Translate

Total de visualizações de página

terça-feira, 24 de abril de 2007

Algo sobre a Dengue

No Brasil assim como no resto do mundo a Dengue é uma forma de doença que acompanha o ciclo das chuvas, a primeira ocorrência epidêmica registrada, no norte do país aconteceu em 1846, surgindo depois outra em Boa Vista - Roraima, entre 1981 e 1892.

Mas foi em 1986 que o habito do inseto sofreu uma mutação, passando a procriar nos ralos e vasos no interior nas habitações, nesse ano, inaugurou-se no Brasil uma nova modalidade de epidemia urbana, iniciada no Rio de Janeiro e seguindo para Ceará e Alagoas. No ano seguinte, atingiu também Bahia, Minas Gerais, Pernambuco e São Paulo, tornando-se endêmica nestes locais.

Em 1990 foi detectado um surto de dengue hemorrágica no Rio, que incidiu principalmente nas pessoas que já haviam ficado doentes na epidemia de 1986.

Segundo dados do Ministério da Saúde, entre janeiro e setembro de 2006 foram registrados 279.241 casos de dengue o equivalente a 1 caso (não fatal) para cada 30 Km ² do território desse país. Um crescimento de 26,3% em relação ao mesmo período em 2005. A maior incidência foi na Região Sudeste do Brasil.

Apesar dos números, para o Governo federal não ocorre uma nova epidemia da doença no Brasil. No entanto, medidas para combater o mosquito foram tomadas – como mapeamento de focos do Aedes aegypti e orientação à população das áreas com maior risco de infestação.

A cidade de Ilha Solteira lidera o ranking da epidemia de dengue no estado de São Paulo. Segundo dados não oficiais, Ilha Solteira com pouco mais de 26 mil habitantes conta com mais de 13 mil casos da doença com 3 mortes até o mês de março de 2007. A prefeitura da cidade não manifestou preocupação alguma e divulga na imprensa que no máximo 200 pessoas tiveram dengue e que não houve qualquer caso de morte. Tal situação causa preocupação, pois a cidade conta com mais de três mil universitários de diversas partes do país e devido a movimentação destes, espalhar a doença mais ainda.

No Brasil, a ocorrência de vitimas fatais por dengue, registrados por ano foi de 1 morte para cada 567.464 km ² de solo, some-se isso ao custo de um exercito de profissionais altamente treinados para pulverizar um pó anti-larva nos ralos e vasos sanitários e do uso de veículos especiais providos de atomizadores com a missão de borrifar veneno na atmosfera das habitações dos contribuintes durante o amanhecer ou no entardecer se tem uma ideia dos interesses envolvidos, são essas cifras alarmantes que obrigam o governo federal a investir milhões de dólares no combate ao mosquito.

Recentemente está havendo uma epidemia de Dengue no estado do Pará, sendo que 7000 casos estão no Pará, 400 em Belém e 3 pessoas no estado já estão sob suspeita de dengue hemorrágica, sendo que uma é do município de Tucuruí e duas são da capital Belém..

quarta-feira, 18 de abril de 2007

Alergia na Infância - Dados Recentes

A exposição a alérgenos na primeira infância pode aumentar o risco de alergia na infância, porém o efeito protetor da redução da exposição a alérgenos permanece incerto.

Pesquisadores britânicos publicaram, recentemente, no The Journal of Allergy and Clinical Immunology, um estudo em que procuraram avaliar o efeito da redução da exposição a alérgenos alimentares e de ácaros domésticos na infância, na prevenção de asma e alergia.

Pacientes pediátricos, em risco aumentado de doenças alérgicas por predisposição familiar, foram recrutados no período pré-natal e foram randomizados para os grupos profilático e controle. Pacientes alocados no grupo profilático foram alimentados com leite materno e suas mães receberam dieta pobre em alérgenos ou fórmula altamente hidrolizada.

A exposição a ácaros domésticos foi reduzida pelo uso de acaricida e protetores de colchões. O grupo controle seguiu recomendações padronizadas. O desenvolvimento de doenças alérgicas e a sensibilização a alérgenos comuns (atopia) foi avaliada cegamente às idades de 1, 2, 4 e 8 anos nos 120 pacientes.

Análises de medidas repetidas, ajustadas para todas as variáveis relevantes de confusão, confirmaram efeito protetor em relação à asma.

