exagerado de bebidas de cola é relacionado a problemas renais


Pessoas com alto consumo de refrigerantes de cola podem estar colocando em risco a saúde de seus rins, segundo pesquisadores dos Estados Unidos.


De acordo com o estudo, publicado na edição de julho da revista científica Epidemiology, beber mais de dois copos dessas bebidas por dia mais do que dobra a possibilidade de ter doença crônica nos rins.


Foram pesquisados os tipos de bebida e a freqüência de consumo de 465 pessoas que tinham sido recentemente diagnosticadas com a doença e 467 saudáveis. E os pesquisadores acreditam que nem a cafeína, nem o açúcar são os culpados pelo maior risco da doença; e sim o ácido fosfórico presente nessas bebidas.


Os especialistas destacam que mais pesquisas são necessárias, mas defendem que a moderação "é sempre uma coisa boa".

quarta-feira, 4 de julho de 2007

CID e Exames Médicos

A Associação Paulista de Medicina (APM) divulgou comunicado à classe médica referente à decisão judicial sobre preenchimento da CID em documentos médicos e sobre solicitações de exames.

A decisão proíbe a exigência do preenchimento da CID como condição para realização de exames e pagamentos de honorários médicos. Além disso autoriza a realização de exames ou outros procedimentos médicos solicitados por profissionais não credenciados à operadora de plano de saúde.

Leia abaixo o comunicado na íntegra:

Informamos que a Justiça proferiu a sentença de ação pública impetrada pelo Ministério Público Federal, proibindo, permanentemente, a Agência Nacional de Saúde e as operadoras de planos de saúde, de exigirem o preenchimento da CID como condição para a realização de exames e pagamento dos honorários médicos.

Em sua decisão, o juiz ainda determinou à ANS e às operadoras autorizar a realização de exames ou outros procedimentos médicos afins solicitados por profissionais não credenciados, sendo obrigadas a abolir a restrição a médicos especializados e credenciados, e a autorizar nova consulta ao mesmo profissional, independentemente de delimitação de prazo e procedimento prévio para justificativa. (Decisão publicada no D.O.E. de 25/04/07 – RJ - ainda sub judice). O Conselho Federal de Medicina, no uso das suas atribuições, publicou a Resolução CFM nº 1.819/2007 no D.O.U. de 22/05/07 (seção I, pg. 71), que proíbe ao médico o preenchimento nas guias do TISS de consulta e solicitação de exames das operadoras de planos de saúde, dos campos referentes à Classificação Internacional de Doenças (CID) ou diagnóstico escrito e tempo de doença, concomitantemente com qualquer outro tipo de identificação do paciente ou qualquer outra informação sobre diagnóstico, haja vista que o sigilo na relação médico-paciente é um direito inalienável do paciente, cabendo ao médico sua proteção e guarda.

Excetuam-se desta proibição, os casos previstos em Lei ou àqueles em que haja transmissão eletrônica de informações, segundo Resoluções emanadas do CFM. Considera-se falta ética grave, todo e qualquer tipo de constrangimento exercido sobre os médicos, para forçá-los ao descumprimento desta Resolução, ou de qualquer outro preceito ético ilegal. Sendo assim, respondem perante os Conselhos de Medicina, todos os diretores médicos, os diretores técnicos, os prepostos médicos e quaisquer outros médicos que, direta ou indiretamente, concorram para a prática do delito ético.

Atenciosamente,
Dr. Tomás Patrício Smith-HowardDiretor de Defesa Profissional
Dr. Jorge Carlos Machado CuriPresidente

segunda-feira, 2 de julho de 2007

Exposição ao sol pode ser insuficiente para garantir vitamina D

Em muitas pessoas, a abundante exposição ao sol não é suficiente para o aumento dos níveis de vitamina D, segundo pesquisa da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos.

A falta de tomar sol adequadamente é, muitas vezes, culpada pelos baixos níveis da vitamina, importante para manter os ossos saudáveis. Porém, segundo os autores do estudo, essa verdade ainda não está clara.

Na pesquisa, apesar dos 93 participantes, moradores do Hawaii, tomarem bastante sol (média de 11,1 horas por semana de exposição da pele), 51% apresentavam baixos níveis de vitamina D.
Com isso, os especialistas afirmam ser importante, mas insuficiente, a exposição adequada ao sol recomendada pelos médicos.