O efeito protetor foi primariamente observado no subgrupo de pacientes com doença persistente (sintomas em todas as consultas) e em pacientes com evidência de sensibilização alérgica.

Portanto, os pesquisadores concluíram que a ocorrência de doenças alérgicas pode ser reduzida, pelo menos, nos primeiros oito anos de vida, pela abstinência de exposição a alérgenos de ácaros domésticos e alérgenos alimentares na infância.

terça-feira, 17 de abril de 2007

As Fibras São Muito Importantes Para a Saúde

A industrialização de alimentos tem alterado os hábitos alimentares nos mais diversos grupos culturais e regionais do mundo, levando ao consumo cada vez maior de produtos processados, ricos em lipídeos, carboidratos simples e pobres em fibras alimentares.

Esse padrão alimentar tem forte associação a doenças crônicas não transmissíveis, como obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares, etc. Cada vez mais há associação entre o baixo consumo de fibras e constipação intestinal, hemorróida, doença diverticular, neoplasia maligna de cólon, obesidade, intolerância à glicose, dislipidemias, doenças cardiovasculares, etc.As principais funções das fibras estão na promoção de um bom funcionamento intestinal, na redução dos níveis de colesterol e glicose no sangue, além de facilitarem a digestão e promovem sensação de saciedade.

A cada dia surgem novas pesquisas sobre os benefícios que as fibras podem proporcionar ao organismo. Como você pode perceber, ela não é indicada apenas para quem tem o intestino preso, mas para todo mundo. A fibra faz parte de uma alimentação saudável e completa, apesar de não ser considerada um nutriente, ela é imprescindível à saúde.

que são fibras?As fibras consistem as partes não digeríveis dos alimentos de origem vegetal. Elas não são absorvidas pelo organismo, mas desempenham funções importantes.Quais são os tipos de fibras e para que servem?Fibras solúveis - Atuam no estômago e no intestino delgado, tornando a digestão mais lenta e dessa forma propõe uma melhora na digestão dos nutrientes, principalmente os açúcares e gorduras. Esse tipo de fibras ainda auxilia no controle do metabolismo energético e evita o aumento da glicemia no sangue. De acordo com alguns estudos, também contribui na diminuição das taxas de colesterol. Você encontra este tipo de fibras em frutas e vegetais, especialmente maçãs, laranjas e cenouras, flocos de aveia, cevada e legumes.Fibras insolúveis – A função principal deste tipo de fibra é acelerar o trânsito intestinal, aumentando então o bolo fecal e proporcionando melhora na obstipação intestinal ou prisão de ventre. Atuam ainda prevenindo o câncer de intestino, em função do menor contato das substâncias cancerígenas com a mucosa intestinal. Sua atuação ocorre na parte inferior do intestino grosso. Você encontra este tipo de fibra em grãos de cereais, casca de frutas e verduras, arroz integral, leguminosas (feijão, soja, lentilha), farelo de trigo, etc.Não é preciso se preocupar com o tipo de fibra que você vai ingerir diariamente e sim se preocupar em atingir a recomendação, para assim ter um bom funcionamento intestinal.Qual a recomendação diária?De acordo com a DRI (Dietary Reference Intake) a recomendação é de 20 a 40g por dia de fibras para adultos saudáveis.Consumir em excesso é prejudicial?Atingir a recomendação é algo difícil, por isso o excesso dificilmente irá acontecer, mas pode ser prejudicial sim. Aumente gradativamente o consumo de fibras em sua alimentação. Se esse aumento for brusco, pode causar cólicas, gases e diarréias.Com a ingestão de fibras quais os benefícios meu organismo terá?Saciedade – As fibras solúveis absorvem água e formam géis, permanecendo mais tempo no estômago e proporcionando maior saciedade.Controle da glicose – As fibras promovem a liberação mais lenta e constante da glicose e ajuda a regularizar os níveis no sangue.Diminui o colesterol – O consumo de fibras aliado a uma dieta pobre em gordura saturada e a prática de exercícios físicos diminui as taxas de colesterol sanguíneo. Isto ocorre porque as fibras absorvem as moléculas de gordura e produzem substâncias que normalizam a síntese de colesterol.Contribui com o bom funcionamento intestinal – As fibras aceleram a passagem do bolo fecal pelo intestino e dessa forma contribuem com o bom funcionamento do intestino. Em geral as fibras promovem uma flora intestinal saudável, aumentando as bactérias benéficas e minimizando as bactérias patogênicas. Assim, ajudam a prevenir a constipação e outras doenças como o câncer por exemplo. É importante lembrar que o consumo de fibras por si só não produz efeitos se não houver uma ingestão razoável de água, cerca de 2 a 3 litros por dia.Em quais alimentos encontro mais fibras?As fibras estão presentes em maior quantidade em verduras, legumes, leguminosas, frutas, cereais integrais (arroz, pão, macarrão, biscoito, etc) e cereais matinais (aveia, farelo de trigo, semente de linhaça, etc).

quinta-feira, 12 de abril de 2007

Bom para Alguns Diabéticos

Células-tronco podem livrar diabéticos de insulina

Testes clínicos com uma terapia com células-tronco permitiu que pacientes com diabetes tipo 1 se livrassem das injeções de insulina por meses, e , em um caso, por três anos, segundo um estudo liderado pelo cientista Júlio Voltarelli, da Universidade de São Paulo, publicado ontem nos Estados Unidos.

Segundo especialistas, essa é a primeira terapia contra diabetes tipo 1 que tem a suspensão do tratamento com medicamentos. Na pesquisa, os cientistas coletaram células-tronco dos voluntários, aplicaram neles a quimioterapia para suprimir o sistema imunológico e reaplicaram as células.

Treze dos 15 pacientes conseguiram se livrar das injeções das quais dependiam, e continuam livres do medicamento até hoje. Mais pesquisas são necessárias para confirmação.

terça-feira, 10 de abril de 2007

Acreditar, eu não acredito!

Em um de meus últimos atendimentos uma de minhas clientes venho com queixa de passar muito mal após ingerir determinado medicamento, que já havia tomado antes. Algumas curiosidades, digamos, incosistentes me chamaram atenção nesse atendimento em particular.
Todos precisamos saber que qualquer medicamento pode nos fazer mal em qualquer momento, mesmo que já o tenhamos utilizado em muitas ocasiões. Até mesmo alergias por qualquer mediacamento pode surgir aleatoriamente, mesmo que sejamos usuários rotineiros de determinado remédio. Incrível, mas este fato é realmente possível. Já atendi um caso de um senhor que tomava Aspirina infantil para "afinar o sangue" e, depois de cerca de 5 anos de uso, começou a apresentar quadro de urticária todos os dias, mais ou menos 2 horas depois que tomava o remédio. Aí, claro, fizemos um teste, com o consentimento dele: suspendemos a Aspirina por 5 dias. A urticária desapareceu. No sexto dia ele tomou o medicamento e, imediatamente, teve uma crise forte de urticária, precisando, inclusive de medicação injetável para auxiliar na regressão, em um pronto-socorro.

Assim, se você toma um medicamento há anos, não fique tão seguro de que ele não lhe dará qualquer reação só pelo fato de que "nunca deu nada". Ele pode, sim, lhe causar reações adversas a qualquer momento. Até mesmo um alimento pode fazer isso!

Quando a paciente que citei no início me contou o que fez para melhorar é que eu achei mais curioso: ela usou de recursos que aprendeu em um curso de mediunidade. Neste curso, as cores que são projetadas, mentalmente, no organismo, auxiliam na cura ou chegam mesmo a curar as doenças. Ela citou, por exemplo, que o verde curaria o aparelho digestório (aliás, detesto a terminologia nova! não sei para que a alteração, digestivo ficava tão bem!). Só não sei de onde vem a informação de que o verde é responsável pela cura do dito aparelho. Quem inventou ou criou isso? Há livros que citam a cromoterapia como método de tratamento. Mas, se você parar para ler só um pouco das obras, encontrarão inconsistências bastante importantes.

Uma citação técnica, e nem vou falar científica, mas técnica, precisa ser fundamentada em algo "palpável", factível, comprovável. Se alguma obra tem por base informações que não possam ser verificadas nem por experimentos, nem por observação, essa obra não pode ser considerada como confiável.

Posso citar um exemplo claro. A própria cromoterapia é fundamentada na imaginação de quem a propaga. Não há um só fato observável ou passível de experimentação em sua estrutura. Trata-se de uma proposta fundamentada em conjecturas de uma pessoa ou de um grupo de pessoas e não de uma proposta REAL que realmente tenha base sólida com raciocínio claro ou mesmo discutível. Sim, pois as idéias, os ideais, podem ter pontos de vista diferentes, mas precisam ser REAIS para que sejam aceitos em um trabalho qualquer, seja ele da área de ciências humanas, exatas ou biológicas. Com agravantes para a área de ciências exatas, certamente, pois ninguém que entenda MESMO de matemática, poderá contestar um teorema ou um cálculo estrutural. A mesma citação eu poderia dar para a tal dieta do tipo sangüíneo. Em que se baseia a informação de que determiados alimentos são melhores para o AB e não tão bons para o O, por exemplo? Baseia-se em fatos REAIS? Certamente que não. Basta ler as obras que citam tais propostas e VERIFICAR que não se trata de uma REALIDADE, mas sim algo "mágico", que dita regras mas que não mostra em profundidade os porquês, simplesmente por que não há porquê.

Alguém que venha a ler este texto poderá não aceitar minhas colocações. Acredito seja natural essa divergència de opiniões. Acredito que, para formarmos opinião sobre os assuntos, deveríamos ler e estudar o assunto em pauta para que as opiniões possam ser expostas. Eu li os dois temas e posso dizer que não consigo notar qualquer consistência em ambas e até sugiro a quem tenha opinião formada em oposição à minha que se manifeste. Mas que o faça com argumentos factíveis, isto é, com argumentos que possam ser raciocinados e/ou comprovados através da experiência ou da observação, para que não fiquemos nos "ACHISMOS" tão comuns em debates sem respaldo de contexto sólido.

Quanto à minha paciente, todo respeito pela sua maneira de crer e de se defender dos seus mal-estares, sem qualquer problema, mas gostaria de, um dia, poder lhe recomendar que, sendo Espírita, tentasse observar o que o Espiritismo dita a respeito, em REALIDADE, para notificar-se de que Allan Kardec não recomenda quaisquer atitudes mentais voltadas para as crendices mais simples ou mesmo para recursos terapêuticos que difiram do racional e científico.

segunda-feira, 9 de abril de 2007

Vacina para infecções de ouvido na infância...

A infecção de ouvido em crianças é uma das mais freqüentes afecções encontradas em atendimento ambulatorial – consultórios, pronto-atendimentos, pronto-socorros – por conta de alguns fatores que podemos chamar de predisponentes para as crianças, como, por exemplo, a anatomia da trompa (canal) que comunica o ouvido (orelha) médio com a faringe posterior, que é mais horizontalizada nos pequenos do que em indivíduos maiores, nos quais ela já é mais verticalizada e dificulta o “retorno” de líquidos para dentro do ouvido (orelha) médio, onde estáo estruturas importantes para o mecanismo da audição, como aqueles ossículos (martelo, bigorna e estribo) que “recebem” o estímulo vibratório do som e “passam” essas informações para as estruturas seguintes, neurais, que se incumbem de transmitir para o sistema nervoso central, para que este identifique o som e o “traduza”. As dificuldades imunológicas do primeiro ano de vida, também são fatores importantes para a instalação das mais diversas infecções, e a otite média (deveria chamar de “orelhite” média?) não é exceção neste quadro.
Trata-se de quadro clínico bastante freqüente na clínica pediártica de rotina. Mas, os pesquisadores estão sempre em busca de soluções para nossos problemas, não é mesmo? Então...
Uma vacina pode ajudar a reduzir o número de crianças que têm freqüentes infecções no ouvido, segundo uma nova pesquisa publicada na edição de abril da revista Pediatrics. Pesquisadores norte-americanos acompanharam 27 mil crianças em Nova Iorque e 150 mil no Tennessee, do nascimento aos dois anos, depois que a vacina conjugada contra pneumococo foi licenciada em 2000. A vacina protege contra os tipos mais mortais de meningite (que, frequentemente são complicações das otites) e outras doenças pneumocócicas, como infecção no ouvido (otites). E os pesquisadores observaram que, durante o tempo de cobertura da vacina, o número de crianças que desenvolveram as infecções reduziu em 16% no Tennessee e 25% em Nova Iorque.
Como se vê, o campo da imunologia está sendo bastante gratificante para os cientistas. E para nós também!

sexta-feira, 6 de abril de 2007

A Luta Contra o Tabagismo

Regulamentação colocada ontem em consulta pública pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) propõe a proibição total do fumo em bares, restaurantes, danceterias ou qualquer outro local fechado, público ou privado, acabando assim com as áreas reservadas para fumantes e não-fumantes. Segundo o órgão, essa divisão existente hoje não protege o fumante passivo porque a fumaça continua a circular no ambiente.O único local onde o cigarro ficaria permitido seriam em salas especiais, fechadas com porta automática. Além disso, devem ter cartazes com alertas definidos pela agência, cinzeiros com caixa de areia e climatização adequada. Quanto à infra-estrutura, teriam de ter no mínimo 4,8 m2 e pelo menos 1,2 m² por fumante. Dentro delas, também ficariam proibidos o consumo e a venda de qualquer tipo de bebida ou alimento, além de aparelhos de lazer, como televisão.A medida seria válida para todo o País e todos os tipos de ambiente fechado - de repartições públicas a prédios de empresas privadas, onde hoje os funcionários fumam em escadas, corredores ou nos fumódromos. “Quem quiser poderá fumar na sala reservada. Isso vale para empresas, edifícios, bares, restaurantes, danceterias, qualquer lugar que seja fechado. Com isso, queremos regulamentar brechas na lei aprovada em 1996 e proteger o fumante passivo”, diz Humberto Martins, gerente da área de produtos derivados do tabaco da Anvisa. “De que adianta ter placas em restaurante separando área de fumante e de não-fumante, se a fumaça não sabe ler placa?”, questiona. Martins explica ainda que as salas teriam de ser aprovadas pelos órgãos locais de vigilância sanitária antes de entrarem em funcionamento, justamente para vistoriar se as exigências da portaria, como área, ventilação, separação de ambientes, estão sendo cumpridas. O texto da regulamentação ficará no site da Anvisa por 30 dias, para receber propostas da sociedade. Passado o prazo, que pode ser prorrogado, a agência convoca uma audiência pública para discutir o tema e depois finaliza o texto. Ele é submetido ao conselho da Anvisa. Só terá validade após publicação no Diário Oficial da União. Qualquer pessoa ou entidade que tiver interesse em se manifestar pode enviar e-mail (controle.tabaco@anvisa.gov.br) com o título “salas exclusivas para fumar”. CASOSMedidas como essa foram adotadas em Nova York, onde não se pode fumar em restaurantes. França e Argentina deram prazo para estabelecimentos se adaptarem às mudanças. Já a União Européia anunciou que quer proibir totalmente o fumo em locais fechados em todos os países do bloco até 2009. No Brasil, o fumo já é proibido em locais fechados, hospitais, cinemas e teatros, mas permitido em áreas separadas e nos ‘fumódromos’ - que hoje não precisam seguir padrão. Segundo a Organização Mundial da Saúde, um terço da população adulta (ou 1,2 bilhão de pessoas) fuma, com 4,9 milhões de mortes ao ano. No Brasil, óbitos relacionados ao cigarro chegam a 200 mil ao ano.

quinta-feira, 5 de abril de 2007

EXAMES INSTANTÂNEOS

Pesquisadores dos Estados Unidos desenvolveram uma técnica que pode identificar e medir múltiplas substâncias do corpo em menos de 60 segundos.
A equipe da Universidade de Rochester anunciou que a técnica envolve laser, luz branca e um tubo reflexivo, e pode examinar urina e soro sangüíneo. No estudo, os pesquisadores mediram 11 substâncias no soro sangüíneo: proteína total, colesterol, os níveis de LDL e HDL, glicose, triglicérides, albumina, bilirrubina, nitrogênio da uréia sangüínea, globulina e CO2. E mediram, na urina, os níveis de nitrogênio da uréia e creatina.
A partir da análise, segundo eles, poderão ser diagnosticadas e tratadas doenças renais, urinárias, cardiovasculares, diabetes, entre outras.

segunda-feira, 2 de abril de 2007

Vamos falar sobre a saúde do Planeta?

Você certamente usa pilhas em algum aparelho eletrônico. As pilhas que você utiliza não devem ser jogadas no lixo comum, após seu uso. É necessário que elas tenham um fim diferente e há empresas que já estão colaborando com a eliminação mais adequada dessas fontes de energia que são muito utilizadas em nossa vida moderna.
As pilhas que vão para o aterro sanitário acabam contaminando o solo e que acabam prejudicando o meio ambiente.
As pilhas e baterias apresentam em sua composição metais considerados perigosos à saúde humana e ao meio ambiente como mercúrio, chumbo, cobre, zinco, cádmio, manganês, níquel e lítio. Dentre esses metais os que apresentam maior risco à saúde são o chumbo, o mercúrio e o cádmio.
Uma maneira de reduzir o impacto ambiental do uso de pilhas e baterias é a substituição de produtos antigos por novos que propiciem um maior tempo de uso, como por exemplo o uso de pilhas alcalinas ou de baterias recarregáveis no lugar de pilhas comuns.
Mas a correta inutilização desses materiais certamente colaboram muito mais para proteger o meio ambiente.
Há uma lei que indica o tratamento especial para as pilhas e baterias que contenham em suas composições chumbo, cádmio, mercúrio e seus compostos, acima dos níveis estabelecidos pela mesma lei.
Elas devem ser entregues, após seu esgotamento energético, pelos usuários aos estabelecimentos que as comercializam ou à rede de assistência técnica autorizada pelas indústrias.
A obrigatoriedade entrou em vigor a partir de 22 de julho de 2000.
É dos fabricantes a responsabilidade pelo tratamento final dos produtos que deverá ser ecologicamente correta e obedecer a legislação.
Mas é do consumidor a responsabilidade de vigiar e colaborar para poupar o Planeta de mais um fator agressivo. É nossa a responsabilidade.
Um lembrete: no início do século XXI, dizia-se que as pilhas comuns eram inócuas para o meio ambiente. Hoje já se pensa de modo bem diferente. Portanto, é melhor procurarmos onde descarregar nossas pilhas. A Drogaria São Paulo é uma das empresas que tem em cada uma de suas lojas um recepiente apropriado para recolher nossas pilhas usadas.
Mais algumas informações legais:
Classificação dos Resíduos (CONAMA - Cons. Nacional do Meio Ambiente)
CLASSE 1 - Resíduos Perigosos: são os que apresentam periculosidade ou uma das seguintes características - inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxidade ou patogenicidade.
CLASSE 2 - Resíduos Não Inertes: são os que podem ter propriedades tais como combustibilidade, biodegradabilidade ou solubilidade em água. Os resíduos domésticos são assim classificados.
CLASSE 3 - Resíduos Inertes: são aqueles que submetidos a um contato estático ou dinâmico com a água destilada ou desionizada, à temperatura ambiente, não têm nenhum de seus componentes solubilizados em concentrações superiores aos padrões de potabilidade da água.

Destino Final dos Resíduos Sólidos
Disposição a céu aberto (LIXÃO)
96% dessas 200.000 ton. de resíduos domésticos são lançadas diariamente no meio ambiente sem nenhum cuidado especial, ou seja, terão seu destino final em algum lixão. Isto acontece em 60% das cidades do país.A maioria dos municípios do Brasil possui áreas comprometidas por causa dessa prática. Sem nenhum controle sanitário ou ambiental o lixo acarreta graves problemas de saúde pública, relacionados com a proliferação de vetores de doenças.Segundo o Laboratório de Engª Sanitária e Ambiental da Universidade Federal de Viçosa (UFV) de Minas Gerais, a má gestão destes resíduos é responsável por 65% das doenças no Brasil.

Aterro Sanitário (Resíduos de Classe II)O chamado aterro simples, a curto prazo, é o mais barato. Já o aterro sanitário, acompanhado do tratamento e reciclagem, é uma das mais corretas e lucrativas formas de se resolver o problema. Exige tratamento do chorume e monitoramento permanente.
Aterro Industrial (Resíduos de Classe I)- Maior exigência de controle ambiental- Capas impermeabilizantes mais fortes e seguras- Compartimentalização e dreno sentinela- Não pode emanar gases nem produzir chorume- Drenagem superficial da água

Resíduos Considerados Perigosos - Classe I
- Baterias de veículos- Embalagens de produtos tóxicos , corrosivos, inflamáveis e venenosos- Lâmpadas fluorescentes- Lixo de banheiro- Lixo hospitalar, odontológico, veterinário, farmacêutico, curativos e similares- Material radioativo- Restos de remédios: vencidos ou não- Pilhas e baterias